Dilma: dificuldades em Itabuna.

Dilma: dificuldades em Itabuna.

A campanha de Dilma Rousseff enfrenta problemas em Itabuna. Faltam carros de som e material de campanha, o que abre ainda mais espaço para o adversário. Parecendo alheios a tudo isso, alas do PT e aliados se desgastam em enfrentamentos.

Dentro do PT, grupos ligados a Geraldo Simões mantêm embates com a ala de Miralva Moitinho e do deputado Josias Gomes. Um quer provar que tem mais força que o outro.

De um lado, o grupo ligado à ex-presidente Miralva Moitinho reclama que o deputado federal Geraldo Simões tem programado atividades para o mesmo horário da majoritária – mas em locais diferentes. A leitura é que, por mais que se faça críticas, o PT itabunense é “geraldodependente”.

Do outro lado da peleja, geraldistas afirmam que a missão do grupo de Miralva é detonar o deputado não reeleito. A briga ainda tem outro componente, a foice do PCdoB, que engrossa, estrategicamente, o grupo de Miralva (leia-se Josias Gomes) nas críticas a Geraldo. Mais que isso, há resistência dos comunistas em irem às ruas com o 13 do PT, que é o número que quem vota em Dilma deve cravar nas urnas. Os comunistas preferem ir com a bandeira 65, número de legenda do PCdoB.

O “fogo amigo” consome o partido e afeta a campanha à reeleição da presidente Dilma Rousseff. Aecistas agradecem.