WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2015
D S T Q Q S S
« jul   set »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

editorias






:: 23/ago/2015 . 13:29

INSPIRAÇÕES QUE GERARAM POLÊMICAS

marivalguedesMarival Guedes | marivalguedes@gmail.com

Como dizia minha mãe, “dois bodes de chifres não bebem água na mesma cumbuca” e tanto o compositor quanto a atriz não têm papas na língua.

Chico Buarque, utilizando o pseudônimo/heterônimo Julinho da Adelaide, compôs Jorge Maravilha “(Mais vale uma filha na mão/Do que dois pais voando/Você não gosta de mim/mas sua filha gosta)”.

A canção foi dedicada à filha do general Geisel, Amália Lucy, que já havia confessado admiração pelo artista, divulgaram os veículos de comunicação. Chico negou e falou que compôs inspirado na sua detenção por agentes do Dops. No elevador, o agente pediu autógrafo para a filha.

Injuriado foi outro samba que rendeu notas nas colunas políticas (“Você nada está me devendo/Por isso, meu bem, não entendo/Porque anda agora falando de mim.)”

Afirmaram que foi composto para Fernando Henrique. O ex-presidente havia criticado Chico afirmando que o compositor é elitista e repetitivo. O músico negou e, pra não deixar dúvida, falou que “jamais chamaria FHC de meu bem.”

Polêmica maior foi entre Caetano Veloso e Luana Piovani. Afinal, diz minha mãe, “dois bodes de chifres não bebem água na mesma cumbuca” e tanto o compositor quanto a atriz não têm papas na língua.

Quando Caetano compôs Um Sonho, com seus versos eróticos “(olho-água, vermelho da calha nua/ tua ilharga lhana/mamilos de rosa-fagulha )”, Luana publicou que foi pra ela, sendo imediatamente desmentida pelo artista. Revoltada, disparou: “Era um Deus e descobri que era um banana de pijama. Para mim, ele morreu, está sepultado.”

Dias depois num show, Caetano, coerente com o bordão “Ou não”, confirmou: “Pela primeira vez vou dedicar essa música a Luana. Eu não a desmenti, como disseram. Quando compus, disse a ela que foi parcialmente inspirada nela. Mas Luana se precipitou e contou antes de me consultar”.

Já Paulinho Pedra Azul, compôs Jardim da Fantasia “(Onde estás?/Voei por esse céu azul/ Andei estrada do além/Onde estará meu bem?)” e comentam que foi dedicada a uma noiva que morreu.

Fantasia das pessoas, o músico afirma que fez para a primeira namorada. O boato ganhou tamanha dimensão que ele já se conformou: “Tento explicar, mas não tem jeito. A força do povo é maior”.

Marival Guedes é jornalista e escreve crônicas aos domingos no Pimenta.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia