Funcionários da Emasa tiveram que quebrar a rua para encontrar o "felino"

Funcionários da Emasa tiveram que quebrar a rua para encontrar o “felino”

O proprietário de um imóvel na Rua D do Loteamento Jardim Grapiúna aplicava há dois anos um golpe na Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa). A armação envolvia uma ligação clandestina – o popular “gato” – que abastecia mais de 30 apartamentos que o responsável pela falcatrua aluga.

Segundo a Emasa, o golpe demorou a ser percebido porque estava mascarado por um contrato normal. O proprietário solicitou o fornecimento à empresa em 2011 e depois fez três ligações clandestinas. A empresa diz que o furto de água chegava a comprometer o abastecimento de outras residências da mesma rua.

A Emasa informa que as punições para a fraude são o corte do fornecimento e multa de R$ 406,80. A taxa de religação  é de apenas R$ 18,90.