março 2009
D S T Q Q S S
« fev   abr »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  



FALANDO SOBRE A DENGUE

O deputado e o diretor da 7ª Dires conversam com o tenente Álvaro do Nascimento

O deputado e o diretor da 7ª Dires conversam com o tenente Álvaro do Nascimento

Como já divulgado, as equipes das Forças Armadas que estão em Itabuna para ajudar no combate à dengue identificaram que a limpeza pública deficiente e a ausência de agentes no trabalho de campo são fatores que colaboram muito com o Aedes aegypti.

Hoje pela manhã, o tenente da aeronáutica Álvaro do Nascimento comentou a situação com o deputado federal Geraldo Simões (PT) e o diretor da 7ª Dires, João Marcos de Lima, que estiveram no Hospital de Base para conversar com as equipes envolvidas no atendimento aos pacientes.

10 respostas para “FALANDO SOBRE A DENGUE”

  • Sérgio Oliveira disse:

    Essa “barriguinha” do Diretor da DIRES aqui em Itabuna é sinônimo de muito trabalho (em Salvador), …!!!

    Com o mosquito atentando por aqui, “adeus minhas diárias”, …!!!

    Para completar, o pessoal do Shopping Jequitibá proibiu os fumantes junto ao cafezinho, próximo à lotérica, tradicional local de encontro de bate papo entre os “politizados”. Aí foi de matar, …!!!

    Outra coisa: Como é que chamam o Deputado de “deputa”. Mais respeito, por favor, com as autoridades, ora bolas, …!!!

  • Raimundo disse:

    Com o Sr. Marcão a frente da 7a. DIRES,acredito que agente vá precisar de pelos menos mais 100 anos para resolver o problema da dengue. Não acha que a Dires esá apática???

  • Mr Anderson disse:

    Apática está a prefeitura com essa gestão inerte. Mas convenhamos que talvez você faz parte da parcela que gostava do anterior gestor da Dires, do qual todos nós sabemos que saiu de lá com o bolso cheio e até hoje o paradeiro é obscuro.

    Grandeeee Marcão continue assim com seu trabalho que é bastante sério frente a 7ª Dires.

  • Clara Lua disse:

    FALANDO SOBRE O MARCÃO:

    Sérgio: nas entrelinhas, com especial atenção à Pança
    Raimundo:Contra, sem esperanças
    Mr Anderson: Totalmente a favor e contundente.
    Eu :Samba Canção “E por falar em saudade onde anda você” ?

    Vejamos cenas dos próximos capítulos

  • Magnata disse:

    O “papagaio de pirata”, Geraldo Simões, não perde uma oportuinidade para aparecer e ainda tirar uma lasquinha, saúde é coisa seria, política também. E as duas não se combinam. Deputado, fique mai em Brasilia, lute mais por nossa região, sua atuação na Seagri foi pessima, tanto que o Governador botou pra rodar, se continuar só fazendo turismo em Brasília, vai se aposentar politicamente.

  • Luciano disse:

    É preciso chamar atenção para o fato de que o trabalho de prevenção à dengue, de visita às casas, de limpeza, de colocar o veneno que combate as larvas, é de incumbência da Prefeitura , porém esta não faz esse trabalho há tempos, é a segunda vez consecutiva que ocorre essa epidemia, decorrente do descaso do poder público municipal.

    Esse fato foi alertado… sabíamos que ocorreria essa epidemia novamente, pois nada foi feito para que impedisse, o carnaval antecipado foi mais importante.

    Por exemplo, aqui no bairro São Caetano, a última vez que o agente de combate à dengue passou, foi exatamente no dia 27 de maio de 2008. Isso pode? Quem duvidar a foto da ficha estara nas mãos do site pimenta na muqueca.

    Vale destacar que quando a má gestão da prefeitura municipal pediu socorro a DIRES teve uma resposta positiva, pois hoje tem-se um pronto atendimento no próprio SESP, foi reaberto o pronto atendimento do São Lucas e também há uma parceria com a Santa Casa. Sem falar dos médicos da Força Áerea Brasileira que está atuando no Hospital de Base.

    O governo do Estado, implantou 30 leitos no Hospital de Base para os casos de dengue.

    Tá na hora do município fazer sua parte, que seria apenas a prevenção, a limpeza correta dos bairros…

    Vale ressaltar que o lixo hoje tem sido recolhido todos os dias porque houve intervenção do Ministério Público, pq se não, a situação seria bem pior do que está. Imaginem vcs!!!

    Tá na hora deles pararem de colocar os agentes de combate a dengue para fazerem campanha e colocar de fato para cumprirem suas obrigações, que é justamente combater o mosquito transmissor da doença. De 209 agentes somente 40 trabalhavam no combate. Cadê os outros 160 agentes?

    Espero que isso não se repita mais, para que não haja mais vítimas.

  • ljdsfh disse:

    estou esperando sena no lugar de miralva

  • ANTONIO FILHO disse:

    Antonio diz:

    Para quem não sabe quando o deputado Geraldo Simões saiu da Seagri para assumir a Câmera Federal de parte de sus imenda destinou 1 milhão para Santa Casa. E ainda na campanha de 2006 para deputado federal uma das suas metas de campanha foi o GASODUTO, que hoje é uma realidade de geração de emprego e renda logo na construção.
    Papagaio de pirata é aquela pessoa que não tem representatividade politica e gosta de sair na foto ou na tv.

  • Milton Ventorim disse:

    Nota de Utilidade Pública
    Com as informações abaixo, divido notícias sobre a prevenção e melhora do quadro da dengue utilizando a homeopatia como tratamento.
    Estou sofrendo com minha família com o falecimento de minha sogra, a Professora Rita Santiago, com a perda e a incerteza no diagnóstico do quadro apresentado, e por razões diversas (epidemia, descaso público etc.) comecei a busca por soluções concretas e eficientes na prevenção e tratamento da dengue, seja no quadro clássico ou hemorrágico. Sou representante comercial estabelecido na região no qual represento empresas de renome nacional como: Track & Bikes, Arno, Motorola, Nokia, Ceramarte entres outras. Após muito pesquisar, descobri que vários municípios, seguindo o exemplo inicial de São José do Rio Preto (SP), estão investindo na homeopatia, passando a distribuir gratuitamente um complexo homeopático que diminui os sintomas da doença e trazendo uma queda brusca no número de casos de dengue.
    Para tanto, foi introduzido o uso do medicamento homeopático, consistindo nessa associação sinérgica de Eupatorium perfoliatum + Phosphorus + Crotalus horridus, administrado nas Unidades Básicas de Saúde (UBS), buscando atenuar a intensidade dos sintomas da dengue e evitar as complicações hemorrágicas.
    Em março de 2007, foram administradas doses do Medicamento Homeopático à população que, prontamente aderiu ao programa da Secretaria de Saúde, com o objetivo de acrescentar mais este instrumento ao enfrentamento da epidemia de dengue, mantendo todo o conjunto de ações de Vigilância em Saúde para controle do vetor.
    Do levantamento concluído pelo pesquisador Dr. Renan Marino, médico homeopata, Mestre em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, Professor Assistente do Departamento de Pediatria da Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto e professor de Homeopatia no Instituto Homeopático François Lamasson de Ribeirão Preto – 73,4% dos pacientes não apresentaram dengue. Dos pacientes que apresentaram dengue e tomaram o medicamento para tratar os sintomas 92% tiveram alta em até duas semanas, que significa um curtíssimo período de convalescença.
    Concluindo, durante o mês de março de 2007, o medicamento homeopático (Eupatorium perfoliatum, Phosphorus e Crotalus horridus) foi administrado à população de São José do Rio Preto, SP, segundo Diretrizes e Protocolos da própria Secretaria Municipal de Saúde e Higiene da cidade. Segundo o pesquisador e médico Dr. Renan Marino, os resultados estatísticos mostraram a excelência do método aplicado, legitimando que o uso deste medicamento homeopático em saúde coletiva, tanto na prevenção como no tratamento dos sintomas, na epidemia de dengue, se apresenta como um recurso inestimável e oportuno diante dos desafios que a saúde pública tem se defrontado no Brasil e no mundo.

    O fácil acesso ao medicamento, a simplicidade posológica, a facilidade da administração em larga escala, a observação de inexistência de efeitos colaterais bem como reações adversas além do conjunto de ações de Vigilância em Saúde para controle do vetor contribuíram decisivamente para justificar os resultados obtidos (MARINO, 2008).
    Na cidade de Macaé (RJ) o tratamento foi colocado em prática, quando a epidemia alcançou a marca de 600 casos registrados somente em abril de 2007. No ano todo, foram registrados 1890 casos de dengue em Macaé.
    Segundo a coordenadora de saúde coletiva de Macaé, Laila Nunes, já no final de 2007, com o uso do complexo homeopático, a queda registrada foi muito maior que nos municípios vizinhos, que continuaram com a epidemia. Em 2008 foram registrados apenas 59 casos da doença.
    - O complexo diminui os sintomas da dengue, atenua o tempo da febre, e assim diminui o número de óbitos. Como a doença é sazonal, fazemos a campanha sempre que o número de casos começa a aumentar, sendo umas três vezes ao ano – explica Laila.
    No início de maio o projeto foi apresentado num simpósio de pesquisa da UERJ, quando foi criado o Grupo Nacional de Homeopatia e Dengue. Alguns médicos do grupo chegaram a trabalhar com o complexo homeopático na tenda montada no Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá, durante a epidemia no Rio.
    Em São José do Rio Preto, que foi o primeiro município do país a adotar oficialmente o tratamento com homeopatia contra a dengue, de acordo com o secretário de Saúde do município, Dr. Arnaldo Almendros Mello, a idéia de distribuir o complexo homeopático gratuitamente nos postos de saúde contribuiu para uma queda substancial do número de casos da doença.
    - Tivemos 10 mil casos de dengue no ano passado na cidade, com piora da morbidade e maior incidência de internações. Com o trabalho homeopático, o número de casos caiu para 189 – comemora.
    Apesar da grande queda no número de casos, o secretário não atribui a melhora no quadro apenas à homeopatia.
    - Não dá para atribuir só ao complexo homeopático essa queda porque o trabalho foi continuado, aliado ao combate aos focos do mosquito. A homeopatia foi uma terapia alternativa, mas os resultados são otimistas – considera.
    A escolha da homeopatia surgiu por conta do trabalho de um homeopata da cidade, que utilizou o complexo para aplacar uma epidemia de dengue em Havana.
    - Nossa base foi o estudo de um médico e homeopata do município, Dr. Renan Marino, que já tinha experimentado um complexo homeopático, inclusive apresentado o trabalho em Cuba, e defendia que o medicamento diminuía o tempo dos sintomas para dois ou três dias, quando não os tornava quase imperceptíveis – diz Mello.
    Inicialmente, 100 mil doses iniciais foram distribuídas em março nas 23 unidades de saúde da cidade, mas o tratamento continua à disposição nos postos médicos. A aplicação é feita em uma dose sublingual.
    Para o professor convidado para o curso de homeopatia da Universidade Federal de Viçosa (UFV), José Alberto Moreno, a homeopatia é eficaz tanto na prevenção quanto no tratamento da dengue.
    - O uso da homeopatia tem duas direções, para evitar a dengue e como tratamento curativo para quem já está com dengue. O modelo homeopático complementa o tratamento com a alopatia – conclui
    Depois que li esses relatos, descobri que a ANVISA, registrou um medicamento com essa fórmula homeopática, sob nº 1.0266.0168.001-3, publicado no DOU (Diário Oficial da União) em 08 de dezembro de 2008 com a indicação de auxiliar no tratamento dos sintomas da dengue.
    Medicamento esse que já está sendo comercializado por um Laboratório que financiou as pesquisas, pagou o registro do medicamento no órgão federal e agora revende em farmácias por todo o Brasil, mas com um alto custo de tratamento, custando mais R$ 30,00 uma caixinha que dá para apenas 10 dias de tratamento individual.
    Com essa busca iniciei uma parceria com a Homeopatia Átomo (CNPJ 07.841.515/0001-63, que tem como Farmacêutica Responsável Maria Tereza do Lago Vieira – CRF-RJ 2384, no qual estamos oferecendo o complexo homeopático para farmácias, lojas de produtos naturais e afins da região, com um custo bem abaixo do medicamento registrado.
    A prevenção para uma família composta de 5 pessoas com mais de 5 anos, custa em média, R$ 45,00, custando em média R$ 9,00 por um mês inteiro de prevenção.
    Maiores informações telefone para (73) 9191-2663 que estarei à disposição.
    Milton Ventorim
    ventorim@gmail.com

  • tony disse:

    GERALDO SOCORRA ITABUNA! NAO TEMOS PREFEITO.E SIM UMA MARIONETE,QUE SE ELEGEU PROMETENDO COISAS QUE NAO VAI FAZER.SECRETARIOS QUE NAO DIZEM PRA QUE VEIO.NOSSA ITABUNA AFUNDA,E O POVAO CALA-SE.VAMOS PRA RUA ACORDAR ESSA LESMA PRA VER SE SAI DO PALANQUE.MAIS GERALDO SIMOES VAI DAR UMA MAOZINHA.PQ ELE AMA ITABUNA.VALEU GERALDO E OBRIGADO GOVERNADOR;

Deixe seu comentário