WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


Postos Universal - banners blogs vertical (2)

banner-site-150x300px

jamile_yamaha

sintesi17

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago   out »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias


:: 16/set/2017 . 20:36

MORRE O JORNALISTA MARCELO REZENDE

Rezende lutava contra o câncer.

Marcelo Rezende lutava contra o câncer.

O jornalista Marcelo Rezende morreu neste sábado (16), aos 65 anos, na zona sul de São Paulo. Um dos maiores nomes do jornalismo brasileiro, o apresentador da Record TV lutava contra um câncer no pâncreas e no fígado desde o final de abril. A informação foi confirmada pelo Hospital Moriah, onde estava internado desde terça-feira (12).

Ainda não foram divulgadas informações sobre velório e enterro.

Com a coragem que o acompanhou ao longo da vida, o jornalista anunciou em rede nacional que estava com a doença. Durante uma entrevista ao Domingo Espetacular no início de maio, horas antes de ser internado pela primeira vez, Rezende disse que encararia a doença de frente.

O câncer agressivo o obrigou a deixar repentinamente o comando do Cidade Alerta, jornalístico que apresentava desde 2012. Foi nessa última etapa da carreira que Marcelo Rezende se reinventou como apresentador. Do R7.com

MAIS QUE VIOLÊNCIA – BRUTALIDADE!

Walmir Rosário 3Walmir Rosário | wallaw2008@outlook.com

 

Se o menor pratica descuidos, roubo, assalto e até latrocínio, na universidade do crime terá tempo suficiente para conhecer – se é que ainda não foi apresentado – ao mundo das drogas, usando e traficando.

 

Violência: esse é um tema que não gosto de abordar em artigos ou qualquer outro tipo de escrita, já que acredito ser uma selvageria todos os tipos de violência, que vai desde o simples(?) constrangimento às vias de fato. Mas hoje a violência é cheia de requintes e brutalidades, praticadas em simples assalto para tomar o celular da primeira vítima que aparece com um desses aparelhos fáceis de comercializar, e portanto torna-o como o maior bem de consumo dos ladrões e outros malfazejos.

E para praticar esses crimes não importa a idade. Pelo contrário, as quadrilhas preferem os menores, amparados pelo artigo 104 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que os torna inimputáveis. O instituto que foi criado para amparar teve efeito contrário diante da esperteza dos bandidos, que passaram a utilizar o ECA como biombo da impunidade em várias modalidades criminosas.

Pior do que o péssimo uso do ECA é a forma pusilâmine das autoridades em relação à impunidade. E isso tem relação direta com as ondas de violência que acometem o Brasil. Se não há punição, uma parcela de marginais atua sem qualquer receio da reação legal das instituições. Essa leniência é vista constantemente pelos bandidos na arregimentação de menores para suas quadrilhas.

E essa ação dos bandidos em relação aos menores que praticam assaltos também foi copiada pelos movimentos chamados políticos, nos diversos protestos promovidos por partidos políticos e sindicatos. Além dos menores, a moda é o uso de máscaras para participar de um “protesto pacífico”. Não restam dúvidas se quem vai a um movimento e tem que se esconder é porque tem algo a esconder da sociedade.

Tanto no assalto ao celular (figura aqui utilizada para caracterizar outros tipos de furtos e roubos) quanto nos protestos políticos essas ações estão recheadas de violência, ou melhor dizendo, brutalidade. Paus, pedras, armas brancas e de fogo, sem falar nas bombas caseiras, bastante utilizadas nas chamadas guerrilhas urbanas. E o pior, grande parte desses crimes são perpetrados numa multidão, o que dificulta a sua autoria.

Sei que é bastante arriscado para alguém abordar e analisar esses crimes cometidos por menores e encapuzados, pois são sérios candidatos a serem execrados pelos chamados grupos de proteção (?). Imediatamente, os críticos passam a ser chamados de retrógrados e alimentador dos grupos de extermínios, numa mudança de valores sem precedentes, transformando os infratores em coitadinhos e vice-versa. :: LEIA MAIS »

APREENSÕES DE ARMAS COM QUADRILHAS DE ROUBO A BANCO NA BAHIA AUMENTAM 106%

armas apreendidas pela polícia com quadrilha de banco

armas apreendidas pela polícia com quadrilha de banco

As ações ostensivas e investigativas das polícias Militar e Civil resultaram no aumento de 106,9 % das apreensões de armas de fogo com grupos criminosos que roubam banco no estado. Entre janeiro e agosto deste ano foram retirados de circulação 11 fuzis, três submetralhadoras, uma metralhadora, um rifle, três carabinas, 11 espingardas, 15 pistolas, 14 revólveres e um mosquefal. São 60 armas, algumas delas longas, retiradas das quadrilhas, enquanto no ano passado, no mesmo período, foram 29 apreensões.

Ainda no campo da produtividade oito organizações criminosas foram desarticuladas, 67 pessoas presas e 26 mortas em confronto com as forças de segurança. “Pelo segundo ano consecutivo estamos com redução nesta prática criminosa”, informou o diretor do Departamento de Repressão e Combate ao Crime Organizado (Draco), Marcelo Sansão.

O diretor explicou que entre janeiro e agosto deste ano a diminuição foi de 19,7%. Em números absolutos foram contabilizados 61 casos este ano, já em 2016, no mesmo período, tinham sido registrados 71. Fechamos 2016, comparado com 2015, com 54,4% de decréscimo. É um grande esforço de todas as equipes”, declarou o delegado.

Essas armas eram usados por assaltantes de banco

Essas armas eram usados por assaltantes de banco.

Marcelo Sansão afirmou que são necessárias penas mais duras para os criminosos. Ele observou que assaltantes que explodem um banco, sem deixar feridos, como acontece na maioria dos casos, são indiciados somente por furto qualificado. “Só a título de comparação, um criminoso que quebra o vidro de um carro para levar o som é indiciado também por furto qualificado”, explicou Sansão, acrescentando a urgente necessidade de atualização do Código Penal.

O coordenador da Força Tarefa da SSP, major Marcelo Barreto, destacou o trabalho integrado com a Polícia Federal e instituições de outros estados. “A polícia baiana tem uma relação muito intensa de trabalho com as forças de segurança das regiões Nordeste e Centro-Oeste. Esse ano fomos até Goiás e conseguimos desarticular uma organização criminosa que atuava em todo o Brasil”, contou o oficial.

CACAU BAIANO PERTO DE GANHAR REGISTRO DE INDICAÇÃO GEOGRÁFICA

Cacau deve ser valorizado com reconhecimento

Cacau deve ter registro de Indicação Geográfica.

Júlia Vigné | Correio24h

Assim como o chocolate da Suíça e o champanhe da França, a Bahia busca ser reconhecida pela originalidade de produção de três itens: o café em grão do Oeste, as amêndoas de cacau do Sul, que estão avançados no processo, e o charuto do Recôncavo, que iniciou o pedido no ano passado.

Associações de produtores se reuniram para reivindicar o registro de Indicação Geográfica (IG), concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI) a cidades ou regiões que ganham fama por qualidade e tradições de produtos específicos.

A Bahia já possui o reconhecimento para as uvas de mesa e manga do Vale do Submédio São Francisco e para a cachaça de Abaíra, que conquistaram o título em 2009 e 2014, respectivamente.

Nesta quarta-feira (13), foi lançada a nova versão do Mapa das Indicações Geográficas do Brasil, produzida pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em parceria com o INPI. Ao todo, 53 produtos brasileiros são reconhecidos com a indicação geográfica. A conquista das IGs podem alavancar as vendas de determinado local, ao posicionar o produto como único. É o caso das cachaças de Abaíra, que aumentaram suas vendas em cerca de 60% após o título de exclusividade.

O café em grãos do Oeste, presente principalmente em Barreiras, Luís Eduardo Magalhães, São Desidério e Cocos, que movimenta R$ 192 milhões anualmente com a venda de 24 milhões de quilos de café, é um exemplo de produto que possui características de solo, clima, culturais e históricas únicas e que, por isso, tenta ganhar o reconhecimento com a Indicação Geográfica por Indicação de Procedência, que reconhece o local que produz determinado produto.

O diretor explica que não ter chuvas no período de colheita do café, que é realizado anualmente, e ter 100% de mecanização na produção faz com que a qualidade dos cafés da região do Oeste seja melhor. Maia ainda explica que a busca pela IG fez com que os 27 cafeicultores da associação se reunissem e debatessem melhores aspectos para o produto, buscando ter 100% do processo igual. A associação espera alavancar as vendas com o reconhecimento, mas não tem estimativa do impacto financeiro.

“Nós temos um café de alta tecnologia. Nenhum lugar do mundo produz o que temos aqui. Nós ainda temos o compromisso com a questão ambiental, de preservar os rios e produzir na área plana, o que é outro diferencial nosso. Essa busca faz com que os envolvidos na produção tenham uma maior organização e que a qualidade melhore”, explicou.

AMÊNDOAS DE CACAU DO SUL DA BAHIA

Além do café, a Associação dos Produtores de Cacau do Sul da Bahia busca o reconhecimento para as amêndoas de cacau da região, presente em 83 municípios em uma área de aproximadamente 61.460 km², principalmente em Ilhéus, Itabuna, Camacan e Belmonte. Os dois pedidos já estão avançados no INPI. :: LEIA MAIS »

POLÍCIAS FEDERAL E MILITAR APREENDEM ARMAS COM ESTRANGEIRO EM MARAÚ

Ação conjunta resulta em apreensão de armas em Maraú

Ação conjunta da PF e PM resulta em apreensão de armas em Maraú

Uma operação em conjunto do Batalhão de Choque da Polícia Militar e Polícia Federal,  na tarde desta sexta-feira (15), em Maraú, resultou na apreensão de um fuzil, uma carabina, uma espingarda calibre 12 e um revólver. A ação policial ocorreu após denúncia anônima de que um homem estava ostentando armas de grosso calibre em um veleiro no município. As armas e o homem foram encaminhados para a Delegacia da PF em Ilhéus.

O armamento foi localizado com ajuda da cadela farejadora Andy, raça pastor malinois, do Batalhão de Choque (BPChq). “Estamos aqui prontos para agir em qualquer circunstância. As forças de segurança na Bahia são unidas e a população é quem mais ganha com essa integração”, destacou o comandante do BPChq, tenente-coronel Paulo Guerra.

As equipes continuam na região de Maraú fazendo varreduras em outros locais e apoiando as investigações da PF, que busca agora identificar o nome e a nacionalidade do acusado, que foi interrogado no início da noite desta sexta-feira.

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia