Cerca de 300 funcionários da EBDA foram demitidos (Foto Gente e Mercado).

Cerca de 300 funcionários da EBDA foram demitidos (Foto Gente e Mercado).

Uma reunião para negociar acordo coletivo de demissão de demitidos da Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola (EBDA. Há quinze dias, a Justiça do Trabalho determinou a reintegração de mais de 300 funcionários pelo menos até que o governo baiano se dispusesse a negociar.

O encontro dos representantes de empregados ameaçados de demissão e os interventores da empresa junto com procuradores do estado ocorre na sede do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT5), em Nazaré, no início da tarde desta quarta-feira (20). A negociação é fruto de ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) solicitando que o Estado só pudesse demitir os funcionários da EBDA após uma negociação coletiva.

Mesmo após ter sido concedida a liminar, a Procuradoria Geral do Estado deu entrada em um mandado de segurança pedindo a cassação da decisão provisória do juiz Juarez Dourado Wanderley, da 13ª Vara do Trabalho em Salvador. O desembargador Paulo Sérgio Silva de Oliveira Sá, no entanto, indeferiu o pedido. Com isso, ficou decidido que o próprio TRT sediaria encontro entre trabalhadores e representantes do Estado para a negociação coletiva.

Nessa reunião, o Governo da Bahia e a interventoria da EBDA deverão apresentar proposta para amenizar os impactos sociais e econômicos sobre o conjunto dos funcionários da empresa, tais como extensão de benefícios, reaproveitamento de parte dos servidores em outros órgãos ou até mesmo um plano de demissão voluntária.