Professora Maria EfigêniaMaria Efigênia Oliveira | ambiente_educar@hotmail.com

Estas confusões estão atrapalhando o processo ensino/aprendizagem e a aquisição da verdadeira autonomia do indivíduo que, por sua vez, confunde Independência e liberdade com licenciosidade, o que é muito perigoso.

Quem assina contra o projeto do deputado Bacelar (veja aqui), passa distante de imaginar o que é uma sala de aula. A situação é, no mínimo, surreal. De tal forma que quando nos ausentamos do ambiente, esquecemos o constrangimento pelo qual passa o docente interditado de exercer seu trabalho pelos constantes ruídos praticados pelos próprios destinatários.

A meninada hoje em dia, a maioria, tem experiências de adultos sem estar psicologicamente preparada para tal. Pelo celular recebem mensagens totalmente adversas ao que se passa no ambiente reservado ao desenvolvimento de atividades cognitivas. Essas experiências também conferem ao educando a falsa ideia de poder desautorizar o trabalho do professor, que para ele em nada contribui para suas preferências.

O celular será muito útil ao trabalho pedagógico quando todos possuírem maturidade e aparelhos com dispositivos adequados para o compartilhamento de atividades que o professor recomendar, de forma que todos interajam com objetivo comum.

Muita gente que recomenda o uso do celular livremente em sala de aula confunde habilidade da meninada em utilizá-lo para ouvir ruídos sonoros, passar e receber mensagens, fotografar e jogar na rede, inclusive sem a mínima responsabilidade com o conteúdo, tampouco respeito pelos colegas e professores.

Já virou moda alunos utilizarem fotos nas redes sociais para a prática do bullying com a intenção de denegrir e depreciar alguém que imaginam estar no caminho deles – inclusive professores que pedem licença para passar a aula com bom aproveitamento.

Isso demonstra a falta de competência para fazer uso das TIs (Tecnologias de Informação), uma vez que o ambiente escolar é destinado para vivenciar saberes que não se vivenciam em casa, pois professor (a) não dá aula de Português, Matemática ou outras disciplinas nas reuniões de família, portanto, o tempo que se passa na escola tem que ser bem utilizado.

O grande público precisa aderir urgentemente aos ideais de formação de nossos jovens, pois sem isso estamos formando gerações sem limites em casa e na escola, porque na rua e nas “tribos” ninguém suporta a arrogância e a ditadura que praticam na escola, pessoas que julgam a vida pelos próprios critérios, haja vista a insuportabilidade que provoca a matança dos jovens por eles próprios.

É interessante compreender o que significa habilidade e o que significa competência. A primeira pode ser a prática sem o devido critério e está relacionada à informação pura e simples; a segunda está relacionada ao fazer criterioso, tem a ver com conhecimento, o que, aliás, a maioria confunde e descarta, apenas por achar que já sabe o que viu aleatoriamente.

Estas confusões estão atrapalhando o processo ensino/aprendizagem e a aquisição da verdadeira autonomia do indivíduo que, por sua vez, confunde Independência e liberdade com licenciosidade, o que é muito perigoso.

Este é um dos fatores que dão origem à violência escolar, motivo pelo qual, o pelo vereador Júnior Brandão reservou a próxima terça-feira, 17/09, às 19 horas, para tratar do problema e encontrar soluções junto aos pais, professores e autoridades competentes que já foram devidamente convidadas para o evento na Câmara Municipal de Itabuna.

Vale lembrar que o momento não é para tratar de abusos da escola, mas para cuidar das feridas de nossa sociedade, para cuidar da autonomia de nossa numerosa prole atingida pelo que se supõe progresso. Se não apelarmos para nossa responsabilidade de “educar a criança, estaremos punindo o homem”, que é nada menos que uma enorme exclusão e injustiça social.

Maria Efigênia Oliveira é educadora.