WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










março 2013
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

editorias





itao




COORDENADOR DO IDEC AFIRMA QUE CONSUMIDOR ESTÁ MAIS CONSCIENTE

consumidor direitosO coordenador executivo do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Fulvio Gianella Júnior, disse à Agência Brasil que o nível de consciência do brasileiro sobre os seus direitos como consumidor tem crescido nos últimos anos. Hoje, além de buscar mais os institutos de defesa, ele tem procurado diretamente os fornecedores.

“Podemos reparar que aumentou o grau de pessoas reclamando seus direitos, como se vê nos rankings do Procon, do Sindec [Sistema Nacional de Informações de Defesa do Consumidor]. Essa situação mostra duas coisas: os consumidores estão mais conscientes e reclamando mais seus direitos”.

Em 2012, 2,03 milhões de consumidores foram atendidos nas unidades do Procon, distribuídos em 292 cidades do país. De acordo com o Sindec, essa quantidade representa um aumento de 19,7% em relação a 2011, quando 1,6 milhão de consumidores recorreram ao sistema.

CAMPEÕES DE QUEIXAS

A telefonia celular foi o serviço com mais reclamações nos Procons (9,17%), seguido por bancos comerciais (9,02%), pelos cartões de crédito (8,23%), pela telefonia fixa (6,68%) e pelas financeiras (5,17%). O setor com maior demanda foi o financeiro (banco comercial, cartão de crédito, financeiras e cartão de loja), com 23,85%.

Com o ranking dos procons, também foi possível constatar um aumento de demandas no setor de telecomunicações (telefonia celular, telefonia fixa, TV por assinatura e internet), que saltou de 17,46% em 2011, para 21,7% dos registros em 2012.

Fulvio Gianella Júnior destacou a preocupação das entidades de defesa do consumidor com a ascensão de milhões de brasileiros à classe C, o que gerou maior possibilidade de consumo. “Nos últimos dez anos, 30 a 40 milhões de pessoas aumentaram sua capacidade de consumo. Essa é uma grande preocupação, porque são pessoas que antes consumiam pouco e passaram a ter um poder aquisitivo maior”. Reportagem Heloísa Cristaldo, da Agência Brasil.

2 respostas para “COORDENADOR DO IDEC AFIRMA QUE CONSUMIDOR ESTÁ MAIS CONSCIENTE”

  • VOA TELEXFREE!!! says:

    Leia abaixo a nota de esclarecimento sobre as atividades da Telexfree divulgada pela Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda:

    “A Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (Seae/MF) vem a público prestar os seguintes esclarecimentos sobre as atividades da empresa Ympactus Comercial Ltda. ME, conhecida pelo nome fantasia de Telexfree:

    1. As operações da referida empresa NÃO configuram captação antecipada de poupança popular, que é modalidade descrita no art. 7º da Lei nº 5.768/71 e cuja autorização e fiscalização competem à Seae/MF. Desta forma, NÃO cabe à Seae autorizar nem fiscalizar as atividades da Telexfree em território nacional.

    2. A descrição das atividades econômicas principal e secundária da empresa não a autorizam praticar atividades de comércio.

    3. Não foi comprovada a parceria entre a Telexfree e operadoras de telefonia móvel ou fixa, o que seria necessário para garantir a prestação do serviço de VoIP (voice over IP), conforme ofertado pela empresa.

    4. Com base nas informações prestadas pela empresa, a Seae/MF concluiu que estão presentes indícios de duas possíveis irregularidades na relação comercial entre a Telexfree e os divulgadores membros da rede da organização: i. o estímulo à economia informal e ii. a exigência de exercício de duas atividades laborais (como divulgador e como comerciante) para o recebimento de apenas uma.

    5. A oferta de ganhos altos e rápidos proporcionados principalmente pelo recrutamento de novos entrantes para a rede, o pagamento de comissões excessivas, acima das receitas advindas de vendas de bens reais e a não sustentabilidade do modelo de negócio desenvolvido pela organização sugerem um esquema de pirâmide financeira, o que é crime contra a economia popular, tipificado no inciso IX, art. 2º, da Lei 1.521/51.

    Ante o exposto, a Seae/MF encaminhará suas conclusões sobre a questão, contidas na Nota Técnica nº 25 COGAP/SEAE/MF, e o Parecer PGFN/CAF nº 422/2013 ao Departamento de Polícia Federal e à 3ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal, para que aqueles órgãos, caso entendam necessário, promovam as devidas investigações sobre o caso.”

    http://www.seae.fazenda.gov.br/destaque/nota-de-esclarecimento-sobre-as-atividades-da-telexfree

    INFORME ISSO TAMBÉM SEU PIMENTA! TENHA TRANSPARÊNCIA.

  • VOA TELEXFREE!!! says:

    Não encontrando nenhuma prova concreta que desabone a Empresa TelexFREE, a Secretaria de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda (Seae/MF) divulgou hoje (14) uma nota de esclarecimentos sobre as atividades da referida empresa.

    Na nota, a Seae/MF afirma que as operações da referida empresa NÃO configuram captação antecipada de poupança popular, esclarecendo que NÃO cabe à Seae autorizar nem fiscalizar as atividades da Telexfree em território nacional.

    Quanto às demais acusações, a Seae/MF também não conseguiu comprovar qualquer fraude, apenas sugerindo que possa haver indícios de crime contra a economia popular, especialmente devido aos ganhos do sistema binário decorrentes da formação de Rede.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia