WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










abril 2011
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias





itao




A CENSURA CHEGOU ÀS SALAS DE AULA!

Manuela Berbert | manuelaberbert@yahoo.com.br

Acho que o jornalista e o professor caminham juntos na obrigação de pautar suas informações na ética e na verdade. O grande problema é que nem sempre conseguimos.

Toda e qualquer profissão tem dois lados, um positivo e outro negativo. Os dois lados da moeda, como dizem por aí. Geralmente a gente estuda, sonha, estuda mais um pouquinho, sonha mais e, quando cai no mercado de trabalho, dá de cara com umas coisinhas que ‘não estavam no script‘. Dia desses recebi um e-mail de um ex-colega de faculdade lá das bandas sergipanas e achei interessante quando ele finalizou escrevendo “Manu, os professores só esqueceram de comentar na sala de aula que redator publicitário trabalha tanto!”. Sorri sozinha. Ah, se todo problema enfrentado fosse esse…

Uma das profissões que mais admiro é a de professor. Não aquele professor conteudista, de olhar vago, incapaz de perceber as peculiaridades de cada um. Admiro aqueles que instigam seus alunos à reflexão, que descem dos ‘tablados’ e circulam nas salas de aula, dialogam e questionam. Acho que ser professor é um dom a ser exercido com conhecimento e ética, mas, acima de tudo, com amor.

Soube pela mídia de um problema enfrentado por um professor nas dependências de uma instituição de ensino superior de Itabuna. Numa aula de Direito Eleitoral, ele citou um caso próximo – e público – para ilustrar o tema. O que ele não sabia era que ali, presente, estava um aluno diretamente ligado ao fato. Realmente não deve ter sido uma situação muito agradável para ambos, mas se o processo não correu em segredo de justiça, há de se ter um pouco de paciência e bom senso para enfrentar a situação. Concordam?

Acho que o jornalista e o professor caminham juntos na obrigação de pautar suas informações na ética e na verdade. O grande problema é que nem sempre conseguimos. Além de enfrentar os percalços diários das profissões, ainda temos que lidar com essa tentativa de censura por parte daqueles que se acham mais poderosos. E isso é frustrante para quem se prepara durante toda a vida para seguir uma profissão.

Lembrei do meu colega sergipano e vou respondê-lo assim que puder. Contarei a ele que hoje sou jornalista e que também trabalho muito, mas que o grande problema é enfrentar a força política, na tentativa cruel de manipular tudo. Vou aproveitar a oportunidade para contar que estou cursando direito, por ser inquieta e estar sempre buscando aprender mais sobre a vida. Para ilustrar, direi que sou aluna de Homens como Inocêncio de Carvalho, Jammal Amad, Josevandro Nascimento, João Netto e Paulo Afonso Carvalho, o tal professor que o poder e a arrogância estão tentando censurar, mas que eu ainda tenho a esperança de que não irão conseguir…

Manuela Berbert é jornalista e colunista da Contudo.

16 respostas para “A CENSURA CHEGOU ÀS SALAS DE AULA!”

  • Lara says:

    Parabéns Manuela pelo seu texto e por sua lucidez.

  • Loucura says:

    Será possivel??? A estudante teria que ter indo a frente da sala de aula diante de seus colegas e professor pra dizer: Desculpa, meu pai roubou mesmo e foi preso, eu nao temho vergonha disso…
    O fato dela defender o Pai é censura ou sentimento fraternal??

  • CENSURA??? says:

    Existe instituçao mais censuradora e anti-democratica que a imprensa(nao agravo a todos)Explico:ela informa de acordo com sua conviniençia,quando o pobre mortal ainda tem oportunidade de direito de resposta,ela responde novamente do jeito que ela quer, dando outro sentido a discursao…E assim vai…A imprensa se vale da velha maxima de “Quem rir por ultimo rir melhor”.Lembra do inicio dessa historia,a filha só queria defender o Pai -Tudo bem é um direito dela,qualquer um faria- Agora dizer que é censura é demais.

  • cidadã says:

    Cara Manuela

    Vc e suas palavras são sempre contagiantes. Hoje mesmo estava eu conversando com uns colegas professores e falando sobre como temos o direito a liberdade de expressão, mas a nossa expressão nem sempre é liberta. Sofremos ameaças de alunos que não alcançam um bom desempenho nas disciplinas, fora as caras feias, essas não me importam. Sofremos a pressão para sermos excelentes para produzirmos excelências, transformando em 05 anos sujeitos que nada fazem para si melhorar, sofremos pela baixa remuneração e, ainda, estamos sujeitos a força do poder político e econômico. Ensinar é um prazer, um sacerdócio, mas infelizmente somos vulneráveis a tudo isso. Sou professor por que quero, mas não posso me calar diante de tantas injustiças e ameaças. Parabéns pela coragem em externar a sua insatisfação.

  • ... says:

    CENSURA SIIIIIIIIIIIM, afinal a moça foi na diretoria acadêmica do curso dizer que não gostaria de estudar mais na faculdade para não cruzar com o professor nos corredores e na sala de aula.

    Aliás, ela não foi dizer, ela foi ORDENAR!

    kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Me deixe, viu, Varela…

  • Mello says:

    Manu , aconselho, acima de tudo, não desista de seus ideais,seus sonhos , por causa de pessoas oportunistas, que passam sua vida no sub-mundo do crime , e ao primeiro deslize do destino estas pessoas conseguem uma colocação na sociedade administrativa e tenta censurar um bom profissional que dedicou toda a sua vida a ética e os fundamentos da moral e a efígie do ensinamento.
    Podemos viajar ao passado e constataremos que este facto predominam a bastante tempo, onde não importa roubar,mentir,manipular ou usar da repreensão para ocultar o que lhe é de interesse. Parabéns pela iniciativa de incitar a defesa por um profissional , boa sorte .

  • O OLHO ABERTO SEMPRE says:

    MANDA FALAR DA SUA FAMÍLIA EM SALA DE AULA!!!!!!!!
    FOI UMA HORA INFELIZ DE SE COMENTAR MAS, A ATITUDE DELA FOI DE FILHA, COMO OUTRA QUALQUER.
    PIMENTA NO OLHO DOS OUTROS É REFRESCO…
    E LÓGICO VAMOS BAJULAR.

  • Zé Ninguém says:

    Vcs já pararam pra pensar q esse tipo de notícia só tem a FTC e seus alunos envolvidos? Alunos estes que se acham superiores porque “pagam” uma faculdade privada e, desta forma, acham que podem fazer tdo q bem entenderem. Vai chegar uma época q nenhum professor vai querer ensinar nessa instituição. (É claro q não são todos os alunos q agem dessa forma, mas, de qq forma, acabam estigmatizando todos os outros).

  • Professor says:

    O que mais me impressiona é que Manuela consegue escrever sobre um episódio constrangedor como esse com uma delicadeza digna de uma mulher inteligente como ela.

    Sou seu fã menina.

  • Roberto Mota says:

    O que acontece com Marcel Leal?

    Ao ler sua coluna,intitulada “malha fina”, o jornalista se derreteu em elogios ao vereador Ruy Machado,antes chamado jocosamente por ele de Ruy “pastel de vento porquinho” Machado.Tudo porque,segundo o mesmo elenca,Ruy se coadunará à chapa petista em 2012,indicando o vice.
    Diz também que Miralva Moitinho atrapalha o projeto da “locomotiva de votos 2012”,numa referência ao senhor Geraldo Simões.
    Parei de ler o A Região, a partir desta data.Acho o Pimenta mais democrático,imparcial,que mostra o lado verdadeiro da notícia,seja de que grupo for.

    E ao A Região,que tristeza,seu Marcel Leal…jogando fora tudo o que seu pai brilhantemente construiu.Imprensa tem que ter opinião,e não lado.Aprenda com o Pimenta,Marcel.

    Saudações.

  • indignado says:

    Parabéns pelo texto! Vamos manifestar nosso apoio ao professor e mostrar que temos pessoa pensantes e sensatas na nossa cidade. E se preciso for vamos nos reunir na porta da FTC contra essa falta de decencia que essa aluna criou!

  • Advogado Murillo Nunes Santos says:

    Acho incrível que os responsáveis pela Coordenação de um curso que formará futuros operadores do direito tentem institucionalizar a censura em sala de aula apenas para defender interesses de políticos de hábitos nada éticos e amplamente conhecidos. Não há melhor forma de fixar o conteúdo e causar uma inflexão nos alunos que através de exemplos e, claro, só haverá o exemplo se houver o fato. Se não quer ser exemplo não seja notícia, não seja o fato. Ninguém está aqui a defender que os erros cometidos no passado sejam óbice à eleição de alguém, uma vez que já foram punidos, mas daí a querer impedir que tais erros sejam usados como exemplo é, no mínimo, ridículo.
    A nossa Carta Magna nos garante o direito de expressar o que pensamos e, se quem pode o mais pode o menos, nos garante também o direito de emitir nossa opinião acerca de fatos públicos e notórios.
    Conhecendo o professor, seu caráter e sua conduta profissional exemplar, posso garantir que não deu o citado exemplo para escarnecer de alguém, jamais criaria tal situação, se o fez foi com o intuito de corroborar com o aprendizado de seus alunos.
    Ora,de fato criou-se uma situação chata, por conta de um infortúnio, mas é muito oportunismo e falta de caráter criar-se um fato político a partir disso.
    Um agente público deve pautar suas atividades na ética, na moral e nos bons costumes para que não seja usado em exemplos negativos e não usar sua “influência nefasta” para tentar censurar a exposição de tais fatos.

  • verdade seja dita... says:

    Observei que algumas pessoas defendem a aluna alegando que ela é filha e deveria mesmo defender o pai. Bem, ser filha de uma pessoa pública, ou seja que vive às custas do dinheiro do povo, não são somente flores; carros, faculdade particular e boa vidinha. São passoas que deveriam andar de forma correta, pois seus nomes sempre estão na boca do povo, ou para receber afagos ou para receber pedradas e a filhinha deveria ter uma acompanhamento psicológico para tentar conviver com essa situação, principalmente se o paizinho não anda direito. Denguinho é em casa, na rua tem que ter força para saber viver.

  • falomesmo says:

    Pois é, temos PROFESSORES, e professores…dia desses presenciei como aluno uma professora da FTC, reclamar em aula que fora ameaçada por um aluno por telefone.E correu atrás de saber de onde veio tal telefonema, que contactou amiga da telemar para saber de onde veio tal ameaça, falou com delegado amigo etc etc.Só que a mesma, tem turma que só passou uma minoria esdrúxula e ela ainda se gaba.De uma outra turma, outrora fica irritadiça e dá xiliques em sala de aula, além de ameaçar os alunos.E depois ainda reclama de quando ameaçada, pois quem liga apenas quer “assustar” ao meu ver.Gesto esse, incorreto, mas de indignação.

  • apl says:

    Bom, eu acredito que o professor não tenha dado nomes aos bois em sala de aula ao relatar o exemplo, acho desnecessário, em contrapartida, acho que o “verdade seja dita…” disse o que precisava dizer, infelizmente, a aluna é filha de pessoa pública e consequentemente estará sempre na boca do povo.
    Parabéns Manuela!

  • Professor de Instituição de Ensino Superior Particular says:

    Aproveito o contexto para dizer algumas verdades. O que acontece hoje nas Escolas e Faculdades brasileiras em todo país é alarmante. Volta e meia nos deparamos com notícias de agressões verbais e físicas sofridas por docentes no exercício de suas atividades. Fico especulando a causa dessa situação de tensão na sala de aula que deveria ser um ambiente de aprendizagem e produção de conhecimento. No caso das Faculdades Particulares além de alunos com sérias deficiências na formação de base, já que os vestibulares nessas instituições não cumprem a função de “selecionar”, há também a questão financeira. Por serem Instituições Privadas, o aluno pagar pelo “serviço” e ao mesmo tempo as próprias Instituições dependerem diretamente disso, provoca uma distorção na relação aluno-professor gerando situações inacreditáveis de desrespeito e violência.Não sei o que passa na cabeça desse alunos que acham que podem comprar um diploma, em sua maioria são mal-educados, não se dedicam as atividades acadêmicas, “pescam” desesperadamente e ainda se acham no direito de agredir o professor se não são aprovados, é SURREAL. Há ainda aqueles que acionam o Judiciário para serem aprovados, o CÚMULO. Cada vez mais professores abandonam a atividade e não são encontrados novos novos profissionais no mercado. Além dos baixos salários, a principal queixa é o péssimo ambiente de trabalho. Chego a conclusão que não é bom negócio ser professor nesse pais.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia