João Leão volta a pedir desculpas pelos excessos.

João Leão volta a pedir desculpas pelos excessos.

O vice-governador baiano João Leão (PP) usou expressões de cais de porto ao reagir à inclusão do seu nome na Lista de Janot, aquela preparada pela Procuradoria-Geral da República e divulgada pelo ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF). Dizer que estava “cagando e andando na cabeça desses cornos” foi uma espécie de ponto fora da curva em meio às falas de políticos quando inclusos (devidamente ou não) em listas como a de sexta-feira (6). Gerou reações de compreensão pública (na base aliada) e de críticas ácidas (entre opositores).

Certo é que, um dia após a descarga verbal, o vice-governador veio a público com uma nota oficial higiênica (relembre aqui). Viu-se obrigado a emitir uma outra nota ao perceber que “obrou” (muito!) mal e precisava ser mais preciso na limpeza.

Desculpou-se.

“Foram considerações feitas num momento de profunda indignação e surpresa”, anotou o “Bonitão”, como é também conhecido e como se refere aos próximos e ao eleitor em particular.

Confira a nota emitida distribuída pela assessoria, ontem, que dá a exata dimensão do estrago verbal do vice-governador. Antes, observe-se que o partido de Leão, o PP, foi quem mais teve nomes incluídos na lista. Quase metade da bancada na Câmara dos Deputados está lá – e entre os nomes aparecem baianos como o próprio Leão, os ex-deputados Luiz Argôlo e Mário Negromonte, além do deputado Roberto Britto.

Eis a nota:

“Gostaria de dar a exata dimensão das minhas palavras, amplamente divulgadas pela imprensa, em reação à inclusão do meu nome na lista dos políticos que podem ser investigados pela Justiça na chamada Operação Lava Jato.

Foram considerações feitas num momento de profunda indignação e surpresa. Fiquei muito triste porque ao longo de 28 anos de vida política jamais passei por tamanha crueldade. Peço desculpas à sociedade.
Repito: as palavras foram proferidas em um momento de surpresa e indignação por ver-me equivocadamente envolvido.
Não há, da minha parte, nenhuma intenção de ofender o Ministério Público, o Poder Judiciário, ou quaisquer outras instituições essenciais na manutenção do estado democrático de direito, nem pessoas.
Exercerei meu amplo direito de defesa e provarei a minha inocência.
Peço a Deus serenidade. Confio na democracia brasileira, e com o apoio da minha família e dos meus amigos contribuirei para que a verdade surja”.