Polícia faz reconstituição do Caso Valdenor, em Jussari.

Polícia faz reconstituição do Caso Valdenor, em Jussari (Foto Diego Re/Pimenta)

Valdenor Cordeiro (Arquivo).

Valdenor Cordeiro (Arquivo).

Nove anos depois da morte do então prefeito de Jussari, Valdenor Cordeiro, ainda permanece a dúvida: homicídio ou morte natural? Atendendo a um pedido do Ministério Público Estadual (MP-BA), o juízo da 1ª Vara do Júri em Itabuna determinou a reconstituição do caso. Davi Pedreira, advogado da família de Valdenor, reúne depoimentos e aponta indícios de que a morte não teria sido natural.

“Quando foi encontrado o corpo da vítima, o imóvel estava bastante bagunçado, com muitas coisas quebradas e fora do lugar”, diz o advogado, acrescentando que uma empregada que trabalhava na casa da vítima encontrou seringa no forro do imóvel dois meses após o crime, o que reforçaria a tese de morte por envenenamento.

Todos os exames toxicológicos já realizados pela polícia técnica descartaram o envenenamento do prefeito, encontrado morto em sua própria residência um dia depois da posse. Davi lembra que a Valdenor, antes da posse, afirmou que estava recebendo ameaças.

Policiais na casa onde o prefeito foi encontrado morto.

Policiais na casa onde o prefeito foi encontrado morto (Foto Diego Re/Pimenta).

Uma das chaves para esclarecer a morte de Valdenor é a testemunha Valdelice de Jesus Maciel. Ela depôs várias vezes à polícia, cita Davi, e reafirmava ter visto seis homens pulando o muro para entrar na casa da vítima. Todos eles foram reconhecidos e citados nominalmente.

Segundo Davi, um dos suspeitos citados pela empregada é o secretário de Administração de Jussari, José Guimarães. Outros dois são guardas municipais: Roni Monteiro e Raimundo de Souza do Carmo, conhecido como Bem-Te-Vi. Os demais citados foram Josivaldo de Almeida Cabral, Simão Cavalcante Lucas e Tamar Monteiro. Desde o início das investigações, apenas Josivaldo foi preso. Ele, segundo as investigações, dizia que havia matado o homem mais importante da cidade.

Durante as investigações foram encontradas grandes quantidades de veneno na residência e um copo que não estaria quebrado se não tivesse sido arremessado. O copo continha substância tóxica.

EXUMAÇÃO E EXAMES TOXICOLÓGICOS

Desde a morte, houve exumação do corpo em 2008 e foram feitos exames toxicológicos, pelo menos, duas vezes. Apesar disso, não foram encontrados indícios de substâncias venenosas, de acordo com os laudos. Também não houve constatação de fratura.