"QG" concentra maioria dos atendimentos de vítimas do mosquito em Itabuna (Foto Pimenta).

“QG” concentra maioria dos atendimentos de vítimas do mosquito em Itabuna (Foto Pimenta).

Itabuna registrou 14.350 casos suspeitos de vítimas do Aedes aegypti no período de 1º de janeiro a 29 de fevereiro. Os números foram divulgados no início desta tarde pelo Departamento de Vigilância Epidemiológica de Itabuna.

No período, foram diagnosticados, clinicamente, 7.129 casos de dengue, 5.492 de zika e 1.729 de chikungunya. A própria Secretaria de Saúde de Itabuna reconhece que “apesar de altos, os números ainda não condizem com a realidade”. O secretário de Saúde de Itabuna, Paulo Bicalho, explica o porquê: “muitas pessoas ainda recorrem ao velho hábito de se automedicarem”.

Bicalho explica que a central de atendimento a vítimas das arboviroses do Aedes aegypti serve, estatisticamente, como termômetro para saber desde origem a faixa etária das vítimas de dengue, zika e chikungunya. Ainda de acordo com ele, os dados servem para que o município defina as ações de controle do mosquito e de larvas.