WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










maio 2013
D S T Q Q S S
« abr   jun »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias





itao




UNIVERSO PARALELO

“SE A MONTANHA NÃO VAI A MAOMÉ…”

Ousarme Citoaian | ousarmecitoaian@yahoo.com.br

001BilacPor e-mail, questionam-me sobre a diferença entre plágio e citação, dúvida que para mim tem quase a idade do ovo e da galinha. Fazendo árbitro o dicionário, fica fácil: plágio é cópia ilegal, apropriação indébita da produção de outra pessoa, coisa sorrateira, sub-reptícia; já a citação exige remessa à fonte, creditando-se a autoria, tudo dito e feito às claras. Mas essa abordagem lexicográfica não satisfaz à consulente (ops!), e a mim muito menos: no escrever, é frequente a referência a outros autores, sem citação de fonte, e que não é plágio, mas homenagem. Certas expressões se tornam de domínio público, a exemplo de “ajuda luxuosa”, “se a montanha não vai a Maomé…”, “última flor do Lácio”…

________________

“Sou apenas um pobre homem de Itabuna”

No belo poema “Cacau, canto, clamor”, do livro Poesia reunida e inéditos, Florisvaldo Mattos escreve sobre a ascensão e queda da agricultura regional: “…livres de turbantes, burkas e sandálias,/ outros mais, mais outros, enfim dezenas,/ vieram, por desejo de erguer e construir/ o que a alma na carne gravara como dívida”.  É evidente a citação de “As pombas”, de Raimundo Correia (em itálico) – e eu, de propósito, citei Ascensão e queda do terceiro reich, de William Shirer. Hélio Pólvora, um dos poucos para quem vale o lugar-comum “dispensa apresentação”, costuma autointitular-se “apenas um pobre homem de Itabuna” – Eça de Queirós (1845-1900) se disse “apenas um pobre homem de Póvoa de Varzim”.

_______________

Voltaire é citado em diário de Itabuna

003CândidoEm artigo recente em importante jornal diário, o autor diz que o povo de Itabuna não vive “no melhor dos mundos” – empregando, bem, uma expressão tirada de Voltaire (1694-1778), em Cândido ou O otimismo. Machado de Assis, com sua vasta cultura, usou muito a citação, às vezes em língua estrangeira: Et nunc et semper (do latim, “nunca e sempre”), no conto O anel de Polícrates, é de São Mateus, 5:9; “… como a esposa que desce do Líbano”, no conto Último capítulo, vem do Cântico dos Cânticos. E é impossível não lembrar que Hemingway tirou do livro de Salomão um dos títulos mais importantes da literatura mundial: O sol também se levanta. A citação, sobre ser prova de conhecimento e bom gosto, é homenagem ao citado e ao leitor perspicaz.

COMENTE! » |

(ENTRE PARÊNTESES)

É impenetrável o raciocínio da chamada nova direita brasileira: enquanto cerca de 96% dos crimes são cometidos por bandidos adultos, ela se preocupa com o potencial de 3-4% representado pelos menores. Daí, prega que, ao reduzir a maioridade penal (e fechar os olhos aos criminosos engravatados, fardados, togados, nomeados ou concursados), reduz a criminalidade. Combater o crime tornando adultos os marginais infanto-juvenis me lembra a anedota sobre o cara que encontrou a mulher (lá dele!) no sofá, em intimidades com Ricardão. A gentil leitora e o atento leitor sabem como ele resolveu o problema: vendeu o sofá.

ALIENAÇÃO E CONCEITOS POR EMPRÉSTIMO

005VenezuelaNo ano passado, um deputado inglês, em palestra na Universidade de Oxford, chamou a atenção sobre “como ter pouco conhecimento é perigoso”. Isto não quer dizer que nos devemos transformar todos em sábios, como num passe de mágica, o que seria impossível; mas que precisamos aprofundar um pouco mais nossas informações, se queremos sair por aí dando opinião. Sobre Hugo Chávez, por exemplo (o tema da palestra do parlamentar), se um indivíduo disser  “não sei quem foi”, será um alienado; se disser “foi um ditador da Venezuela”, entrará para a lista dos que alardeiam conceitos tomados de empréstimo, talvez ouvidos em algum telejornal.
_______________

Como o “inocente útil” se faz perigoso

O alienado não influi nem contribui, é um inocente inútil; o outro, também inocente (mas útil), é perigoso, pois anda a espalhar “verdades” sob encomenda. É por esse caminho do “pouco conhecimento” que elegemos candidatos inadequados (para empregar um eufemismo) ou transformamos em herói qualquer pessoa que, a exemplo do jurista Joaquim Barbosa, desempenhe razoavelmente bem suas funções. Tentei evitar Brecht, mas não pude: “Triste do povo que precisa de heróis”. A ideia de fazer de JB presidente da República seria hilariante, se não fosse infeliz. Mas eu confesso que gostei quando ele disse que os três maiores jornais brasileiros são “mais ou menos” de direita. É óbvio, mas me fez bem ouvir.

COMENTE! » |

A MELHOR “CAIPIRA” DE TODOS OS TEMPOS

007Jeca TatuNenhuma lista (relação, antologia ou coisa que o valha) é inquestionável, pois sempre reflete a opinião de quem a fez. Mas isto nunca foi obstáculo para quem gosta de listar os “melhores” (ou “maiores”) de qualquer coisa. Veículos de imprensa do mundo inteiro andam, às vezes, por esse caminho, e eu, confesso, gosto de ler tais seleções – que me dão o pensamento médio dos outros. Em 2009, a Folha de S. Paulo reuniu dezesseis críticos, pesquisadores e compositores, para escolher as melhores músicas caipiras de todos os tempos. No topo da lista, como melhor de todas, ficou Tristeza do Jeca, de Angelino de Oliveira (1888-1964) – compositor paulista nascido em Itaporanga.
_______________

Com 95 anos, parece novinha em folha

Tristeza no Jeca nasceu a 24 de maio de 1918, cantada em público pela primeira vez, pelo autor. Conta, portanto, 95 anos, e parece novinha em folha. Teve gravações de diversos artistas, antigos e novos, caipiras e “caipiras”, mas o registro fundamental é da dupla Tonico e Tinoco. A canção se baseia no livro de Monteiro Lobato, Urupês, que deu vida longa a Jeca Tatu, o tipo rural infeliz e doente, típico brasileiro excluído, morador dos grotões da Pátria. Aqui, a interpretação de Paula Fernandes, ao lado de Sérgio Reis e Renato Teixeira. A gentil leitora, exigente, questionará se a bela Paula já cursou ao menos um semestre de violão; o leitor, de olho rútilo, não questionará nada.

(O.C.)

3 respostas para “UNIVERSO PARALELO”

  • Caro colunista da Velha Guarda do jornalismo brasileiro. Este comentário que “vosmicê” recebe agora fora escrito alguns dias atrás, naquela matéria em que tratava das “cotas raciais universitárias”. Por conta de minha indisciplina e estimulado pela figura do parnasiano Bilac que ilustra tua coluna, de quem eu, coincidentemente cito. Incitado, neste exato momento, à luz de tanta razão no Universo Paralelo, esta que atrai miríades e miríades de insetos de varias qualidades, lanço um pouco de breu na tão mal dissecada discussão.
    Apresentei tua coluna para alguns amigos e, eles curtiram à beça. Todos eles, (poucos, evidente). Foram eles contaminados pelo “mal de Ousarme”, ao ponto de, semanalmente, um ou outro me reportar perguntando se li tua coluna. Eu, relapso leitor, cometo às vezes o tal pecado de não lê-la, e por conta do “dito cujo”, não devo ser perdoado de modo algum. Talvez, passe eu, uma temporada num dos condomínios de Dante Alighieri, melhor, nalgum canto do “Residencial Purgatório II”, numa Bacia das Almas, purgando minhas maldades cometidas contra as tuas crônicas políticas/históricas/culturais, e de outros nomes de nosso jornalismo literário. Talvez, depois desta quarentena, eu tome vergonha na cara e não mais deixe escapar estas leituras.
    Observei também que tens arrebanhado uma legião de “serial killers” da última Flor do Lácio inculta e bela (como dizia o Bilac), para a tua seara de comentaristas. Porém, só os são, em função da pretensão e da presunção do que se arvoram ser, sabendo cultuá-las sem saber, (assim como eu), pois de outro modo, a linguagem tem ramificações que não podemos contê-la na caixa gramatical da própria língua. A expansão dela, um dia chegará ao máximo. O silêncio agudo e imortal que a humanidade está fadada.
    Tenho tardes de domingos prazeirosas viajando pelas trilhas da Coluna.
    Vida longa ao Universo Paralelo

    Walter Vítima

  • Ricardo Seixas says:

    Queres saber se um sujeito é alienado? perguntas a ele sobre as cotas nas universidades, sobre a reforma agrária, redução da maioridade penal, os novos dirigentes da América Latina, casamento entre pessoas do mesmo sexo,sobre literatura etc…

    Observes que a resposta do alienado vai ser a mesma da mídia hegemônica. Pensar, que devia ser um exercício diário, é um esforço hercúleo para um idivídio desses.

    Ele já tem seus pensadores: o médico cuida do seu corpo, o pastor ou o padre, cuida da sua alma,o político canalha, das leis, os best sellers, quando lê, e os colunistas conservadores são seus formadores de opinião. Réquiem pra eles!

  • Yan Santos says:

    Cem anos para a História, é pouquíssima coisa: uma página um rodapé, sem querer plagiar o professor e ex-roqueiro Adylson Machado, amigo público desse camarada, também professor de jornalismo (O.C). No mais, W. Vítima e R. Seixas, fazem comentário pertinentes. Que falta faz, uma pequena pilha de livros ao lado do teu sofá, da tua cama, no banco do carro… enfim, na estante não vale! Mas por falar em tempo, só hoje, após uma dia, atrasadíssimos, faço esse comentário!

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia