WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










abril 2010
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

editorias





itao




CAMELÔS FICAM NO CENTRO

Os vendedores ambulantes que ocupam as calçadas da avenida do Cinquentenário não serão mais removidos para o Centro Comercial. Essa foi a primeira decisão tomada durante encontro entre os representantes dos camelôs e o secretário de Indústria e Comércio, Carlos Leahy, nesta manhã.

Eles serão removidos da Cinquentenário para a rua Nilo Santana, que liga a praça Manuel Leal à Cinquentenário, ou para o estacionamento da praça Camacan. As duas propostas serão votadas em reunião marcada para a próxima segunda-feira, 12, às 18h30min, no auditório do Sindicato dos Comerciários de Itabuna.

O presidente da Associação dos Camelôs da Cinquentenário, Márcio Higino da Silva, diz que 68 ambulantes cadastrados atuam na avenida. Eles pressionaram o governo ao saber que seriam transferidos para longe. “O centro comercial seria inviável (economicamente) para nós”, observa Márcio.

12 respostas para “CAMELÔS FICAM NO CENTRO”

  • Netan says:

    No caso em questão, vale a expressão: “Carlos Lhay”-Bitencourt tem medo! Lhay que tanto pressionou os outros governos para expulsar os camelôs, agora percebe que as coisas não podem ser feitas por vontades individuais e quando se trata de mexer com seguimentos organizados, o buraco é mais embaixo!

  • Marta says:

    Como consumidora, desejo sugerir as autoridades competentes que uma solução seria colocar os ambulantes no calçadão da Ruy Barbosa e transformar o Beco dos Artista tambem em calçadão para concentra-los nesta transversal e no calçadão até a esquina com a Praça Adami. É uma idéia ok!

  • biguestressado says:

    já não chega a falta de estacionamento em itabuna, ainda estão querendo levar os camelôs pra praça camacan??
    não já se tirou um monte de lá, porque fazer uma feira livre de novo naquele local.não acho nada demais levá-los pro centro comercial. o problema é que toda merda que existe em itabuna,tem que ser perto da cinquentenário. agora que estão querendo revitaliza-la, vão amontoar
    gente, camelôs e outros tipos de comercio na mesma área.
    daqui a pouco, estão invadindo a avenida de novo. manda esse povo pra bem longe da cinquentenário.deixa a avenida livre para o consumidor e
    os comerciantes do local que já pagam suas toneladas de impostos.esses
    caras trabalham na informalidade e não pagam um centavo de imposto.

  • sorti says:

    sacanagem ir para PRAÇA CAMACAM..

    que nun paga imposto tem que ser deportado.

    se pagaremm IPTU… ai sim…. e nãoo hihihihi

  • alfredo newman says:

    Esses ambulantes são uma vergonha para a cidade. Deveriam ter seu local, e não competindo deslealmente com as lojas, que pagam seus impostos. Sem falar que a rua fica parecendo uma grande favela. ê terra que não tem jeito. Esse prefeito, Azevedo, deveria ser prefeito de Arataca, e nao de uma cidade como Itabuna. Que vergonha…

  • leidikeiti says:

    Por causa da ideia de achar que qualquer coisa é “meio de vida” é que em Itabuna tudo vira vício: o tráfico e uso de drogas, a pirataria, os bares nas calçadas e em lugares incompatíveis com a privacidade alheia, o aborto cobrado, meninas e meninos fazendo prostituição e tantos outros vícios maléficos. Só falta agora os pedófilos dizerem que eles estão prestando serviço às famílias…

  • Souza Neto says:

    O local mais adequado é o Centro Comercial, o que resta dele.
    Essa relutância em ir para o Centro Comercial se deve ao estado em que aquele espaço público se encontra. Uma verdadeira “zorra”. Desorganização e sujeira pra todo lado!

    A primeira providência é revitalizar todo o CC criando condições para que os consumidores tenham prazer em comprar os produtos ali comercializados.

    No caso específico dos camelôs, seria criado um espaço bem organizado com boxs/quiosques padronizados.

    Todos os comerciantes do CC seriam obrigados a realizar um curso preparatório que versaria sobre compras, vendas, organização e controle de estoques, noções de higiene e técnicas de atendimento.

    Vejo o CC com um enorme potencial para a comercialização de produtos variados. Os considerados de primeira necessidade e de alta rotatividade não podem faltar. Desse modo,o consumidor será atraído para o local.

    Com isso, todo camelô vai querer uma barraca, um quiosque ou box no local.

    O que está faltando é administrador no município.

  • Jonathas Chaussê says:

    Com certeza Azevedo tá querendo acabar com o que se sobra da recém-reformada, Praça Camacã. já acabou com a fonte luminosa e agora quer voltar os camelôs pra lá.

    Aposto que eles voltam pro mesmo lugar no máximo 6 meses da revitalização da Cinquentenário, que duvido muito que será feito o que falou que ia fazer….fios de telefone por debaixo do chão??….tô pra ver…..ai ai meio fio de cimento..kkk, é uma piada!

  • Zelão says:

    Zelão diz: – Incompetência é a tônica

    A falta de planejamento; o improviso das ações; o primarismo nas decisões. Essa tem sido a tônica do governo do “capitão prefeito.”

    Quando foi anunciada a “maquiagem” da avenida do cinquentenário (que querem transformar em avenida do centenário), o governo alardeou que faria a transferência dos camêlos, para o centro comercial, que seria totalmente recuperado e nesse sentido,um convênio com o governo do estado, já teria sido firmado, o que garantiria a verba para a execução imediata das obras.

    Como tudo o que “diz que vai fazer,” o “desgoverno do capitão” cria falsas expectativas com anúncios bombásticos, nos quais o Secretário Carlos Leahy, vem se especializando fazer, em nome do governo. A essa altura do campeonato – igual ao time de futebol do Itabuna – Carlos Leahy, já está rebaxaido a condição de secretario que não sabe o fala e sem prestígio, até mesmo perante a classe empresarial a quem representa dentro do governo.

  • Souza Neto says:

    Repito: o Centro Comercial deveria ser um local onde todos os itabunenses teriam prazer em estar. No entanto, com a zorra e a imundície que impera no local, fica impossível sentir-se bem. No setor de produtos in natura (carnes, etc.) é preciso abrir espaço entre urubus, sangue escorrendo e moscas. O mau cheiro é insuportável.

    Só a recuperação e uma nova organização física não resolve. É preciso preparar os comerciantes para exercerem suas funções com profissionalismo e higiene.

  • wallace sergio says:

    Seu Pimenta não respeita opiniões discordantes…
    Novamente, apagou meu comentário…rsrsrsrsrsrsrs
    Repito: em minha cidade não existe Praça “Manuel” Leal, nem há de existir. Preferimos o nome Getúlio Vargas, afinal a “Ilha do Rato” se chama assim. Exijo nota da redação, obrigado.

    Da Redação: Wallace, respeitamos sua preferência, mas o que vale é a lei.

  • wallace sergio says:

    Quem fala a verdade com autenticidade não se esconde por trás de codinomes. Descartem os seus!

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia