WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










julho 2012
D S T Q Q S S
« jun   ago »
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

editorias





itao




REFLEXÕES SOBRE A GREVE DOS PROFESSORES

Maria Efigênia Oliveira | ambiente_educar@hotmail.com

O que a sociedade espera do governo é transparência, verdade, sabedoria, diálogo, civilidade, pois se o governador ofende servidores sob sua responsabilidade, destrói documentos e história da Educação, abre espaços para o recrudescimento da ignorância.

A greve dos professores do Estado continua, mesmo sob o imperativo de membro da justiça baiana que ignora a Corte Suprema. Diante do impasse estabelecido, é necessário que o mínimo de pessoas seja informado sobre alguns aspectos que envolvem o movimento, começando pelo controverso discurso de inclusão e evolução social.

No terreno das reflexões, estão implícitas atitudes do governo nada condizentes com propostas de inclusão. É público e notório que a atividade docente era ou ainda é realizada por pessoas de classes sociais em ascensão, ou seja, raros são os filhos de rico dispostos a fazerem curso universitário para conquistar diplomas em licenciatura, que é o diploma conferido ao exercício da docência.

Outro ponto importante para reflexão, é que a maioria do professorado é do gênero feminino e muito recentemente é que há ingresso mais frequente do público masculino a essa carreira. Não estaria aí a negativa dos governos e de muitos membros da sociedade em reconhecer e remunerar melhor a carreira de professor?

Parece que vige ainda o preconceito contra a Mulher, mesmo sendo ela egressa de Universidade, trabalhadora em ambiente social interessante e delicado, provedora da família – a maioria o é -, oriunda e emergente de famílias pobres, razão pela qual, para os preconceituosos, não merecem mais que isso.

O Piso Nacional é Lei e não compromete a Lei de responsabilidade fiscal porque o MEC, por meio da autarquia Fundação Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), compartimenta os valores aplicados na Educação desta forma: Programa Transporte Escolar (PTE); Programa do Livro Didático (PLI); Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae); Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE); Fundo Nacional da Educação Básica (Fundeb); Mais Educação e outros, que deputados desinformados vão a público dizer que saem do FUNDEB.

A despesa da Educação é captada dos mais diversos impostos recolhidos pelo cidadão em todo território nacional e enviado a Estados e Prefeituras, mediante planilha apresentada pelos citados executores do processo. As quantias enviadas estão no site do FNDE, mas a efetiva aplicação é uma incógnita, como dizem os dirigentes da APLB-Sindicato: “Estão na caixa preta que o governo não abre” para justificar porque não pode pagar o Piso Nacional, Lei sancionada pela Presidenta Dilma, constrangida por não conseguir evitar que bilhões alimentem esquemas individuais, enquanto os professores do Brasil amargam baixos salários.

A suposta desobediência da APLB aos poderes reside na indisposição desses poderes em estudar os direitos inscritos na Lei de Greve, no Estatuto do Magistério e do servidor que legitimam a persistência dos docentes pelos direitos adquiridos e invalidam a insistência do governador em transformar essa situação em via-crúcis de professores, estudantes e suas famílias que se encontram em dificuldades extremas, enquanto ele prefere atribuir a culpa aos docentes.

O governador incorre em situações que comprometem sua reputação de homem democrático, republicano, feliz governador desse Estado que se diz “Bahia de todos nós”. Além de ignorar a Lei de responsabilidade fiscal, firmando contratos emergenciais sem licitação com a imprensa e com empresas não adaptadas ao ambiente democrático da escola pública.

Grave, também, a opção de não negociar, pois ele está lidando com pessoas, não com máquinas e para a elevação dos salários da Assembleia Legislativa em 30%, em tempos de crise – verbas que farão falta aos serviços essenciais do Estado -, não se tem notícia de resistência. É importante reiterar: Os valores da Educação em nada oneram o Estado, mas possibilitam aos docentes e seus auxiliados melhores condições de vida e aquisição de serviços diversos que retornam em forma de impostos aos cofres públicos.

Se a greve continua, é porque existem motivos legais para isso. O ministro do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandovsky, declarou a greve legal e recomendou ao TJ-Bahia, a imediata resolução do impasse, justificando em leis sua decisão. A sociedade baiana aguarda há muito tempo, justa e hábil interferência do Ministério Público, um dos olhos do FUNDEB na tarefa de fiscalizar a lisura na aplicação dos recursos liberados.

Questões menores, mas importantes estão implícitas em duas questões seguintes: O cumprimento da Lei do Piso – 22,22% com desconto de 6,5% da inflação de 2011, que resultaria em 15,75% diluídos durante o ano de 2012 – assim acordado pelo sindicato classista; e revogação de Leis criadas do dia para a noite cujo conteúdo deformam o Plano de Carreira do Magistério, construído durante décadas em tempos difíceis.

Declarar antipatia pela atitude dos docentes não é bem uma justificativa da jurisprudência. É preciso aplicar a JUSTIÇA, em respeito à própria justiça e aos milhares de pessoas atingidas por uma calamidade aterrorizante, porque não é um fato natural. O que a sociedade espera do governo é transparência, verdade, sabedoria, diálogo, civilidade, pois se o governador ofende servidores sob sua responsabilidade, destrói documentos e história da Educação, abre espaços para o recrudescimento da ignorância.

Maria Efigênia Oliveira é professora.

17 respostas para “REFLEXÕES SOBRE A GREVE DOS PROFESSORES”

  • Sérgio Oliveira says:

    E pensarmos que o PT era a esperança de Professores, Policiais, …, trabalhadores em geral, …!!!

    Mas que decepção, …!!!

    A vida é assim: Chegou ao poder, oprimido vira opressor, …!!!

    O discurso muda, …, as ações também, …!!!

    Mas não será surpresa se algum dia, até outubro deste ano, nós encontrarmos alguns Professores pedindo votos para esse povo, …, em troca de promessas eleitoreiras ou mesmo pequenos óbolos, …!!!

    Aliás, a candidata a vice Prefeira na chapa do PT local, é Professora também, e até pouco tempo atrás também tinha um discurso contrário às ações de quem está no poder, isto é, o PT, …!!!

    E aí, dá para entender, …?!?!?!

    Nada como o tempo para nos mostrar as coisas, principalmente aos que não têm a mínima capacidade de prever as coisas, …!!!

    Agora, o discurso mudou, …, está em função da “força” das mulheres, para iludir os trouxas, …!!!

    Tem gente que, de tanto mudar de cor, ainda será conhecida como a camaleoa da política, …!!!

    Só que este tpo de “mimetismo” poderá levá-la ao final precoce da sua carreira política, …!!!

    É uma pena, pois capacidade intelectual ela em de sobra, …!!!

  • Cidadão says:

    Essa é a verdade.Que as pessoas leiam esse artigo e entendam quem está errado nessa história.As vítimas nessa história são os alunos e professores, vilão só existe um:o governo da Bahia,aqui mal representado pelo Sr Jacques Wagner.Incompetente,déspota,antidemocrata,não dado ao diálogo,etc.Ele está sentenciando o seu partido (PT) a maior humilhação nas urnas nesse ano e em 2014.

  • É proibido lê panfletos,jornais e pior estudar! Estes privilégios são das famílias de grandes fazendeiros e proprietários de terras, cujos filhos iriam estudar na europa.
    O Brasil então uma grande Fazenda de Portugal,tendo um povo analfabeto é melhor dominar.Os panfletos,revistas,jornais e livros chegavam nos porões dos navios escondidos,sendo descobertos nas alfândegas eram queimados. O Brasil é o que é hoje graças aos filhos dos fazendeiros que foram estudar na Europa,Paris,o que trouxeram na cabeça as idéias do iluminismo e os ideais da Revolução Francesa.
    O estudo a educação e a maior ferramenta do homem sair das trevas! não basta lê,não basta escrever,é preciso muito mais é saber interpretar no mínimo três linhas de um texto! saber fazer um pensamento crítico da sociedade na qual você vivi!
    Isso é o X da questão? A elite dominante pensa igual a elite dominante do passado,não quer da as ferramentas e manter nos nas treva. Todavia,nós temos um “presidente da República” Luís
    Inácio da Silva,é um analfabeto,o mesmo foi moldado por individuo que detém o conhecimento intelectual,o lula é uma pessoa que não têm nenhum compromisso com a educação e nem dá a ferramenta para as pessoas,ao seu redor está presente e dando as cartas são os banqueiros,os grandes usineiros e grandes proprietários industriais.Estes homens possuem a ferramenta da educação,faz do lula,um “bobo da corte” o que somente as pessoas que não sabem interpretar três linhas de um texto,são as pessoas que estão nas trevas. Portanto,nós precisamos sair deste fosso chamado educação e avançar com novas ferramentas rumo ao desenvolvimento.O Brasil e aqui na Bahia é o retrato do período colonial. Só a elite dominante pode estudar no exterior.
    Interpretar três linhas de um texto nem pensar?

  • O Cara says:

    O que esperar de um governo que não valoriza a educação? Wagner é um apologista da ignorancia.Isso ele faz quando vai mentir na TV sobre a greve.

  • Lourenço says:

    Parabéns pelo excelente texto, profª Maria Efigênia Oliveira!!! Uma das principais criticas que vejo entre os comentários dos alunos, e repetida de forma oportunista pelo governo, é que os filhos dos professores de escolas públicas estudam em colégios particulares e, por isso, não estão sendo tão penalizados com a greve!!! Isso é algo que não vejo nas duas escolas que trabalho!!! Várias professoras matriculam seus filhos em escolas públicas e conheço vários alunos que são filhos de colegas meus!!! Alguns estagiários são ex-alunos da escola onde hoje trabalham!!! Os poucos profissionais de ensino capazes de pagar mensalidades em escolas particulares são os que trabalham três turnos ou contam com auxílio do companheiro(a) para isso!!!
    Mas como dizia Joseph Goebbels, mestre da propaganda do regime nazista e braço direito do cunhado Adolf Hitler, “Uma Mentira contada mil vezes, torna-se uma verdade”.

  • kaka says:

    Antigamente quando o professor fazia greve não demorava muito sabe porque? porque eles ganhavam muito mal e não podia ficar sem salario muito tempo!!! Hoje o professor tá ganhando muito bem!!!já tem 90 dias sem salario!! é de acreditar!!!

  • Adriano Reis says:

    A verdade que esse governo imperialista que todo mundo fala, é o mesmo que educou os professores que ensinava sem nunca ter entrado numa faculdade, depois que o governo da oportunidade de se formarem , viram as costas. cambada de imcopentetes, voces tem que ressussitar A C M para voltar o tempo de cão.
    O mais prejudicado é os alunos, vão trabalhar. PT pra sempre, o unico partido que trabalha pro povo.

  • Pra kaka says:

    “Parece que vige ainda o preconceito contra a Mulher, mesmo sendo ela egressa de Universidade, trabalhadora em ambiente social interessante e delicado, provedora da família – a maioria o é -, oriunda e emergente de famílias pobres, razão pela qual, para os preconceituosos, não merecem mais que isso.”

  • Justo says:

    É preciso ñ misturar a política com educação pois só da em meleka…. governo algum tem a educação como base de seus planos… essa professoa com uma carinha de ñ política… a casa dela é o diretório político.. um mine comitê. kkkkk

  • Luciane says:

    A greve é justa, ilegalidade esta no governo que não negocia com os professores. Já completa 91 dias a greve e o que temos uma Educação sem qualidade, sem ambiente adequado, sem valorização e respeito para com o PROFESSOR, isso sim é um dos maiores crimes que se pode cometer, pois não só se perdem vidas, mas sobretudo perde-se o direito de “APRENDER E CRESCER COMO UM VERDADEIRO CIDADÃO.”

  • Pity says:

    Parabéns, Profª Efigênia, pelo excelente texto. Espero que os leitores sejam capazes de interpretar três linhas, como bem coloca José Raimundo, para ao menos tecerem comentários pertinentes!

  • amora says:

    Antigamente político não tinha direito a horário político pago pelo contribuinte, agora aumenta os vencimentos em 30% sem perguntar a ninguém. Partido político tem que respeitar os direitos de quem tem, seja ele qual for, até aquele que quem manda é o rei e os ministros. Se as pessoas de bem deixarem a política somente para os malditos a vida vai virar pasto.

  • Cássia says:

    Adriano Reis(?) Quem te falou, criatura, que foi esse governo que “educou” os professores??? Enlouqueceu??? Veja o diploma da maioria pra ver se foi esse governo “que educou”, como você afirma!!! E, olha, não tem diferença entre esse governo e ACM não. Aliás, tem: no tempo de cão, durante as greves, os carlistas ameaçavam cortes de salário, ameaçavam. Esse cumpre e corta salários de dias trabalhados. Se alguém vai trazer de volta os carlistas, é o próprio governo do PT. Pró Efigênia, parabéns pelo texto rico em informações reais!

  • Professora Efigênia Oliveira says:

    Pelo que vejo, escrevi o que serve para esclarecimento das pessoas, mas o que escrevi não é tudo. Falta dizer que não queremos ficar sem trabalhar, mas chamar a atenção das autoridades para nossos direitos e da população do entorno. Que participamos com entusiasmo da evolução de nosso Estado. Se tivesse havido sensatez, da parte dos que pensam em amedrontar profissionais, a greve não teria causado o impacto negativo que tem causado. A verba que o governo retém está em alguma conta, possivelmente rendendo juros. E os juros de nosssas contas, entra nessa conta?

    Dizer que a política é espaço, também, para pessoas trabalhadoras, estudiosas, de boa índole, ficha limpa, que nunca dá trabalho à polícia, à justiça, enfim, à comunidade onde vive. Abaixo o deboxe, o tom jocoso. Estamos na era do pensamento avançado em direção às ações de desenvolvimento.

    Para aqueles que ainda não entendem o valor da educação, da justiça e de políticos sérios para o progresso de nossas comunidades, ofereço essa mensagem de um de meus Mestres, o poeta Berthold Brecht:

    O Analfabeto Político

    O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
    O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

    Muito obrigada, Pimentas e a todos vocês.

  • cris says:

    Parabéns Professora! Estes esclarecimentos deveriam ser colocados a muito para e entendimento da população, que não está inteirada do que acontece realmente com a grave, e só têm conhecimento do que é divulgada pela mídia, formando um conceito negativo em relação ao movimento.
    Confesso que fiquei contra o movimento, por achar que não daria em nada sendo perca de tempo, mas lendo o texto me sensibilizei e acredito que realmente é hora de lutar por uma educação de qualidade.
    Embora, me pareceu que alguns não “ leram ou não entenderam o texto”, que é normal, tratando-se de ITABUNA, eu fiquei muito comovida com a sua colocação.
    Parabéns, orgulhe-se de ser professora, mesmo quando Ditadores, estão no poder.E lembre-se, DEUS te dará a vitoria.

  • marcia says:

    A sociedade ja entendeu muito bem!O maior prejudicado sao os alunos.Os professores do nosso Estado não estão ganhando mal não.Qual foi a classe trabalhadora que teve aumento salarial superior ou igual aos professores.?qem participa de greve sabe que tem ganhos e perdas.Tem que descontar os dias parados sim afinal quem paga seus salarios somos nós com os impostos.Quem souber que responda:Os filhos desses mesmos professores que brigam tanto por mais aumento salarial,estudam ou estudaram em colegios publicos? Não!!sabem porque?nem eles mesmo acreditam no trobalho deles.kakakakakakakakak

  • Mateus Cosentino says:

    Embora não sendo da área e portanto leigo no assunto, devo sempre concordar com o desmando, displicência e desonestidade com que os governos cuidam de nossa Educação. A consequência primeira deste é a desmotivação para o trabalho de Professor, a consequente aceitação de mestres com baixa qualificação. O resultado é que de 68% dos brasileiros são analfabetos funcionais e mais 7% são totalmente analfabetos (Na Suécia este total daqui de 75%, é de 10%). Isto quer dizer que não há vontade querente de nossos governantes em dar educação real ao povo, pois se nós brasileiros tivéssemos maiores condições de discernimento, certamente não seríamos seus eleitores. Parabéns pelo artigo Amiga Efigênia.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia