Viagens estão mais em conta com promoções de agências e aéreas (Foto ABr).

Viagens estão mais em conta com promoções de agências e aéreas (Foto ABr).

Da Agência Brasil

Quem pensa em viajar durante as férias de julho e não se programou com antecedência pode ter uma boa surpresa ao pesquisar os preços de pacotes turísticos e passagens. Como as vendas ficaram abaixo do que muitos empresários esperavam para o período de Copa do Mundo, agências de viagens, hotéis e empresas aéreas tentam atrair os viajantes de última hora com promoções.

Segundo a Associação Brasileira das Operadoras de Turismo (Braztoa), cujos associados respondem por 90% dos pacotes turísticos comercializados no país, a coincidência entre a realização do Mundial e as férias teve um “efeito colateral”, esvaziando alguns destinos turísticos tradicionais. Para recuperar a clientela, algumas dessas localidades estão oferecendo pacotes de viagem até 40% mais baratos que no mesmo período de 2013.

De acordo com o presidente da Braztoa, Marco Ferraz, além da comodidade, fatores como os altos preços cobrados meses antes do início da Copa e o medo de problemas e transtornos desestimularam muitos brasileiros a viajar, levando-os, em um primeiro momento, a optar por ficar em casa durante as férias de julho.

Mesmo sem dados consolidados, o diretor de comunicação da Confederação Nacional de Turismo, José Osório Naves, atribuiu a ociosidade de poltronas em voos domésticos e de leitos em hotéis, pousadas e resorts, principalmente das cidades onde não já jogos, à expectativa que antecipou o Mundial.

“A expectativa da Copa foi superestimada. Mas, como os brasileiros estão viajando menos em função do próprio Mundial e os estrangeiros de países vizinhos vieram, em sua maioria, de carro ou ônibus, a venda de passagens aéreas ficou muito concentrada”, argumentou Naves, lembrando o grande número de estrangeiros hospedados em albergues da juventude, casas de moradores das cidades-sede ou que, no caso de muitos sul-americanos, simplesmente montam suas barracas em campings ou estacionam seus trailers e motorhomes onde é possível.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (AbIH), Enrico Fermi Torquato Fontes, garante que o nível de ocupação dos hotéis brasileiros já era esperado. “Historicamente, o movimento cai durante todas as copas. As pessoas viajam menos e até o número de casamentos deve ser menor. Se compararmos o resultado deste ano não com o de 2013, mas sim com o da Copa de 2010, não teremos grandes surpresas. A questão é que não há como comparar o movimento de um ano em que o país sedia o evento com outro em que o evento ocorreu em outro local”, disse Fontes à Agência Brasil.

De acordo com o diretor da ABIH na Região Nordeste, José Manoel Garrido Filho, na Bahia, estado bastante procurado pelos turistas das regiões Sul e Sudeste que fogem do frio de julho, Salvador e localidades próximas como Trancoso e Morro de São Paulo atraíram turistas, mas em cidades e regiões mais distantes da cidade-sede, como Ilhéus e a Chapada Diamantina, a procura foi menor, em parte devido à fuga de brasileiros.

As empresas aéreas Gol e TAM alegaram questões estratégicas para não entrar em detalhes sobre suas políticas tarifárias. Ainda assim, a TAM confirmou oferecer passagens “a preços acessíveis” para junho e julho. As duas companhias destacaram que, como de costume, os preços variam conforme a procura e a antecipação da compra, entre outros fatores.