WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia





março 2012
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias





itao ftc

“MARCHA DOS FAMINTOS” PROTESTA CONTRA VALOR DA REFEIÇÃO NA UESC

Estudante protesta em frente ao Restaurante Universitário (Fotos Marcelo Sena).

Estudante protesta contra política assistencial.

Após os protestos da última terça, 27, os estudantes da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc) aguardam da reitora Adélia Pinheiro providências quanto ao preço e à qualidade da refeição servida no Restaurante Universitário da instituição. Embora subsidiada, a refeição no RU saltou de R$ 4,50 para R$ 5,20, o que levou estudantes a promoverem a Marcha dos Famintos.

Durante a marcha, os estudantes tiveram audiência com a reitora Adélia Pinheiro, no auditório da Torre Administrativa, e manifestantes cobraram o cumprimento de itens do programa de campanha à Reitoria em novembro do ano passado.

À época, a candidata teria prometido aumento do subsidio, funcionamento do RU nos três turnos e preço mais barato. A professora Adélia Pinheiro lamentou não poder rever o aumento concedido, já que trâmites burocráticos e a renovação do contrato em fevereiro por mais um ano a impediam. Também não soube dizer o valor do contrato do locatário.

As solicitações feitas pelos centros acadêmicos da Uesc sobre qualquer situação contratual da universidade nunca obtiveram resposta. Mas a reitora se comprometeu em abrir “mesas de diálogo”.

14 respostas para ““MARCHA DOS FAMINTOS” PROTESTA CONTRA VALOR DA REFEIÇÃO NA UESC”

  • o grito says:

    De um lado os estudantes, do outro o empresário, e do outro a UESC.
    1º. Quanto será que este empresário paga de aluguel?
    2º. Quanto paga de funcionarios por Mês?
    3º. Quanto será os custos operacionais deste empresário por mês?
    4º. Quantos são os dias sem aula na uesc? (férias e feriados)
    5º. Quantos dias os grevistas ficaram sem dar aula?
    6º. O que a UESC fala a respeito?
    7º. Refeição de 5,20 a onde? só na UESC
    A resposta é boicotar?, levar a marmita? comer no salobrinho?
    No retaurante popular em itabuna não pode está fechado, passagem em itabuna 2,50 nossa. está dificil?
    mais devemos olhar para os três lados da problema.

  • Jorge Zaidan says:

    Antes de tecer um comentário gostaria de afirmar que sou totalmente a favor do movimento. Já estudei e trabalhei na UESC e quando comparamos esse ponto ao das demais universidades públicas que visitei se torna vergonhosa a situação da UESC.

    Mas alguma coisas devem ser esclarecidas: não tenho conhecimento e nem entendo de que forma é esse “subsídio” das refeições declarado pela UESC. Mas sei que a empresa que administra o R.U. não paga aluguel, utiliza equipamentos da Universidade, não paga água e energia e ainda tem funcionários cedidos pela ACMAV (empresa terceirizada de serviços gerais).

    Talvez seja esse o subsidio de que tanto se fala.

    É preciso averiguar essa informações e saber de que forma a Universidade subsidia a refeição para os alunos.

    Espero ter sido útil e que essas informações, ao serem confirmadas, possam ser utilizadas na “frente de batalha” pelos estudantes.

  • nino says:

    O governo dá estudo de graça ainda tem que dá comida,depois quando se formam dá uma banana para o povo.quem banca isso tudo!!!!!!

  • Marcos Paulo says:

    Valor do RU:

    UFMG: 2,50
    UFV: 2,00 (graduação), 2,50 (pos Graduação) e 1,25 (café da manha)
    UFJF: 2,50
    UFOP: 2,50

    Qual a composição de preços para este Ru da UESC? se em universidades maiores e que servem mais refeições o SUBSIDIO funciona e a comida é mais barata..

    (espero que publiquem meu comentário, comi a pouco tempo nestes restaurantes por isso sei os preços)

  • Marcos Paulo says:

    Nino, o governo não da nada de graça. Os impostos que vc paga sobre tudo o que vc compra, servem para cobrir os custos de uma universidade.

    Se não houvesse esta iniciativa certamente milhões não poderiam estudar, não haveriam pesquisas cientificas e certamente vc não teria um profissional qualificado no mercado.

    O retorno que o profissional dá a sociedade é o serviço que ele presta e que gera mais impostos para o próprio governo.

    Agora vc ter que se deslocar da UESC para a sua casa para almoçar é inviável, pois alem do tempo gasto tem os custos com transporte. Então, a universidade tem que viabilizar uma opção de baixo custo para os estudantes. É caro estudar e é mais caro ainda pagar 5,20 todos os dias para comer na UESC.

    Que espécie de subsídio é estes. Se nas universidades federais mineiras os preços são estes que citei acima, porque a UESC não consegue barganhar um preço melhor????

  • estudante de letras says:

    Esse movimento sem representatividade é realmente perdido.

    O que se deve defender é pela melhor qualidade da comida e mais pratos a R$1,00 para os estudantes.

    O DCE conquistou isso e não Adélia, o subsídio é do governo do Estado e a abertura nos três turnos do restaurante é uma reivindicação do DCE. Se conseguirmos aumentar a quantidade de pratos a R$ 1,00 (atualmente é de 450 pratos) e melhorar a qualidade da comida, não vejo motivo para fazer protesto por causa deste aumento para professores e servidores, estes têm as suas representações, poderemos até apoiá-los.

    Mas esse movimento na verdade é para pregar o divisionismo e meia dúzia se aparecerem.

