"Sílvio" formalizou negócio e tem agenda lotada (Foto Maurício Maron).

“Sílvio” formalizou negócio e tem agenda lotada (Foto Maurício Maron).

Agência Sebrae

Um paletó alinhado, o microfone sobre a gravata, uma peruca, um palco e muita inspiração na hora de imitar um dos maiores ícones da comunicação brasileira. O que começou como diversão de infância tornou-se um bom negócio para Emerson Marques, agora com 39 anos, cover do apresentador de televisão Sílvio Santos.

– A imitação sempre foi uma vocação natural que eu tive, até que, um dia, conheci profissionais lucrando com a brincadeira e resolvi criar o meu personagem cover também. Fui treinando em casa, no carro e, com o tempo, comecei a usar em eventos.

O Silvio Santos de Ilhéus destaca que, com o passar do tempo, a procura por seu trabalho foi aumentando, especialmente por grandes empresas, e ele começou a sentir a necessidade de regularizar sua atividade.

Em maio deste ano, procurou o Balcão do Empreendedor em Ilhéus, no sul do estado, para se tornar Microempreendedor Individual (MEI). Foi por lá que Emerson começou a organizar todo o aspecto burocrático para a prestação de sua atividade, afinal, existe uma enorme diferença entre a condição financeira do “Homem do Baú” de verdade e o seu imitador.

“A orientação do Balcão do Empreendedor foi importante para que eu assegurasse alguns direitos trabalhistas como INSS, seguro de saúde, aposentadoria por invalidez, além de facilidades de obtenção de créditos”, pontua.

Agora formalizado como MEI, ele paga uma taxa de R$ 39 (R$ 33,90 de INSS e R$ 5 de ISS) mensais para assegurar todos os benefícios. Desde que profissionalizou o seu talento, Emerson Marques tem se apresentado em festas, feiras e convenções, para diversos públicos pelo interior da Bahia e nos Estados do Paraná, São Paulo, Sergipe, Mato Grosso e Santa Catarina.

A sua mais recente apresentação foi para os conterrâneos, no Centro de Convenções de Ilhéus. Ele foi uma das atrações na apresentação da Campanha de Natal deste ano, e saiu do palco bastante aplaudido pelas “colegas de trabalho” que estavam na plateia.