WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba



policlinica





julho 2011
D S T Q Q S S
« jun   ago »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

editorias





itao




EXAME DA OAB REPROVA 88% DOS INSCRITOS

Do G1:

O último Exame de Ordem da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), realizado em dezembro de 2010, reprovou 88,275% dos 106.891 bacharéis em direito inscritos. Do total, apenas 12.534 candidatos foram aprovados, de acordo com a OAB. O índice de reprovação da edição anterior já havia chegado a quase 90%. A prova é realizada pela Fundação Getulio Vargas.

Segundo a OAB, outros dados também mostram que o problema é a má qualidade de parte dos cursos de direito. Das instituições de ensino superior participantes, 81 tiveram aprovação zero, de acordo com o secretário-geral da Ordem, Marcus Vinícius Furtado Coelho. “O presidente (da OAB) vai notificar o Ministério da Educação para colocar todas elas em regime de supervisão, que pode levar ao cancelamento”, disse Coelho. O MEC registra 1.120 cursos superiores de direito no país. São cerca de 650 mil vagas, segundo a OAB.

“Isso é reflexo, infelizmente, do ensino jurídico do Brasil”, disse o presidente nacional da OAB, Ophir Cavalcante. Os candidatos que fazem a prova pela segunda vez têm 7% de aprovação, em média, segundo a OAB. Aqueles que fazem o exame pela primeira vez ou estão no nono e décimo períodos da faculdade (treineiros) têm média de 25% de aprovação.

19 respostas para “EXAME DA OAB REPROVA 88% DOS INSCRITOS”

  • Walmir do Carmo says:

    Acho que a OAB deveria fundar uma Universidade de Direito, pois só assim seus alunos não precisariam passar por esta prova de fogo. É mole, vc fazer vestibular, formar e depois fazer um novo vestibular para obter uma carteira? Fala sério!

  • Aline says:

    De fato, o resultado do exame demonstra a baixa qualidade da maioria dos cursos de direito do país. E a culpa não é do exame, nem o Brasil é exceção no que tange à avaliação dos futuros advogados. Veja que a França e a Itália, por exemplo, exige exames e procedimentos ao futuro advogado, para que o mesmo possa exercer a profissão.

  • Leitor says:

    Prezado Walmir. Com todo o respeito, o senhor está completamente equivocado. O fato de fazer um vestibular e formar não significa que o aluno está capacitado a exercer a profissão. Cito 2 pontos: 1º atualmente, há várias faculdades particulares que são “pagou passou”; 2º na faculdade (não só na particular, como na pública também) muitos acadêmicos “empurram com a barriga” e conseguem concluir o curso. Portanto, a OAB está com a completa e irrestrita razão em adotar o exame da ordem. Observe o número de reprovados: imagine se todos estes bacharéis fossem advogados?? Sem dúvidas, a maioria não tem a mínima condição de exercer a advocacia. Na verdade, cada curso deveria tornar obrigatório o exame de ordem (inclusive, ciências contábeis já implementou). Por fim, lembro a Vossa Senhoria que o exame da OAB não é vestibular, nem concurso, visto que não há concorrência, ou seja, quem alcança um percentual mínimo está aprovado (50% na primeira fase, e a nota 6 na segunda). Ressalte-se, por oportuno, que não há nada de mirabolante ou “coisa de outro mundo” na prova, sendo que, conforme noticia o próprio post, vários alunos são aprovados ainda no 9º ou 10º semestre. Parabéns a OAB e ao exame.

  • Sérgio Oliveira says:

    Eu creio que a educação está sendo tratada com desprezo no Brasil, não só na área de Direito, …!!!

    Se todas as áreas fizessem um teste com seriedade, certamente haveria reprovação em massa, …!!!

    Em algumas Instituições, além do aluno ser tratado como cliente, parece até que o pessoal está indo a um supermercado, a um Shopping, pegando a profissão e colocando dentro de um carrinho para, depois, passar no caixa, …!!!

    Se as coisas fossem tratadas com mais seriedade nesse país, muitos cursos sequer teriam iniciado as suas atividades, pois há um estelionato e, só após se formar, o aluno – ainda jovem – perceberá que gastou tempo e dinheiro.

    Durante o período em que estava cursando, a festa, a farra, foram as “companheiras” prediletas, …!!!

    Eu conheço gente que passa todo o curso namorando, viajando, se divertindo e, só depois, dá com a cara na parede, reprovado, inapto, incapaz, sem possibilidade real de competir, sentindo o peso da realidade, pois muitos deles acharam que o simples fato de ter frequentado a sala de aula, passado nas provas, lhe dá o direito de ser um profissional, de competir em pé de igualdade com quem ralou o tempo todo, numa Instituição séria, …!!!

    Além do problema institucional, muitos jovens não possuem maturidade suficiente para perceber que não se trata apenas de passar mais quatro ou cinco anos de suas vidas frequentando um “colégio”, mas o que está em jogo é a sua formação profissional. Se ele não aproveitar cada momento para aprender, se aprimorar, já era, não tem mais volta, …!!!

    Imagine que todos os dias são “depositados” 86.400 = (24 horas x 60 minutos x 60 segundos) segundos na sua “conta bancária” da vida, mas você simplesmente desperdiça esse tempo precioso, não faz bom proveito. Multiplique isso por cinco ou seis anos num curso de graduação de péssima qualidade. Depois ainda quer reclamar que não teve tempo de se preparar para uma prova como a da OAB. Francamente (quem planta, colhe), …!!!

    No caso do Direito, a prova da OAB é um choque de realidade, de frustração, pois você pode enganar os outros por algum tempo, mas enganar a si próprio é difícil, impossível, na verdade, …!!!

    Não é a prova em si que é difícil, mas a formação que está sendo inadequada, sejam quais forem os motivos, …!!!

    O resultado está aí. Contra fatos não há argumentos, …!!!

    Se não levar a sério, vai levar pau mesmo, …!!!

    Fazendo uma analogia: Não adianta apenas pagar uma auto escola, fazer de conta que aprendeu, pois no dia a dia você será testado e irá perceber que se enganou, que está “habilitado”, mas não tem capacidade, competência, perícia, aptidão, destreza. É frustrante, mas é a realidade, …!!!

  • Jurídico says:

    Ao Sr. Leitor,

    Permita-me discordar do Sr.com o comentário de pagou passou é, muito relativo,pois dentre esses reprovados estão muitos das faculdades públicas,eu acho que entrar não seria o caso e sair sim.Existem diversos já exercendo e que faz vergonha ler uma petição deles.Rapazessa coisa de:Observe o número de reprovados: imagine se todos estes bacharéis fossem advogados??
    Quem seleciona é o mercado! se for bom será solicitado!Vejacomo existem uma dúzia deles na porta das delegacias!E os médicos?tenho certeza que vc só vai nos bons!

    Reflita,

    bom dia,

  • Mario Perez says:

    A reportagem só não diz que o maior número de aprovados foi da UFBA. Certamente, se fosse uma universidade do centro sul teria sido citada.

  • Gomes says:

    A Aline, o Leitor e o Sérgio estão absolutamente CORRETOS! Parabéns pela análise realista.

  • bruna says:

    Concordo 100% com o Leitor…..PARABÉNS OAB..Essas provas deveriam ser estabelecidas em todos os cursos, inclusive em MEDICINA onde é a área mas exercidas por péssimos profissionais, como diz o Leitor: se formaram empurrando com a barriga…

  • AnonimoII says:

    Quando se vê uma reprovação em massa com percentual tão elevado , há de se concluir que a falha não tá no aluno e sim na Escola ou na propria toda poderosa OAB.

  • Fernando says:

    O Sérgio disse tudo!!!

    ‘É impossível enganar a si mesmo.’

  • Anderson says:

    As maiores reprovações são das faculdade particulares, onde pagou passou !

  • Efson Lima says:

    A reportagem cita a Ufba e várias outras universidades, contudo, o Pimenta na Muqueca não colocou na integra todo o assunto em tela. Todavia, o resultado foi ótimo para as universidades públicas do nordestão.

    Att,

  • Marco do Sucupira says:

    É fácil o governo e certos membros da sociedade, querer colocar a culpa nas Instituições particulares, pois realmente é fato que as Públicas possuem os melhores alunos, mas também é fato que estes alunos de Faculdades Públicas, na maioria absoluta, estudaram em bons colégios particulares e, além disso, tinha toda uma infra-estrutura familiar, financeira e de suporte para que o Ensino Médio e Fundamental fossem feito com qualidade, criando dessa forma uma base sólida para os demais obstáculos da vida.

    Porém, em contrapartida, temos na outra ponta, alunos que estudaram ou estudam em escolas, na maioria publicas, que não dão suporte e nem condições mínimas para um aprendizado digno, alunos que não gostam de estudar, às vezes da própria natureza de amadurecimento inerente ao ser humano (conhecido como juventude transviada), alunos que possuem famílias desestruturadas dificultando muito o processo de aprendizagem, pessoas que não tiveram oportunidades de estudar e falta de vagas na rede pública de ensino superior.

    Ai entra a grande importância das Instituições Particular, absorver todos aqueles que pelos exemplos acima citados ou outros não citados não conseguiram ter acesso a Universidades Públicas.

    Para resumir, As Universidades Particulares, além de ter que dar o conteúdo obrigatório do Curso, tem que tentar corrigir falhas históricas de aprendizagem dos Ensinos Básicos e Fundamentais onde a parcela de culpa com certeza não foi dela.

    Só lembremos que a maioria dos professores Universitários ensinam tanto na rede publica quanto na rede particular, sendo que na rede particular eles são cobrados por resultados.

    Vocês estão com o mesmo pensamento da FIFA em achar que só existe craque no Real Madrid, Milan ou Barcelona.

  • queli says:

    Eu fico imaginando o que acontece com tantas outras categorias que não tem avaliação, ou melhor os órgãos de classe não estão nem ai. Enfermagem é o recordista, considerando curso noturno, faculdades em campos de estágios entre outros. É triste. Parabéns OAB! Que o COREN se espelhe em vocês e encare a formaçao dos profissionais com mais seriedade, zelando pela imagem da categoria.

  • queli says:

    Eu fico imaginando o que acontece com tantas outras categorias que não tem avaliação, ou melhor os órgãos de classe não estão nem ai. Enfermagem é o recordista, considerando curso noturno, faculdades sem campos de estágios, entre outros. É triste. Parabéns OAB! Que o COREN se espelhe em vocês e encare a formaçao dos profissionais com mais seriedade, zelando pela imagem da categoria.

  • SEBASTIÃO MOREIRA says:

    Só tenho a dizer uma coisa… Eu formei na FTC – Itabuna e passei na primeira vez que fiz a prova da OAB, assim como também uma grande parte de meus colegas, dos que fizeram a prova já foram aprovados mais de 60% dos alunos da Turma de Direito de 2009.2. Então não sei se a questão envolve tão somente as faculdades particulares não. Acho que a questão é muito mais complexa e envolve ainda a questão da formulação das provas da OAB que atualmente é uma verdadeira decoreba, que não aufere a capacidade de ninguem advogar. Isso é fato.

  • Dilson says:

    Infelizmente a OAB está querendo uma reserva de mercado, senão vejamos, a OAB em nenhum momento demonstra a sua preocupação em especializar os Beis em direito em uma determinada área jurídica, conforme ocorre com o Conselho Regional de Medicina. Nesse, os médicos são especializados e atuam em apenas uma área, o que não acontece com a OAB. O aprovado, de acordo com a OAB, está habilitado para advogar em todas as áreas, sendo que na prática isso não acontece, pois não têm essa elástica capacidade. Se fosse feito esse mesmo tipo de exame para todos os advogados que estão na ativa, certamente a decepção seria maior. Assim, é muito facil culpar as faculdades e encher os seus cofres com o famigerado exame.

  • MI**** says:

    Olá companheiro,
    Bem, tomando como ponto de partida o referido concurso – Não tomo como algo assustador. Vale RElembrar que as políticas públicas e também educacionais ao invés de FORMAREM – DEFORMAM. Sobretudo, se levarmos em consideração o DESISTERESSE político em de fato FORMAR CIDADÃOS que possam de fato inferir, isto mesmo, INFERIR de forma efetiva na própria comunidade. Sejamos de fato, concisos e realista. Uma outro ponto que não se limita a estes* seria o tão sonhado e real investimento em educação. Enfim, todos de fato sabe da real condição enfretada pelos docentes e principalmente do dia-a-dia dos discentes. Sem demagogia (…). Ainda vale dizer, que se tudo isso acontece – é porque de fato somos omissos com nossos direitos em mudar toda nossa concepção de NAÇÃO.

  • Retrucador says:

    Sinto muito, mas não acredito na estatística afirmada pelo Sebastião quanto à FTC. O pessoal formado, de modo geral, é bem deficiente, principalmente na linguagem. Ele mesmo parece não saber a diferença entre “auferir” e “aferir”.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia