Espetáculo lembra a revolta dos escravos no Engenho de Santana (foto Felipe de Paula)

Espetáculo lembra a revolta dos escravos no Engenho de Santana (foto Felipe de Paula)

Num momento em que o Brasil é palco de um levante das massas, o Teatro Popular de Ilhéus volta ao século XVIII para contar a história da revolta dos escravos do Engenho de Santana, ocorrida em Ilhéus entre os anos de 1789 e 1791. Episódio emblemático na reação do povo negro contra o trabalho escravo e as condições desumanas a que era submetido, a rebelião será encenada no palco por um elenco formado por 20 componentes, entre atores, atrizes e músicos do TPI, ao lado de membros do terreiro Matamba Tombenci Neto.

A estreia  de 1789 acontece no dia 2 de julho, data da Independência da Bahia, com apresentação às 20 horas na Tenda do TPI, na Avenida Soares Lopes, e a montagem fica em cartaz até o final de julho, de quarta a sábado, no mesmo horário . Os ingressos podem ser adquiridos no local, a R$ 20 e R$ 10 (meia entrada).

O espetáculo é assinado por Romualdo Lisboa, que também responde pela direção geral. A direção musical é de Elielton Cabeça e a produção, de Pawlo Cidade. 1789 foi um dos contemplados pelo edital setorial de teatro do Fundo de Cultura da Bahia