Betão em "Sargento Getúlio", monólogo em cartaz amanhã e domingo, na Uesc.

Betão em “Sargento Getúlio”, monólogo em cartaz amanhã e domingo, na Uesc.

Premiada nas categorias melhor espetáculo e melhor ator no Braskem de Teatro de 2011, a peça Sargento Getúlio será apresentada às 20h deste sábado (16) e às 16h e 20h do domingo (17), no auditório central da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc). Somente neste ano, mais de 20 mil pessoas já assistiram à peça.

O monólogo Sargento Getúlio é encenado pelo ator Carlos Betão, um dos grandes nomes revelados pelo teatro itabunense. A direção é de Gil Vicente Tavares, com produção do grupo Teatro NU, de Salvador.

Após as encenações, haverá bate-papo com a equipe do monólogo adaptado de livro homônimo do escritor baiano João Ubaldo Ribeiro. A entrada é gratuita e classificação 14 anos.

A peça é sucesso de crítica e público do Sul ao Sudeste e Nordeste do País. O monólogo leva ao palco Getúlio Santos Bezerra, personagem, que tem a missão de levar um prisioneiro político de Paulo Afonso (BA) a Aracaju (SE). Ao receber ordem para retornar, ele mantém-se a caminho da capital sergipana.

O diretor e dramaturgo Gil Vicente Tavares diz que optou por adaptar a obra de João Ubaldo Ribeiro, transformando-a em um monólogo, ainda na sua primeira leitura. Segundo ele, “interessava imaginar esse homem, sozinho, contra a história, contra a plateia, defendendo sua ideia, sua honra, sua missão”.

Para Gil, Sargento Getúlio é um texto que procura nos aproximar das raízes culturais brasileiras. Por meio do texto de João Ubaldo Ribeiro, procura explorar o “absurdo” brasileiro, com seus personagens inusitados, fantásticos, de uma loucura inimaginável, tal é a riqueza de mitos, lendas e misticismo que, juntamente com a louca miscigenação cultural e desnivelamento social e cultural que percorre a longa extensão territorial dessa terra tão dispare que é o Brasil, pode-se dizer que se fez formar um novo povo: o Povo Brasileiro.