WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

unesul bahia

uniftc






fevereiro 2011
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728  

editorias

itao




VITÓRIA ACACHAPANTE

O deputado federal Josias Gomes (PT-BA) considerou acachapante a vitória obtida pela presidenta Dilma Rousseff, na quarta (16), durante a votação do novo salário mínimo de R$ 545,00. Mais que isso, ressalta, o governo federal implementa uma política de valorização que garantirá ganho real de 30% do salário mínimo em até 2015.

Na avaliação do parlamentar e ex-presidente do PT baiano, o ajuste de agora permitirá ao governo definir um salário mínimo acima dos R$ 600,00 em 2012. Por fim, dá uma estocada em centrais sindicais como a CTB e Força Sindical. “Lamentável que alguns desavisados sindicalistas tenham embarcado no escorregadio discurso oposicionista”. Aprovado na Câmara dos Deputados, o valor ainda precisa ser submetido à votação no Senado, mas Josias acredita que ocorrerá outra “vitória acachapante” na Câmara Alta.

10 respostas para “VITÓRIA ACACHAPANTE”

  • Ewerton Almeida says:

    Seria prova de fraqueza não demonstrar força junto a base aliada nos primeiros dias de Poder da Presidencia. Não vejo por que comemorar com tanto entusiasmo.
    Vem aí a prova dos nove, quando a Presidente Dilma propor a volta do famigerado CPMF. Aconselho ao diligente deputado Josias Gomes lembrar-se do dito popular que diz:” Calma cautela e caldo de galinha não fazem mal a ningém”. O jogo está apenas começando, as baixas aparecerão durante a peleja, quando haverá de se conhecer o poder de liderança e de cponfiabilidade no comandante.

  • Rodrigo says:

    O Deputado Josias também perdeu uma boa oportunidade de ficar calado (como disse o presidente da CTB, o metroviário Wagner Gomes, respondendo à declaração de Lula, que taxou os sindicalistas de oportunistas).

    Em primeiro lugar, tenta a livrar a cara da Central do partido dele, a CUT, que em conjunto com a CTB, a Força Sindical, a CGTB, a NCST e a UGT, ou seja, todas as centrais legalizadas, foi, primeiramente no diálogo, e depois na pressão, realizar a justa luta para que o salário mínimo tivesse aumento real ainda esse ano.

    O argumento das Centrais é que, como devido à crise internacional, o ano de 2009 não registrou crescimento do PIB, e foram estabelecidas medidas excepcionais para os empresários (redução do IPI, aumento de disponibilidade de crédito nos bancos oficiais, etc…), agora seria um momento para essa medida excepcional em benefício da Classe Trabalhadora.

    Isso seria feito com a antecipação do reajuste do ano que vem, seguindo-se o mesmo critério estabelecido em acordo entre o governo LULA e as Centrais(inflação do ano anterior+PIB de dois anos anteriores).

    Todos (inclusive o Presidente da CUT, a Central do PT, partido do deputado Josias, Artur Henrique) confirmaram, e Dilma e Lula não negaram, que em comício em São Miguel Paulista, os dois se comprometeram com o aumento real ainda no ano de 2011 para compensar a crise.

    Se o discurso de defesa da Classe Trabalhadora baseado em compromissos assumidos durante a campanha pela presidenta Dilma é “escorregadio e oposicionista”, o deputado está passando a coerência e a defesa da Classe Trabalhadora para a oposição, o que levaria a dois raciocínios, um absolutamente falso, e outro ainda não plenamente demonstrado, apesar das inúmeras contradições inerentes à própria composição do governo.

    Por um lado, a história, o programa e a composição de classe dos partidos oposicionistas, à exceção do pequeno e valoroso PSOL, não os autorizam a serem colocados como defensores dos trabalhadores. Não esqueçemos dos anos dos desgovernos de FHC/PSDB/PFLDEM, que quebraram o país e arrocharam os trabalhadores, retirando inúmeros direitos e precarizando as relações de trabalho no Brasil.

    Por outro, defender a Classe Trabalhadora ainda não é se opor ao governo Dilma, pois ele não é puramente das elites. É um governo de composição, no qual estão presentes elementos da Classe Trabalhadora e dos variados setores do Capital, desde o agronegócio, passando pelo Capital produtivo, e, principalmente, pelas Oligarquias finaceiras, nacionais e internacionais. Num governo de composição tão heterogênea as contradições são inevitáveis. Está claro que, na maioria dos momentos, e o início do Governo Dilma tem se destacado com o retorno de “Malocci”, os interesses do Capital financeiro tem sido hegemônicos. Porém, não pode-se negar os avanços para os trabalhadores, desde o melhor cenário político que permitiu mais lutas e mobilizações que garantiram reajustes reais em praticamente todas as categorias ao longo dos últimos oito anos; até medidas governamentais que efetivamente tem trazido várias melhorias para os setores historicamente menos favorecidos da sociedade brasileira. Portanto, defender a Classe Trabalhadora ainda não é ser oposição ao Governo Dilma.

    O fato é que foi um início preocupante de governo, pois a presidenta Dilma resolveu fazer o teste de coesão política de sua base no Congresso com uma medida claramente antipopular. Espero que ela tenha o mesmo empenho para aprovar projetos que favoreçam a Classe Trabalhadora e o desenvolvimento nacional, que as centrais unitariamente aprovaram na CONCLAT (Conferência Nacional da Classe Trabalhadora) consolidada na Agenda da Classe Trabalhadora (http://www.cut.org.br/sistema/ck/files/old/agenda%20final.pdf), como o caso da Redução da Jornada de Trabalho para 40 horas semanais.

    Rodrigo Cardoso

  • militante says:

    ou josias, vc ia tão bem, prefiro vc como deputado do que o tal do geraldo. Mas pera aí, defender um salário de 545 aí é demais.Faça o seguinte mim passe 50% do aumento que vcs deputados tiveram, que ta resolvido o problema.Há vc ñ lembra o valor do aumento? foi de mais de 60%.

  • J. Reis says:

    Foi uma vitória acachapante encima do proletário brasileiro que tem que sobreviver com um mísero salário mínimo enquanto os parlamentares e apaniguados do PT recebem gordos salários e benesses com aumentos de 60%. E pensar que ontem nosso PT estava do lado do trabalhador e hoje está ombro a ombro com os capitalistas. Nunca dantes nestepaíz os banqueiros e capitalistas foram tão felizes. E viva o rebolation e o enrolation!

  • DU BATISTA says:

    É ISSO AI DEPUTADO.
    QUANTO AS CENTRAIS SINDICAIS QUE COMERAM A PILHA DO DEM E DO PSDB, NÃO PASSAM DE OPORTUNISTAS QUERENDO SE DAR BEM AS CUSTAS DOS TRABALHADORES.

  • Mascarado says:

    TA CERTO MESMO SR JOSIAS!!!!!!!!!!!1
    PARABENS!!!!!!!!!!!!
    OS SENHORES DEPUTADOS DEVERIAM EXPERIMENTAR A “VITORIA ACACHAPANTE” DO GOVERNO DILMA E PASSAREM UM ANO VIVENDO COM MISEROS 545,00!!!!!!!!!!!
    SO O AUXILIO PALETO DESSAS BELDADES É DE R$4,200,00 AÍ FICA FACIL!!!!
    MAS É ISSO: UMA VITORIA COM D DE DILMA E S DE SACANAGEN!!!!!!!!
    ERA UMA VEZ UM PARTIDO DE TRABALHADORES…
    HOJE FIDALGOS E BURGUESES DO CAPITAL ALHEIO!!!!!!!!!!!!!

  • To de olho says:

    Este deputado deveria explicar como aprovaram rapidamente um aumento de 62% em seus próprios salários enquanto propõe R$15,00 para o salário mínimo. Ainda comemora, mas pergunte a qualquer um deles onde estariam se fosse um governo de oposição, certamente estariam com os sindicalistas que vaiaram o Vicentinho.
    Você ainda deve uma explicação de sua participação no mensalao do PT, nao esquecemos sr. deputado que agora comemora.

  • Ronaldo Pereira says:

    Tô gostando de sua atuação deputado Josias

  • Duda says:

    Pois é, o salario minimo ficou acachapado. Dilma mandou bem.

  • Zé da Hora says:

    O “deputado” Josias Gomes não tá comemorando; Tá TRIPUDIANDO. Votou PT, agora aguente.

Deixe seu comentário



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia