WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

unesul bahia

uniftc






janeiro 2011
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

editorias


:: 2/jan/2011 . 22:42

SECRETARIADO DE NEWTON LIMA NÃO SE ENTENDE

Carlinhos Freitas: em guerra contra Alcides Kruschewsky e Alisson Mendonça

Um clima de guerra se instalou entre secretarias estratégicas do governo Newton Lima e, como assunto é guerra, naturalmente o explosivo Carlos Freitas (titular da pasta dos Serviços Públicos) não poderia estar de fora.

Freitas foi alvo de críticas dentro do próprio governo devido ao acúmulo de lixo nas ruas de Ilhéus. Embora as ruas da cidade estejam realmente uma imundície, o secretário não procurou corrigir a falha. Em vez disso, voltou sua “metralhadora” contra secretários que estariam conspirando contra ele. Os alvos: Alcides Kruschewsky (Governo) e Alisson Mendonça (Planejamento).

Mendonça sofreu o primeiro impacto da vingança há poucos dias, quando tentou promover uma ação para organizar a área comercial da cidade, invadida  por ambulantes nesse período de grande movimentação turística. A medida não foi colocada em prática porque, na hora “H”, os fiscais desapareceram.

E quem comanda o setor de fiscalização? Exatamente a Secretaria de Serviços Urbanos.

Aguardam-se outras maldades da cachola do velho Carlinhos Freitas, que tem o “mérito” de ser amigo de longa data do prefeito Newton Lima.

MACHADO ASSUME A CÂMARA NESTA SEGUNDA (PARA CONSERTAR OU ESCULHAMBAR DE VEZ)

Gerson Nascimento (o vice) e Ruy Machado: posse nesta segunda-feira - foto View SílvioS

As expectativas em torno do novo presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ruy Machado (PRP), são diversas, mas com predominância de um olhar desconfiado sobre a mesa diretora que assume nesta segunda-feira, 3, em sessão marcada para as 8 horas da manhã.

Para alívio próprio, o novo presidente tem a sorte de poder dividir o peso da desconfiança. Se parte dela tem a ver com pecados pessoais, outra porção significativa corresponde ao processo de intensa deterioração moral vivido pelo legislativo itabunense nos últimos anos (e a coisa começou antes da presidência de Clóvis Loiola).

Machado tem a chance de iniciar uma nova etapa, o que depende do cumprimento do acordo feito com os vereadores que o apoiaram, entre eles Wenceslau Júnior (PCdoB) e Claudevane Leite (PT).

O acordo inclui itens como independência, a construção da nova sede da Câmara, realização de um concurso público e medidas voltadas especificamente à moralização do legislativo municipal.

Machado tem um roteiro a cumprir. Se seguir caminho diverso, estará somente dando sequência ao curso do “Titanic”… Mas não afundará sozinho!

RAMON DEIXA O VITÓRIA

O meia Ramon deu tchau ao Vitória, neste domingo, após negociações frustradas com a diretoria do rubro-negro baiano. O atleta estava no time há duas temporadas e se despede com um rebaixamento no currículo.

Ele fez divulgar carta aberta desejando “sorte”. “Minha intenção era continuar”, diz. “Confesso minha imensa gratidão ao estado da Bahia”, completa. Nos bastidores, comenta-se que o futuro de Ramon pode ser o Ipatinga-MG.

45 MIL DISPUTAM 3,2 MIL VAGAS PARA PROFESSOR

As provas objetivas e discursivas do concurso da Secretaria Estadual de Educação (SEC) serão aplicadas no próximo dia 9, às 8h, em 32 municípios-sede de diretorias regionais de Educação (Direcs).

Os locais de prova foram divulgados neste final de semana. De acordo com a SEC, 45.461 candidatos disputam 3.200 vagas. O salário para carga de 20 horas semanais é de R$ 654,32, mais gratificação de R$ 204,02. Clique em “leia mais” e confira os locais de prova em Itabuna e Ilhéus.

:: LEIA MAIS »

UNIVERSO PARALELO

JÂNIO QUADROS: DE PRONOMES E MINISTROS

Ousarme Citoaian

Dizia-se, com boa dose de maldade, que o presidente Jânio Quadros era melhor para colocar pronomes do que ministros. O velho JQ, com as qualidades e defeitos inerentes ao ser humano, era professor de português, gramaticista à moda antiga e, em tal condição, sabia bem de pronomes. A famosa frase “Fi-lo porque o quis” (transformada na folclórica “Fi-lo porque qui-lo”, destituída de sentido lógico) dá bom exemplo do rebuscamento com que aquele político tratava a língua portuguesa. Ele jamais diria, nem sob tortura, “Vou procurar-lhe”, mas “Vou procurá-lo” – conforme preceitua a norma culta.

LEMBRANÇA QUE SAI DE CINZAS REVOLVIDAS

Estaria este hebdomático e fatigado colunista com algum tipo de nostalgia janista? Falemos sério: Jânio não faz meu gênero e sua lembrança apenas saiu das cinzas revolvidas com o anúncio do livro Minha Ilhéus, de José Nazal. Diz o texto que a editora deseja “convidar-lhe” para o lançamento – uma construção positivamente infeliz. Alguns verbos (e, na minha memória de ex-aluno do professor Chalupp, convidar encabeça a lista) são inimigos declarados do pronome “lhe”: abraçar, beijar, adorar, procurar, amar, encontrar, ameaçar e desejar estão entre os que não gostam do “lhe”.

LEITORA: NÃO PERMITA QUE ELE “LHE” AME

Recomendamos a eventuais leitoras incautas que, se acaso um sujeito manifestar intenções de amar-lhe, desejar-lhe, adorar-lhe, abraçar-lhe (ou outras agressões freudianas e gramaticais) corra, pois ele é menos inteligente do que romântico. Livre-se do tipo, antes que ele passe a tratá-la com a mesma grosseria com que trata a gramática. Prefira alguém que lhe diga “Eu a adoro”, “Eu a amo”, “Eu a abraço”, “Eu a beijo”, “Eu a amasso” e por aí vai. E em caso de a moça declarar-se ao maluco, a regra é a mesma. Se ela grafar “Eu lhe desejo” (em vez do civilizado “Eu o desejo”) é provável que o romance dê com os burros n´água, mais cedo do que o habitual.

ANÚNCIO DE LIVRO EXIGE LÍNGUA FORMAL

No coloquial do dia-a-dia ninguém liga para o uso correto de pronomes (as exceções eram o citado Jânio Quadros e o jurista Josaphat Marinho). Mas é diferente com a língua padrão, que precisa seguir as normas gramaticais. E não me venha a CLMH (Comunidade dos Linguistas Mal-Humorados) justificar isto como linguagem do povo: o texto referido tem os nomes de um escritor, uma editora e uma academia de letras, portanto, o informal nada tem a ver com isto. O anúncio há de ser vazado em língua culta: “… alegria de convidá-lo” (ou convidá-la, é óbvio). Jamais “convidar-lhe”. Houve transgressão, sem dúvida.

NÃO É POSSÍVEL COMER O QUE É LÍQUIDO

Já acaba o espaço, mas não resisto a outra anedota sobre o ex-presidente, provavelmente inventada, e que o folclore tornou mais poderosa do que a realidade.  Então, vamos a uma das versões circulantes. Admirador das destilarias da Escócia, Jânio Quadros enfrentou o preconceito da sociedade brasileira e a bisbilhotice de um jornalista, que lhe perguntou, acintosamente: Por que o senhor bebe tanto? E JQ, com ar de compaixão diante de tamanha ignorância, foi didático no exercício do seu senso de humor absolutamente britânico: Bebo porque o uísque é líquido; se fosse sólido, comê-lo-ia, com garfo e faca.

COMENTE! »

NINGUÉM GOSTA DE PROVOCAR COMPAIXÃO

De repente, me lembro de uma situação recorrente na MPB, abordada por vários autores.  É o tema de “não dar o braço a torcer”, não demonstrar o que o poeta sente de fato, não permitir que seu sofrimento seja partilhado pelos outros. Entre a carência da solidariedade e o desdém (talvez vingança) que essa necessidade provoca, é melhor não arriscar: então, fazemos aquela cara de que está tudo bem, e quem pensava que iria rir do nosso padecer, errou. Ardemos por dentro, é verdade, mas os inimigos não terão o gostinho de saber disso. Eles só nos verão limpos, cheirosos e com um amplo sorriso no rosto. Aqui pra eles!

QUEM É BOM SOFREDOR NÃO DÁ BANDEIRA

Noel Rosa tinha uma “filosofia” que o ajudava com esse problema: “Nesta prontidão sem fim/ Vou fingindo que sou rico/ Pra ninguém zombar de mim” (Filosofia, com André Filho/1933). Pausa para lembrar que “prontidão” é gíria da época: estado de quem está sem dinheiro, pronto, duro, liso. Não quero abusar, apesar do centenário que, como fã (hoje chamam tiete!), continuo nas comemorações, mas isto aqui também é Noel (na caricatura de Luquefar): “Quem é que já sofreu mais do que eu?/ Quem é que já me viu chorar?/ Sofrer foi o prazer que Deus me deu/ Eu sei sofrer sem reclamar” (Eu sei sofrer/1937). A fórmula geral é não dar bandeira.

AS LÁGRIMAS DO POETA NINGUÉM VÊ CAIR

De Zé com Fome e Ataulpho Alves, Orlando Silva cantava: “Pra ninguém zombar,/ Pra ninguém sorrir/ É só no coração que eu sei chorar/ O pranto meu ninguém vê cair” (Meu pranto ninguém vê/1938). A dupla Humberto Teixeira e Luiz Gonzaga também comparece: “Mas ninguém pode dizer/ Que me viu triste a chorar/ Saudade, o meu remédio é cantar” (Qui nem jiló/1949). Candeia (Pintura sem arte/1978), fala de sua cruel prisão à cadeira de rodas: “Mas se é pra chorar, choro cantando/ Pra ninguém me ver sofrendo/ E dizer que estou pagando” (Alcione, com aquela categoria que o mundo aplaude, regravou este samba em 1981).

AONDE A SAUDADE VAI A DOR VAI ATRÁS

Se alguém pensou que esta conversa desaguaria em Fernando Pessoa (1888-1935), tudo bem.  Aqui vai, com desculpas pela previsibilidade, a primeira quadra de Autopsicografia/1930: “O poeta é um fingidor:/ Finge tão completamente/ Que chega a fingir que é dor/ A dor que deveras sente”. Claro. Fingir é fugir (ops!) a certos gêneros de padecimentos morais. E, para finalizar, Noel (é o centenário, gente!), com uma saída muito engenhosa em Tenho um novo amor/1932 (com Cartola): “Se acaso algum dia se apagar/ do teu pensamento o meu amor/ para não chorar e não mais penar/ mando embora a saudade/ prá livrar-me da dor”.

COMENTE! »

GILBERTO GIL E O SAMBA DA “DESPEDIDA”

Os mais jovens (eventualmente, é uma grande falta de sorte ser jovem) não viram o que significou Aquele abraço, canção que Gilberto Gil fez em 1969, para se despedir do Brasil. Ele e Caetano, depois de presos e com as cabeças raspadas, foram “autorizados” a deixar o País. A música, que virou mania nacional, é rica em símbolos e sugestões: de saída, Gil louva sua aldeia, ao dedicar Aquele abraço “a Dorival Caymmi, João Gilberto e Caetano Veloso”, para mais tarde mandar um desaforo à ditadura: “Meu caminho pelo mundo/ Eu mesmo traço/ A Bahia já me deu/ Régua e compasso/ Quem sabe de mim sou eu/Aquele abraço”. Perca-se tudo, mas salve-se a dignidade.

NO FLAMENGO GIL ACHOU RIMA E SOLUÇÃO

Há outras mensagens nem sempre explícitas: Realengo não é mencionado por acaso, mas para debochar do arbítrio – foi no quartel do Exército naquele subúrbio que Gil e Caetano ficaram presos. O Flamengo é outra entrada nada casual, marca da ironia do artista com a chamada nação rubro-negra: o Fluminense havia conquistado o título carioca, ao vencer o Flamengo por 3 x 2, Gil era um dos 171 mil torcedores no Maracanã e viu a tristeza da massa. Com seu “abraço” ele está dizendo aos derrotados que “o importante é competir” (ou “consolo” semelhante). Torcedor do Fluminense, Gil encontrou no Flamengo rima (para Realengo) e solução (para tirar sarro do rival).

CHACRINHA, A ANTÍTESE DO POSITIVISMO

Depois de exaltar o dolce far niente (carnaval, futebol, banda de Ipanema) do Rio de Janeiro, que (apesar de tudo) “continua lindo”, o baiano elege para ícone e ápice da ironia o pernambucano Abelardo Barbosa, Chacrinha. O apresentador, que “continua balançando a pança”, é a outra face do positivismo pregado pela ditadura, a anarquia organizada (“Eu vim para confundir, não para explicar”), o anti-Ordem e Progresso, a bagunça, a geléia geral brasileira. Se a ditadura é a tese, Chacrinha é a antítese – e o menino Gilberto Gil (27 anos na época) é o arauto, exegeta, explicador do processo. As mensagens se sucedem, sempre com a expressão “continua”.

AOS 27 ANOS GILBERTO GIL JÁ LEVITAVA

A vida, mesmo com a violência dos que tomaram o poder à força, segue, escrachada, fora do figurino oficial verde-oliva: além de balançar a pança politicamente incorreta, o Velho Guerreiro (na charge) continua “buzinando a moça” (um duplo sentido de indiscutível bom gosto), “comandando a massa” e “dando as ordens no terreiro” – não importa o que digam, que falem, que pensem ou queiram os usurpadores, o povo parece ter outra regra e compasso. No vídeo raro, feito em 1979, Gilberto Gil em estado de graça, zen, sideral, elevado, celeste, quase levitando, puro, de uma forma que os recursos eletrônicos não mais nos permitem ver (e com um ótimo improviso no final). O eterno Gil.

(O.C.)

VIOLÊNCIA: CIDADES SUL-BAIANAS REGISTRAM NOVE HOMICÍDIOS NO FIM DE SEMANA DO ANO NOVO

Os votos de paz não alcançaram muitos moradores de cidades sul-baianas nesta virada de ano. Nada menos que nove homicídios foram registrados do dia 31 de dezembro até a manhã deste domingo, 2.

Três assassinatos aconteceram em Itabuna. Rafael Silva Araújo, de 17 anos, foi encontrado morto no bairro Nova Califórnia, com perfurações de bala nas costas e na cabeça. Emerson Santos Silva, da mesma idade, chegou a ser levado para o Hospital de Base, após ter sido baleado, mas não resistiu aos ferimentos.

Já na manhã deste domingo, foi encontrado na avenida Pedro Jorge, também em Itabuna, o corpo de um homem moreno, aparentando idade de 30 a 35 anos. A vítima, que trajava camisa e bermuda azuis, foi levada para o Departamento de Polícia Técnica. Segundo o perito Carlos Libório, o homem foi alvejado por três tiros a queima-roupa.

Em Ilhéus, dois homicídios ocorreram no dia 31, nas imediações da Praça Dom Eduardo, e a polícia ainda não tem a identificação das vítimas. Na zona norte da cidade, mataram a tiros Gilson Ramos de Jesus, de 24 anos. Outro corpo sem identificação foi encontrado na região do Serrado, comunidade da zona rural ilheense.

A violência também deixou sua marca na virada do ano em Arataca, onde  o trabalhador rural Waldec Silva Santos foi brutalmente assassinado. Informações que chegaram ao PIMENTA dão conta de que a vítima teve a cabeça decepada. Já em Itajuípe, foi morto a tiros o vendedor Alexandre Oliveira Araújo, de 28 anos.

Em todos esses casos, a autoria e a motivação dos crimes é desconhecida pela polícia.

OS ELEITOS DITAM O RITMO

A recomposição do governo itabunense por enquanto é ditada pelos deputados estaduais eleitos Augusto Castro (PSDB) e Coronel Santana (PTN). Coube ao primeiro indicar o substituto de Antônio Vieira na Saúde, enquanto o segundo deverá emplacar o novo titular da Secretaria da Assistência Social.

O nome que aparece com maior probabilidade de substituir o professor Formigli Rebouças é o da assistente social Bernizzeth Zorthea.

UM BRINDE À VIDA

Rosivaldo Pinheiro | rpmvida@yahoo.com.br

Celebramos a chegada de 2011. No ano que passou, tivemos alegrias, tristezas, frustrações, decepções, derrotas e vitórias. Perdemos algum amigo ou parente, mas também comemoramos a chegada de algum recém-nascido. Todos esses sentimentos estão diretamente ligados ao ciclo da vida humana e até mesmo a morte faz parte desse contexto.

Caberá a cada um de nós entendermos a ação da mão de Deus e valorizar aquilo que nos fará fortes e vencedores ou, simplesmente, caracterizar aqueles que se comportarão como derrotados e invocarão sempre as mazelas e dores acumuladas ao longo dessa caminhada.

A oportunidade é para agradecermos as conquistas. Para rever atitudes, corrigir rumos, planejar novos objetivos, fixar metas e traçar estratégias. É preciso ser firme e entender que a diferença entre vencedores e vencidos estará sempre na forma com que cada pessoa enfrenta os desafios cotidianos.

Não devemos encontrar culpados para os nossos problemas, mas entender que todos nós somos responsáveis por tudo que nos acontece e que só com o exercício da humildade e do perdão conseguiremos evoluir enquanto ser humano.

Que o ano de 2011 permita que vençamos as adversidades encontradas no caminho. Que possamos valorizar e respeitar a vida e adotar sempre postura de lucidez diante das contrariedades. Sejamos autores da nossa história e não vítimas dela. Procuremos entender os outros além do que é superficial.

Sejamos felizes e conscientes de que o indivíduo só é importante quando transcende a posição de ser isolado e passa a fazer parte, de modo efetivo e participativo, da sua comunidade.

Adeus ano velho e Feliz ano novo!



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia