O prefeito Claudevane Leite (Foto Gabriel Oliveira).

O prefeito Claudevane Leite (Foto Gabriel Oliveira).

As coisas andam tão devagar na Secretaria da Saúde de Itabuna que nem o prefeito Claudevane Leite (Vane do Renascer) aguenta mais. Numa reunião com representantes da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, o prefeito abriu o verbo e exigiu mais celeridade por parte do secretário Plínio Adry na formatação do contrato entre município e a instituição.

– Plínio, já tem sete meses e [até agora] só enrolação? – questionou, para desconforto do secretário e dos presentes.

O que se diz internamente é que as equipes técnicas da Saúde e da Santa Casa definem as bases do contrato de serviço para os pacientes do SUS, mas a negociação emperra quando chega à mesa de Plínio.

A equipe é considerada boa. E por que as coisas não avançam?

O secretário, em conversas com o PCdoB, que o indicou para o cargo, alega ingerência de outras áreas do governo em sua pasta. E a ingerência é a que mais “dói”, a financeira, o que criaria problemas para poder fechar contratos e… pagar, claro.

Comunas suspeitam de um boicote, embora reconheçam deficiência técnica no secretário.

Enquanto isso, o pobre cidadão que necessita do serviço sofre nos hospitais. Não é novidade que o atendimento em hospitais da Santa Casa está cada vez mais precário quando o paciente é do SUS. Quem dúvida, é só dar uma averiguada em hospitais como o São Lucas e o Manoel Novaes.

Desde abril o contrato entre Santa Casa e município vem sendo mantido na base da saliva. Verbalmente. O dinheiro atrasa mais que o normal e já há fuga de médicos da instituição para outras regiões do estado e até do país. É o bolso. O cenário não é animador.

O próprio PCdoB tem entrado em campo nas negociações. Até mesmo o ex-presidente da Bahiagás Davidson Magalhães já foi acionado para um dedinhos de prosa com a provedoria da Santa Casa. O comuna até sugeriu à entidade uma “reduzida” no volume da dívida alegada, conforme apurado pelo PIMENTA. A conversa não evoluiu.

Há, dentro da Santa Casa, quem defenda “chutar o balde”. O provedor, Erick Ettinger, vem segurando as pontas.

Plínio é sério candidato a cair. Por enquanto, o prefeito diz aos mais próximos que deverá esperar o pós-eleições. Sim, mas a paciência está acabando.