Cesta do Povo demitiu mais de mil funcionários, segundo associação.

Cesta do Povo demitiu mais de mil funcionários, segundo associação.

O Governo do Estado ainda não definiu o que fazer com Empresa Baiana de Alimentos (Cesta do Povo/Ebal). Após tentativas malsucedidas de leiloar a empresa, a gestão tenta plano de demissão voluntária sem perdas de direitos trabalhistas, porém a proposta é encarada com desconfiança pelos funcionários.

Desde 2015, mais de 100 lojas da Cesta do Povo já foram fechadas desde o ano passado, com registro de aproximadamente mil demissões. Uma audiência no Ministério Público do Trabalho (MPT) está marcada para 28 de junho, em Salvador. É a primeira de uma ação civil pública movida pelo MPT.

Funcionários ainda têm esperança de que ocorram reintegrações de forma coletiva. Numa ação individual, uma funcionária foi reintegrada em Jequié, de acordo com Francis Tavares, que preside a Associação de Trabalhadores da Ebal.

Por enquanto, a tentativa de leiloar a Cesta do Povo tornou-se um “pepino” na mão do governador Rui Costa, principalmente pela falta de interessados na compra. Os funcionários pressionam por solução.