    Outra coisa não tem nem dois meses que a reitora tomou posse, haja falta de leitura da realidade.

    Fazem tanto protesto sem razão que na hora de ter credibilidade, não conseguem.

  • EMILLE ROSARIO says:

    Gente fico horrorizada, com comentários como o de nino! O governo dá estudo de graça? Bem, de graça não! Até mesmo pq todos pagamos impostos, e uma parte destes recursos vão para educação. Ao invés de criticar movimentos como este, vc deveria criticar o governo que mesmo arrecadando tanto, não dá condições a todos de estudarem numa universidade pública e se manter durante este período de estudo. Pq se o senhor não sabe, muitos estudantes na UESC são de baixa renda. Inclusive, a partir de 10:00 da manhã já começa a se formar a fila no restaurante universitário, para conseguir almoçar a R$1,00 (pois apesar da UESC ter mais de oito mil alunos, só são disponibilizados 400 pratos subsidiados).

  • To de olho says:

    Sei, oito mil alunos, divididos em três turnos, os alunos do curso noturno deveriam almoçar também? Manda esta turma trabalhar nas horas vagas como faz o estudante da FTC que dá um duro danado durante o dia pra pagar sua faculdade

  • Edgard Freitas says:

    Nunca soube de protestos contra o preço da cerveja no Inferninho ou em Denilson…

  • Estudante de Engenharia says:

    Quem critica o protesto dos estudantes, nunca foi lá na UESC ver o que é ter que ficar 1 hora na fila no sol quente pra TENTAR almoçar. Portanto antes de falarem asneira, primeiro conheçam a realidade. Devem ser um desses idiotas que não tem iniciativa pra nada, fazendo apenas volume nessa massa imensa de inúteis que existe nesse país que só sabem falar mal de político.

  • Ize Duque says:

    O subsídio dos 450 pratos do Restaurante Universitário é ganho de greve… Lembram-se que tivemos uma greve de abril a junho de 2011 nas estaduais baianas? POis então, durante processo de luta( ocupação da assembléia legislativa da Bahia, ocupação de universidades e reitorias , atos públicos, fóruns) o movimento estudantil MOBILIZADO pressionou o governo pra liberar uma verba de aproximadamente 500 mil reais para a UESC(400 pratos subsidiados, bolsa auxilio moradia).
    Engraçado é ver o DCE UESC (PC do B/UJS)reivindicar essa glória… (que aliás é a única coisa por que lutam), quando neste mesmo blog, no oitavo dia de greve publicou NOTA DE REPÚDIO AO MOVIMENTO de greve MOBILIZA UESC. Observem como falam “é reivindicação do DCE, ganho do DCE, pauta do DCE”- como se luta fosse feita por uma diretoria.
    Pois o Mobiliza UESC é esse grupo que ta ai na marcha, pois a calourada do DCE tem muita festa, confete e campanha eleitoreira, enquanto “o bicho ta pegando” pra se formar…

  • Fernando Florencio says:

    Para estes estudantes alienados, que fazem pedágio no quebra molas e depois vão encher o rabo de cachaça no bar da amendoeira com o dinheiro quase tomado de assalto aos
    passantes, todo castigo é pouco.
    Certa feita dei carona a um casal de estudantes que tiveram o desplante de pedir para desligar o som que eles precisavam conversar.Daquele dia em diante, carona, nunca mais.
    Fernando
    Ilheus/Ba

  • Tiago says:

    Um absurdo a qualidade da alimentação servida no RU…péssima qualidade…quase sempre encontra-se algo estranho, como insetos, etc…e fica-se quase uma hora na fila, no sol escaldante e quando chega a vez eles dizem que esgotou os pratos subsidiados…centenas de pessoas saem da fila inconformados…diariamente é isso…na campanha a reitora prometeu mundos e fundos…o sistema de seleção mudou para vir mais verbas para a universidade e”ninguém” vê a cor desse dinheiro…onde eles colocam?

  • Camila Pina says:

    Companheir@ do to de olho, sim, são 8 mil alun@s distribuíd@s em 3 turnos. Não consideramos que @s alun@s do curso noturno devam almoçar tb, lutamos para que essas pessoas jantem, como em diversas universidades públicas o fazem. Lutamos porque queremos mais pratos subsidiados, comida de qualidade e nos três turnos.
    Quanto ao seu conselho de mandar a turma trabalhar nas horas vagas. Então, mesmo pra quem trabalha, R$5,20 diariamente não é mole não, acho que vc conhece a realidade brasileira pra entender que emprego pra quem está na graduação não muito bem remunerado, né? E há uma parte da turma, cujo curso é diurno e precisa ficar, muitas vezes, das 7h30min às 18h30min na Universidade, tendo um gasto ainda mais alto com alimentação e uma possibilidade menor de conseguir emprego.
    Pra quem tem esse emprego, há um gasto com transporte, uma vez que, tal qual no RU, pagamos caríssimo por um serviço péssimo, com aluguel, uma vez que não temos Residência Universitária e a bolsa permanência, além de ser completamente destoante com os gastos para se manter, são oferecidas em um número ainda menor que os pratos subsidiados.

    Edgard Freitas, vc nunca soube de protestos contra o preço da cerveja no inferninho e no denilson pq temos consciência de que bares são voltados para o lucro, ao contrário de um Restaurante Universitário; pq podemos viver sem tomar uma cervejinha, mas se alimentar diariamente não é uma escolha.

    Então amig@s, não descaracterizem uma luta séria, vamos tod@s brigar por uma Universidade Pública de fato.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia