WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia




alba








abril 2017
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: 23/abr/2017 . 13:10

CORPO DE POLICIAL SERÁ SEPULTADO EM ILHÉUS

Corpo de Tyrone será enterrado em Ilhéus.

Corpo de Tyrone será enterrado em Ilhéus.

O corpo do policial militar Tyrone Thomaz de Aquino Araújo, de 44 anos, está sendo velado no SAF, no Alto da Conquista, em Ilhéus. De acordo com nota da PM, o enterro está marcado para logo mais, às 16 horas, no Cemitério São João Batista, no Nelson Costa, bairro onde o policial foi assassinado por volta das 2h da madrugada deste domingo.

O policial fazia parte da corporação há 20 anos e era lotado na 68ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), região central de Ilhéus, desde junho de 2010. Ainda segundo a PM, Tyrone estava com amigos em uma lanchonete no Nelson Costa, quando foi alvo de vários disparos efetuados por quatro homens em um carro. A polícia ainda não confirma, mas um dos suspeitos, conhecido como Cascão, morreu em confronto, ainda nesta madrugada de domingo, em um residencial na zona sul de Ilhéus.

LAVA JATO: 71% DOS INQUÉRITOS ABERTOS POR FACHIN ENVOLVEM CAIXA 2

Fachin determinou abertura de 81 inquéritos no âmbito da Lava Jato.

Fachin determinou abertura de 81 inquéritos no âmbito da Lava Jato.

Dos 81 inquéritos abertos pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Edson Fachin, 71%, ou 58 inquéritos, tratam de acusações de pagamento de caixa 2, recursos não contabilizados pela Justiça e pagos a partidos e políticos a pretexto de campanhas eleitorais.

Já os 29% restantes (23 inquéritos) envolvem acusações de pagamento de propina para facilitar contratos e licitações da empreiteira Odebrecht com o Poder Público ou para aprovar medidas em tramitação no Congresso Nacional que beneficiariam a construtura.

Em parte dos inquéritos que tratam de caixa 2, os delatores especificam que os recursos estavam de alguma forma ligados a uma contrapartida, como futuros contratos com o Poder Público. Na maioria dos casos, a empreiteira esperava conseguir obras de saneamento básico.

O ex-diretor da empreiteira Alexandrino de Alencar afirmou, em delação, que o objetivo com os pagamentos de caixa 2 e também com doações oficiais era o crescimento do grupo Odebrecht.

“Na minha atividade o relacionamento político era fundamental para o desenvolvimento desse trabalho que visava o crescimento das empresas do grupo bem como trazer benefícios. E meu público-alvo nisso eram partidos políticos, políticos, agentes públicos. Sempre alinhado com a sistemática de contribuições financeiras e eleitorais”, explicou o ex-executivo.

Também em delação, o ex-presidente do grupo e herdeiro da empresa, Marcelo Odebrecht, explicou que muitas vezes o caixa 2 tinha como objetivo esconder de outros políticos o repasse de recursos para determinados candidatos.

“Eu estimo que ¾ das campanhas do Brasil eram [financiadas por] caixa 2. Às vezes você gostaria, para facilitar, de doar mais oficial, daria menos problema. Mas e a referência que você cria? Imagine a gente doar 2 milhões de reais para uma candidatura ao governo do Acre. Imagine quanto é que criaria de expectativa para um candidato a governador de São Paulo. Então, a questão do caixa dois virou um ciclo vicioso”, explicou o ex-presidente da Empreiteira, hoje preso pela Lava Jato.

Além das investigações sobre caixa 2, os inquéritos investigam também o pagamento de propinas para manter ou conseguir contratos com o Poder Público. Em 18 inquéritos, os pagamentos não eram associados às campanhas, mas eram ligados diretamente a licitações, como as obras de hidrelétricas no Rio Madeira, na região amazônica.

Há ainda cinco inquéritos que investigam o suposto pagamento de propina para editar medidas e projetos que beneficiariam a Odebrecht e aprová-los no Congresso Nacional. Como exemplo, a Medida Provisória 613, de 2013, que reduziu o pagamento de impostos do setor químico e da produção de etanol, trazendo ganhos ao grupo empresarial.

Os inquéritos abertos no Supremo Tribunal Federal investigam 108 pessoas, entre elas, oito ministros do governo, 24 senadores, 39 deputados federais e três governadores. Da Agência Brasil.

BANDIDOS EXECUTAM PM EM ILHÉUS

Policial militar foi executado no Nelson Costa.

Policial militar foi executado no Nelson Costa.

O assassinato covarde do policial militar Tyrone Thomaz Aquino abalou Ilhéus. Na madrugada deste domingo (23), por volta das 2 horas, dois bandidos chegaram a pé na lanchonete Erikão Hambúrguer, onde o soldado estava à paisana e desarmado, e o surpreenderam com tiros pelas costas. O estabelecimento fica na rua Bela Vista, no Nelson Costa, bairro da zona sul da cidade. A Polícia Militar confirmou as informações ao Blog do Gusmão.

Segundo o major Robson, comandante da 68ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), Tyrone não costumava portar arma fora do horário de serviço. Ultimamente passou a cumprir serviços internos, na rotina administrativa da 68ª CIPM. O major Pinheiro, comandante da 69ª CIPM, confirmou a este blog que o soldado estava mesmo desarmado quando foi surpreendido.

Os assassinos dispararam quinze vezes. Quatro disparos atingiram as costas de Tyrone. Forte e resistente, ele ainda estava vivo quando foi levado para o Hospital Geral Luiz Viana Filho. Na lanchonete, outra pessoa foi atingida por dois tiros, mas sobreviveu.

De acordo com o major Robson, além dos quatro tiros nas costas, Tyrone foi baleado pelo menos outras cinco vezes pela frente. Conforme o major Pinheiro, ainda é necessário aguardar o laudo do Departamento de Polícia Técnica para confirmar o número exato de disparos que o atingiram. No entanto, já é possível afirmar que a causa específica da morte foi insuficiência respiratória.

De acordo com os comandantes, diferente do que tem sido noticiado, não é possível afirmar que o outro homicídio registrado na última madrugada tem relação com a morte do soldado. Tampouco se sustenta a informação de que o policial foi vítima de bala perdida.

O crime tem características de uma execução. Além do número de disparos, os assassinos não roubaram nada.

Como o homicídio ocorreu na zona sul, área da 69ª CIPM, o major Pinheiro comanda as diligências iniciadas logo após a morte do soldado. Informações do Blog do Gusmão.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia