WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
secom bahia





fevereiro 2012
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
26272829  

editorias





itao

COMERCIÁRIOS DIVULGAM NOTA SOBRE GREVE

Boatos de arrastões e saques levou sindicato a orientar o fechamento do comércio e lojistas se queixaram (foto Marcos de Souza /Pimenta)

Em nota divulgada nesta terça-feira, 7, a diretoria do Sindicato dos Comerciários de Itabuna responde à representação patronal do segmento, que ontem acusou a entidade dos trabalhadores de orientar, de maneira “infundada”, o fechamento do comércio na quinta-feira 2. Os comerciantes também questionaram o posicionamento dos comerciários, de apoiar uma greve “que coloca em risco seus representados”.

Na nota divulgada hoje, o sindicato informa que, na quinta-feira, 2, diante do estado de pânico que abalou o centro de Itabuna, procurou “os meios possíveis para evitar que o pior acontecesse” e salienta que “diante da boataria e do pânico que tomou conta da cidade, não poderíamos pagar com vidas para saber quem estava certo ou errado”.

O sindicato observa que não é contra a greve e sugere que o momento atual sirva para que a sociedade possa debater a segurança pública na Bahia e em Itabuna. A entidade lembra que “nossa cidade aparece em diversas pesquisas como uma das mais violentas do país e muitos trabalhadores no comércio já foram mortos num estado de aparente normalidade, sem nenhuma greve de policiais”.

7 respostas para “COMERCIÁRIOS DIVULGAM NOTA SOBRE GREVE”

  • Alarme says:

    Gente olha essa noticia de itapitanga.
    http://www.otrombone.com.br/lercomentarios-2785.html
    MUinto serio é mais um geito de afirmar que o vice de dernival esta contra ele.

  • Marcelo says:

    Santayana
    e a insurreição baiana

    A greve dos policiais militares da Bahia é um claro movimento de rebelião contra o Estado, e assim deve ser tratada. O governo federal agiu como deve agir, em qualquer situação semelhante. A solidariedade federativa, necessariamente exercida pela União, implica no emprego de toda a força possível, a fim de assegurar o cumprimento das normas constitucionais, como a que veda a militares – e, por analogia jurídica – a policiais civis, o recurso da greve.

    Os policiais militares baianos não se encontram em greve, mas em rebelião contra o Estado e, por extensão, contra a República, cuja Constituição os obriga a manter a lei e a ordem. Registre-se que o líder do movimento é um ex-militar e que, portanto, não tem legitimidade para chefia-lo. Como se encontram em rebelião, cabe ao Estado, no uso moderado de sua força e seu poder, exigir-lhes rendição imediata e usar dos dispositivos legais para punir os responsáveis pelo movimento.

    http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/02/07/santayana-e-a-insurreicao-baiana/

  • Marcelo says:

    Santayana
    e a insurreição baiana

    A greve dos policiais militares da Bahia é um claro movimento de rebelião contra o Estado, e assim deve ser tratada. O governo federal agiu como deve agir, em qualquer situação semelhante. A solidariedade federativa, necessariamente exercida pela União, implica no emprego de toda a força possível, a fim de assegurar o cumprimento das normas constitucionais, como a que veda a militares – e, por analogia jurídica – a policiais civis, o recurso da greve.

    Os policiais militares baianos não se encontram em greve, mas em rebelião contra o Estado e, por extensão, contra a República, cuja Constituição os obriga a manter a lei e a ordem. Registre-se que o líder do movimento é um ex-militar e que, portanto, não tem legitimidade para chefia-lo. Como se encontram em rebelião, cabe ao Estado, no uso moderado de sua força e seu poder, exigir-lhes rendição imediata e usar dos dispositivos legais para punir os responsáveis pelo movimento.

    No Conversa Afiada
    http://www.conversaafiada.com.br/politica/2012/02/07/santayana-e-a-insurreicao-baiana/

  • Samuel says:

    CONHEÇA OS SALÁRIOS DOS POLICIAIS MILITARES DO BRASIL.

    Salários em ordem decrescente de valor:

    01º – Distrito Federal – R$ 4.129.73
    02º – Sergipe – R$ 3.012.00
    03º – Goiás – R$ 2.722.00
    04º – Tocantins – R$ 2.611,01
    05º – Mato Grosso do Sul – R$ 2.176.00
    06º – São Paulo – R$ 2.170.00
    07º – Paraná – R$ 2.128,00 1
    08º – Amapá – R$ 2.070.00
    09º – Minas Gerais – R$ 2.041.00 (+ 10% concedido em OUT 2011).
    10º – Maranhão– R$ 2.037.39
    11º – Bahia – R$ 1.927.00
    12º – Alagoas – R$ 1.818.56
    13º – Rio Grande do Norte – R$ 1.815.00
    14º – Espírito Santo – R$ 1.801.14
    15º – Mato Grosso – R$ 1.779.00
    16º – Santa Catarina – R$ 1.600.00
    17º – Amazonas – R$ 1.546.00
    18º – Ceará – R$ 1.529,00
    19º – Roraima – R$ 1.526.91
    20º – Piauí – R$ 1.372.00
    21º – Pernambuco – R$ 1.331.00
    22º – Acre – R$ 1.299.81
    23º – Paraíba – R$ 1.297.88
    24º – Rondônia – R$ 1.251.00
    25º – Pará – R$ 1.215,00
    26º – Rio Grande do Sul – R$ 1.172.00
    27º – Rio de Janeiro – R$ 1.031,38

    Essa é a tabela com o salário inicial de todos os Policiais Militares do Brasil.

    http://www.salariospm.xpg.com.br/

  • sindi lojas says:

    NÃO É JUSTO! O ESTADO TÁ AÍ PARA PEOMOVER A ORDEM E NÃO BUSCAR OS INTERESSES POLITICOS PARTIDARIOS, PESSOAL EM DETRIMENTO DA SOCIEDADE QUE DEU-LHE O PODER PARA GESTAR ESSA MESMA SOCIEDADE
    O Sindicato dos Lojistas da Bahia (Sindilojas) estima que desde o início da greve da polícia, na terça-feira passada, os prejuízos dos comerciantes já somem R$ 234 milhões. O sindicato recomenda aos comerciantes prejudicados pela greve que cobrem indenizações do Estado.
    O Sindilojas informou que disponibiliza suporte jurídico para quem quiser processar o Estado. Os comerciantes que tenham sofrido prejuízos devem fazer um Boletim de Ocorrência, detalhando todos os itens danificados ou perdidos.
    Os empresários podem também mover ações conhecidas como de lucro cessante, que é quando há obstáculos para o funcionamento normal do comércio.
    Segundo o Correio, três outras entidades baianas, entre elas a Associação de Bares e Restaurantes (Abrasel), contrataram um escritório de advogados para mover ações coletivas indenizatórias contra o Estado.
    “As ações serão movidas em grupo de dez empresas ou associações. Os interessados devem apenas apresentar ao advogado os últimos balancetes financeiros e o contrato social”, explica o advogado um dos advogados da associação.

  • eilton says:

    Os comerciantes também questionaram o posicionamento dos comerciários, de apoiar uma greve “que coloca em risco seus representados”. DONO DE LOJA MORA NO CENTRO. TEM DINHEIRO, PAGA IMPOSTO E NÃO LEVA UMA SEGURANÇA DE QUALIDADE, NÃO TEM SAUDE DE QUALIDADE, O TRÂNSITO É UMA PORCARIA, MAS CONTINUAM COM O PENSAMENTO DE BARATA TONTA. AHH VÃO TOMAR VERGONHA! SE PREOCUPEM COM AS PESSOAS QUE COLABORAM NAS SUAS LOJAS, NÃO SOMENTE COM O DINDIN.

  • eu says:

    Gostaria de saber como se encontra tão rápido os prejuízos….milhões, etc….

    É como a pessoa que diz não ter nada, mas, diante da catástrofe diz que pedeu tudo.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia