bbomMaria Carolina Abe | Portal Uol

A Justiça Federal em Goiás negou um pedido de liberação de pouco mais de R$ 200 milhões para a BBom (Embrasystem- Tecnologia em Sistemas, Importação e Exportação Ltda). A decisão é de 24 de março. A empresa, que fornece rastreadores de veículos, é acusada de formação de pirâmide financeira.

Desde julho de 2013, a Justiça determinou o bloqueio de bens da companhia, incluindo mais de cem veículos, além de R$ 300 milhões em contas bancárias do grupo.

Procurada pelo UOL, a BBom informou que não vai se pronunciar sobre a decisão. O pedido do desbloqueio dos bens teria sido aceito pelo Tribunal Regional de Brasília e, portanto, agora se trata de uma “disputa entre tribunais”, afirmou o assessor de imprensa da empresa, Marcelo Dias.

A BBom tinha pedido o desbloqueio R$ 203.208.260,57. Desse total, R$ 33.007.034 seriam para aquisição de 163.555 rastreadores; R$ 143.656.177,19 para pagamentos de tributos; R$ 8.779.213,98 para pagamento de empregados; R$ 15.543.540,00 para manutenção da empresa; e R$ 2.222.295,40 para despesas operacionais, segundo a Procuradoria da República em Goiás.

Em sua decisão, a juíza Luciana Laurenti Gheller considerou que os recursos bloqueados serão usados futuramente para indenizar consumidores lesados.