WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

editorias


:: 14/ago/2011 . 22:00

VIOLÊNCIA EM FESTA DO ESTUDANTE

O que seria uma festa  para comemorar o Dia do Estudante acabou em tragédia no Grapiúna Tênis Clube nesta madrugada de domingo. A festa terminou com o saldo de duas pessoas baleadas. Uma delas levou cinco tiros quando deixava o clube, na rua Juca Leão. O atirador também estava no evento. Já na parte externa do Grapiúna, ele aproximou-se do alvo e efetuou os disparos na cabeça e no peito da vítima.

BAHIA CONSEGUE EMPATE HEROICO

O Bahia arrancou um empate heroico diante do Internacional, há pouco, no estádio de Pituaçu, após estar perdendo por  1 a 0 e ter o jogador Fabinho expulso aos 16 minutos do segundo tempo.

O Internacional abriu o placar numa bobeira do jogador Thiego, aos 41 minutos de jogo. O zagueiro do tricolor baiano foi enganado pelo quique da bola, após cobrança de tiro de meta por parte do Inter. Leandro Damião pegou a sobra e fuzilou Marcelo Lomba. 1 a 0.

O tricolor sofria com a expulsão de Fabinho, mas não entregava o jogo.  Aos 4min do segundo tempo, o time chegou pertinho do gol com Carlos Alberto, que recebeu dentro da grande área e chutou para bela defesa de Muriel.

O gol de empate nasceu numa cobrança de escanteio de Lulinha. Thiego, que entregou “ouro” no primeiro tempo, foi derrubado por Índio. Pênalti, seguido de expulsão do jogador do Internacional. Jobson converteu em bela cobrança, no cantinho direito de Muriel.

O resultado deixou o Bahia na 13ª colocação da Série A, com 19 pontos, e o Inter, na 7ª, com 23. O tricolor baiano volta a jogar na quinta (18) contra o Palmeiras. O time gaúcho pega o Botafogo na quarta.

Confira os dois gols:

FITOPATOLOGISTA DA CEPLAC RECEBE PRÊMIO NACIONAL

A pesquisadora Edna Dora Luz Newman, da Ceplac, receberá o prêmio Destaque de Fitopatologia 2011. A honraria será conferida durante o 44º Congresso Brasileiro de Fitopatologia, que acontece nesta semana, na cidade de Bento Gonçalves (RS).

De acordo com os organizadores do congresso, a escolha de Edna Dora como destaque em 2011 se deve a sua “grande contribuição à fitopatologia durante toda a sua vida profissional”.

Edna Dora expressou satisfação pelo reconhecimento ao seu trabalho como pesquisadora e afirmou que a homenagem “é uma demonstração da qualidade da área de pesquisas da Ceplac, que tem contribuído significativamente para o fortalecimento da lavoura cacaueira e outras culturas”.

A DELÍCIA E O DESAFIO DE SER PAI

Gustavo Felicíssimo | gfpoeta2@hotmail.com

Ser pai é delicioso e desafiante, é acordar de madrugada preocupado com o choro do filho, mas é também lhe oferecer o conforto.

Todo pai de primeira viagem descobre rapidamente o quanto seu novo papel é delicioso e desafiante. Delicioso porque voltamos ao mundo da fantasia e sonhamos com mais intensidade, ao mesmo tempo nos tornamos menos vulneráveis às provocações externas. Desafiante porque, com nossas experiências de filho, somos impelidos a superar nossos pais. Somos chamados a transcender nossos limites. É aí, talvez, que reside o motivo maior da paternidade.

Sempre estive literalmente infenso às datas comemorativas, como o natal, dia das crianças, dia das mães, e outras. Entretanto, às portas dos meus 40 anos, algo começou a mudar. Num momento em que já não alimentava qualquer aspiração à paternidade, ela me apanhou e me virou pelo avesso. Foi então que percebi o quanto ser pai é um exercício constante de generosidade, abdicação, tolerância, paciência. É, também, viver em estado permanente de transformação interior.

Ser pai é delicioso e desafiante, é acordar de madrugada preocupado com o choro do filho, mas é também lhe oferecer o conforto necessário dos nossos braços para que volte a dormir. É saber que o filho vai requerer para si todo o tempo que sua mãe tiver, e mesmo assim seremos completamente loucos por eles. Ser pai é trocar fraldas, limpar cocô, perder noites de sono. É chegar exausto ao final do dia e mesmo assim encontrar mais um pouquinho de energia para dedicar-se ao filho. Mas também é se emocionar com um sorriso, com os primeiros passos, primeiras palavras. Ser pai é comemorar o dentinho que está nascendo e ficar parecendo um tolo quando se ouve o primeiro… papai.

:: LEIA MAIS »

VOCÊ PRESERVA O RIO CACHOEIRA?

Balsa construída com 2 mil garrafas-pet está ancorada próximo à Ilha do Jegue

Quem passa neste fim de semana pelas margens do Rio  Cachoeira, trecho da Ilha do Jegue, centro de Itabuna, é desafiado a se perguntar sobre o próprio comportamento com relação ao rio. Bem ao lado da ilha, em uma pequena balsa, há uma faixa com a indagação que cada pessoa deve fazer a si mesma (a que está no título desta nota).

A balsa foi construída com 2 mil garrafas-pet, recolhidas nos bairros Mangabinha, Jardim Primavera, Manoel Leão e na escola Curumim. A iniciativa do protesto é dos integrantes do projeto Memórias do Rio Cachoeira, que está produzindo um CD com 12 poemas de autores grapiúnas sobre o rio, musicados pela banda Manzuá.

Em tempo: hoje é celebrado o Dia de Combate à Poluição.

MORRE “PINTADINHO ALFAIATE”

Faleceu neste sábado, 13, em Itabuna, José Alves da Silva, o “Pintadinho Alfaiate”. Antigo músico do Bloco Casados I…Responsáveis, Pintadinho foi também membro da Filarmônica do Montepio dos Artistas de Itabuna, jogador de futebol e de sinuca. Era bastante conhecido em Itabuna e outras cidades sul-baianas, onde se tornou famoso como exímio percussionista.

Pintadinho tinha 83 anos e foi vítima de uma insuficiência respiratória. Ele deixa a esposa, Rosa, uma dezena de filhos, além de netos e bisnetos.

IDENTIFICADAS MAIS TRÊS VÍTIMAS DE ACIDENTE

Forte impacto destruiu a dianteira do Fiat Siena (Foto Pimenta)

Evanilda está internada no Hblem (Reprodução Pimenta).

Três das cinco pessoas mortas no acidente ocorrido às 22h30min deste sábado, no Semianel Rodoviário de Itabuna, foram identificadas pela polícia. As duas crianças eram Yhuhonan Cerqueira dos Santos, de 4 anos, e Beatriz Aparecida Almeida do Vale, 6, além de Raimunda de Jesus Cerqueira, 36.

As vítimas estavam no Fiat Siena, placas JOE-2158, que seguia sentido BR-101-BR415 quando invadiu a pista contrária e bateu na cabeceira da ponte do quilômetro 28 do Semianel Rodoviário, em frente a um condomínio do Minha Casa, Minha Vida.

As primeiras pessoas identificadas ainda no local foram o motorista Joel Almeida do Vale, dono da Joelmac, e Antônio Lima dos Santos. De acordo com o repórter Costa Filho, da Rádio Jornal, as vítimas estavam em um aniversário e voltavam para casa. O Fiat Siena estava superlotado.

Duas pessoas estão internadas em estado grave no Hospital de Base de Itabuna. Apenas Evanilda da Silva Oliveira, 22, esposa de Joel, foi identificada. A outra vítima é do sexo masculino e tem aproximadamente 35 anos.

Leia mais
ITABUNA: ACIDENTE MATA 5 PESSOAS NO SEMIANEL RODOVIÁRIO

UNIVERSO PARALELO

É PRECISO PACIÊNCIA COM MAUS REDATORES

Ousarme Citoaian

Falamos aqui da condenação do artigo indefinido, do qual os plumitivos (dicionário, urgente?) abusam tanto quanto os políticos da nossa paciência. Exemplos dados, não serão repetidos, por desnecessários. Mas ficamos devendo uma referência a abusos com os artigos definidos, que, igualmente àqueles, não melhoram a linguagem.  Ao contrário, conspurcam-na. E aqui estão alguns “abonos” que, para evitar que a coluna seja acusada de injuriosa, maledicente e difamatória, foram colhidos na mídia impressa regional. Antes (quem avisa, amigo é) uma advertência: se houver pronome possessivo por perto, redobre seus cuidados com os artigos definidos, porque, juntos, eles são uma mistura indigesta. Dito o que, vamos à colheita.

FRASE NÃO QUER CORREÇÃO, QUER ESPONJA

Um articulista ensina que “todo mundo tem a sua própria opinião”; numa coluna sobre política partidária descubro que “Alcides Kruschewsky reassumiu o seu posto na Câmara”; perspicaz, um analista conclui que “é necessário ter coragem de exibir a sua opinião”; outro, na mesma linha doutoral e perdulária, disserta sobre a conveniência de  “compartilhar a sua ideia”. Não entendo a razão de não se escrever (com notável economia, e sem prejuízo da clareza) ”exibir sua opinião”, “compartilhar sua ideia” e que o vereador “assumiu seu posto na Câmara”, com varrição radical dos artigos inúteis. Sobre a primeira frase, digo como aquele ministro da ditadura: “Nada a declarar”. É passar-lhe a esponja e construir outra.

COMENTE » |

 

CINCO LIVROS E A REVELAÇÃO DE UMA VIDA

O crítico Hélio Pólvora foi submetido a uma prova que não me dá inveja: ditar, para Gabriel Kuak (presidente da União Brasileira de Escritores) a lista dos cinco livros que mais pesaram em sua formação. Apenas cinco, e é isto que faz espinhosa a tarefa. Creio que os leitores (para quem esta notícia seja nova) tenham curiosidade em saber a preferência do autor de O grito da perdiz, por isso antecipo os escolhidos, na ordem em que foram citados (Hélio se ateve apenas aos brasileiros): O Guarani (José de Alencar), Dom Casmurro (Machado de Assis), Angústia (Graciliano Ramos), Fogo Morto (José Lins do Rego) e O Continente (parte de O Tempo e o Vento, Érico Veríssimo). Lista inesperada, à exceção de Machado de Assis.

SEM CLARICE LISPECTOR E GUIMARÃES ROSA

Hélio parece temer que a originalidade lhe custe caro. “Corro o risco de bordoadas dos fãs de Clarice Lispector e João Guimarães Rosa”, reconhece, mas defende sua escolha de cinco livros que não vão para a ilha deserta nem ficam à cabeceira, ao alcance da mão. “Preferem o leito da memória, onde ardem ou palpitam sob cinzas”. De minha parte, tentei antecipar alguns votos e errei feio. Mas acertei com Dom Casmurro, sabendo que Hélio Pólvora é um dos especialistas no mais célebre triângulo amoroso da literatura brasileira – até escreveu um ensaio “provando” que a traição de Capitu a Bentinho, discutida há mais de um século, ocorreu de fato. Minha “previsão” incluiu Guimarães Rosa e Graciliano Ramos. Passei longe de um, raspei o outro.

EM ANGÚSTIA, O NASCIMENTO DO ESCRITOR

Imaginava que Hélio incluiria São Bernardo ou Vidas Secas, quando ele preferiu Angústia. Imagino que não me equivoquei de todo. O ensaísta explica que Angústia lhe deu “um estalo”, com a arte de escrever a roçar-lhe o rosto, “qual leve asa de pássaro”, e afirma que o livro “talvez perca, em estrutura, para São Bernardo e Vidas Secas, mas revela uma intimidade cúmplice que acentua a comoção”. Mais adiante, na hipótese de uma relação de dez livros, ele lembra Os Sertões (Euclides da Cunha), Minha Formação (Joaquim Nabuco), Capítulos de História Colonial (Capistrano de Abreu), Jubiabá (Jorge Amado, na rede) e Dora, Doralina (Rachel de Queiroz). E encerra com extrema elegância: “Perdão Pompeia, Lygia, Adonias e Autran Dourado”.

ENTRE ERRO E LICENÇA POÉTICA, O ABISMO

Dentre os truques com que tentamos justificar erros de linguagem está um, chamado licença poética. É preciso atenção do leitor para não confundir as duas categorias. Apenas tangenciando o assunto (não sou professor, nem isto aqui é aula de português), é bom lembrar que licença poética é a permissão para se fugir da chamada norma culta da língua, não um salvo-conduto para a ignorância, conforme alguns autores parecem entender. É uma forma de libertar o escritor de amarras gramaticais que o impeçam de tornar sua mensagem clara a esse animal em extinção chamado leitor. Portanto, a licença poética tem tempo e lugar adequados à sua prática.

A PRINCESA, O REVOLUCIONÁRIO E O BODE

Muito citado para identificar algo confuso, O samba do crioulo doido, de Stanislaw Ponte Preta (Sérgio Porto), me parece um atípico caso de licença poética – em que a manipulação não é da gramática, mas da história: a abertura (“Foi em Diamantina/onde nasceu JK”) guarda fidelidade histórica – o sorridente Juscelino (foto) nasceu naquela cidade mineira, em 1902 – mas em seguida o letrista parece “endoidar de vez” e não fala mais coisa com coisa: a princesa Leopoldina “arresolveu” se casar, mas Chica da Silva entra pelo meio e mistura a princesa com Tiradentes! E o refrão? “Lá iá, lá, iá, lá, iá/o bode que deu vou te contar”. Só podia dar bode.

CAOS TOTAL: “PROCLAMARAM A ESCRAVIDÃO”

 

Está implantado o caos irremediável: “Joaquim José/que também é (breque!)/da Silva Xavier/queria ser dono do mundo/e se elegeu Pedro II”.  Depois, mancomunados, Dom Pedro e Anchieta proclamam a escravidão, “Dona Leopoldina virou trem/ e Dom Pedro é uma estação também”. Fechando esse pacote tão insano quanto saboroso, um refrão anárquico: “Ô, ô, ô, ô, ô, ô/o trem tá atrasado ou já passou”. Além de nada bater com o que ouvimos na escola, a falta de lógica é absoluta: dizer que Tiradentes “se elegeu Pedro II” é de uma desordem inconcebível, um “desrespeito” com a história que deixou muita “otoridade” em pé de guerra naquele plúmbeo 1968.

BOM HUMOR CONTRA A BURRICE VERDE-OLIVA

Sucesso imediato, o samba se fez clássico. Mas Martinho da Vila o detesta, achando-o “preconceituoso”. Eu discordo. Sérgio Porto nunca deu sinais de discriminar quem quer que fosse: conhecedor de jazz, ele se referia ao gênero como “jazz tocado por negros”. E “crioulo” não tinha o ar pejorativo de hoje. A propósito, João Saldanha frequentemente  chamava Pelé de “o crioulo” – e  nunca ninguém o enquadrou na Lei Afonso Arinos. Samba…  é uma canção política: insurge-se, com bom humor, contra a ditadura, que exigia louvações a vultos históricos no Carnaval. O “crioulo” era a vítima. Aqui, a gravação original (Quarteto em Cy, com abertura do autor).

(O.C.)

COMENTE! » |

DUDÉ, O FILÓSOFO DO SÃO JOSÉ

Neste fim de semana em que o calendário acha por bem festejar o Dia dos Pais, o PIMENTA presta homenagem ao ilustre José Raimundo Alves Argôlo, ou simplesmente Dudé, figura emblemática que nasceu na cidade de Esplanada, norte da Bahia, e há mais de 60 anos mora em Ilhéus, cidade na qual fincou raízes e formou uma belíssima e numerosa família, que hoje tem gente espalhada por todos os cantos do país.

Com seu jeito brincalhão e a presença de espírito de quem tem sempre a resposta “na ponta da língua” e tiradas impagáveis, Dudé se tornou um personagem folclórico do povoado de São José, zona rural de Ilhéus, onde mora há cerca de duas décadas. Nesse lugar, o homem é autoridade, com direito a batizar ruas com nomes curiosos como “Calção Furado”, “Devolução” e, naturalmente, a “Rua Argôlo”. Sobre cada nome, uma história pra contar…

Na foto, o velho Dudé com a filha Sandra Argôlo, amiga-irmã deste blog.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia