Mário Gusmão é homenageado em edição do Feciba (Foto Maria Sampaio).

Mário Gusmão é homenageado em edição do Feciba (Foto Maria Sampaio).

O espetáculo Anjo Negro – a memória de Mário Gusmão será apresentado na noite de abertura do VI Festival de Cinema Baiano (Feciba), de 9 a 11 de junho, no Centro de Cultura Adonias Filho, em Itabuna. O ator é o grande homenageado desta sexta edição, que já passou pelas cidades de Juazeiro, em abril, e Feira de Santana, em maio.

A peça teatral  trará a memória de Mário Gusmão, ator e diretor teatral que influenciou a trajetória de muitos artistas na década de 1980 em Itabuna e todo o sul da Bahia, principalmente trazendo as questões da valorização do ser negro.

O espetáculo que desenvolve uma linguagem poética e dramática, trazendo na dança afro contemporânea uma forte inspiração nos elementos da dança primitiva. A produção é do Grupo Afro do Encantarte, através do ProjetoCultura em Ação,  do Ponto de Cultura  Associação do Culto Afro Itabunense (Acai), sob a direção teatral, coreográfica e textos de Egnaldo França.

Ainda como parte da homenagem, a Mostra Retrospectiva do VI Feciba, que é dedicada ao ator, exibirá o longa O Anjo Negro (1972), que narra a história de um emissário místico que representa uma síntese da cultura afro baiana, que, com sua força dionisíaca, barroca, carnavalesca, selvagem e profana sacudirá os alicerces de uma família tradicional que está passando por uma crise. O filme de José Humberto Dias foi protagonizado por Mário Gusmão e seu título passou a ser utilizado como uma qualificação ao homenageado.

O Feciba é uma realização do NúProArt – Núcleo de Produções Artísticas e da Voo Audiovisual e tem apoio financeiro do Governo do Estado, através do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia.

MÁRIO GUSMÃO

Nascido em 1920 na cidade de Cachoeira (BA), Mário Gusmão foi o primeiro ator negro a se formar pela Faculdade de Teatro da Universidade Federal da Bahia (UFBA), onde ingressou na segunda turma em 1950. Mas foram nas décadas de 1960 e 1970 que ele viveu o melhor momento de sua carreira. Durante sua passagem por Itabuna e Ilhéus, na década de 1980, Gusmão tornou-se referência para o movimento negro e artístico da região.

No cinema, participou de obras importantes para a cinematografia brasileira, como O caipora(1963), de Oscar Santana, O Dragão da Maldade contra o Santo Guerreiro (1969), de Glauber Rocha e Jubiabá (1985), de Nelson Pereira dos Santos. Na televisão, integrou o elenco das novelas Tenda dos Milagres (1985), da Rede Globo e Dona Beija (1985-1986), da Rede Manchete.