Jony Torres

O goleiro e a bola sempre viveram um caso de amor. No mundo do futebol todos sabem como a relação é intensa, cheia de muito carinho e brigas também, afinal a união é apaixonada. Há muito se sabe que arqueiro bom, mas bom mesmo, dorme e acorda acompanhado da sua amada gorduchinha.

Mas na semana passada, uma das partes resolveu lavar a roupa suja em público. Nosso arqueiro Júlio César foi um dos primeiros goleiros escalados para o Mundial da África do Sul a manchar a imagem da pelota apelidada de Jabulani. Tudo bem, a moça anda metida à modernosa, abandonou de vez a roupa de couro, se cobriu toda de poliéster e poliuretano, e rebola no campo como se estivesse de novo amor. Mas chamar a menina de horrível na frente de um bocado de marmanjo com caneta e papel na mão, isso não se faz goleirão. Não pode! Que falta de educação e de respeito com quem lhe traz alegria, fama e dinheiro.

Ô Júlio, não quero meter a colher nessa briga, só acho melhor você tomar cuidado com as palavras. Todo macho sabe como elas podem ser vingativas e cruéis e não esquecem nunca uma frase, principalmente se a tal frase for algum adjetivo quanto à forma da dita. Outra coisa, meu velho. Nenhum espécime feminino gosta de ser chamada de fácil. Por isso, nem de longe, você deve sair por aí dizendo que esta menina pode ser encontrada em qualquer supermercado.

Só não vá dar chilique se a pelota caprichosamente te trair ao ceder aos galanteios de um pé artilheiro.

Ela, a Jabulani, a bola da Copa!Se o senhor acha que vai ser difícil pegá-la, porque o vaivém no caminho está mais forte ou porque anda mais ligeira e faceira na busca pelas redes, faça então o seu dever. Chegue mais cedo em casa, ou melhor, no campo e trate-a muito bem. Quando os atacantes bater na moça, você sai correndo, pulando, se jogando para pegá-la em seus braços quantas vezes for necessária para deixá-la mal-acostumada com tuas mãos. Mas pega de jeito mesmo, no tempo e no lugar certo. Ela vai adorar, confie em mim. Se fizer desta forma, quando rolar no jogo contra a Coreia do Norte, já estará caidinha por ti.

Só não vá dar chilique se a pelota caprichosamente te trair ao ceder aos galanteios de um pé artilheiro e acabar passando a noite onde a coruja dorme. Se isso ocorrer, mantenha a frieza e nada de espernear debaixo das traves, mas não deixe passar em branco. Chama o Lúcio e manda ele bater com força toda vez que ela chegar perto. Já para o Kaká, o negócio é pedir para ele levá-la para bem longe de você e de forma rápida, bem rápida. Aproveita que teu amigo Luis Fabiano também não gosta dela mesmo e pede para ele terminar o serviço desovando o corpo no gol adversário. Faz isso e vais conquistar a bola e o país dela.

Jony Torres é jornalista e apresentador da TV Bahia, coluna publicada no Correio.