WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


Postos Universal - banners blogs vertical (2)

banner-site-150x300px

jamile_yamaha

sintesi17

setembro 2017
D S T Q Q S S
« ago   out »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

editorias


:: 24/set/2017 . 8:52

OS GALOS E OS HOLANDESES

Gerson Marques artigosGerson Marques

 

Catussadas foi aclamado herói de duas guerras. Nunca foi condecorado nem homenageado. Morreria esquecido e sem glórias seis anos depois, atacado por tuberculose.

 

O galo de Manoel Ascanio cocoricou três vezes. Era o Arauto do Sol, o título mais imponente na hierarquia do mundo dos galos, era dele a primazia de inaugurar o dia, status conseguido ao longo de muitos anos, madrugada após madrugada, até ter o peito forte e a garganta afinada para impor seu cacarejar, e ser respeitado pela galaiada da Vila.

O galo da viúva Maria Dolores, alguns quintais depois, era sempre o segundo. Fazia a contrarresposta ao primeiro e chamava o seguinte. Assim, galo após galo e cada vez mais distante, todos cumpriam seu papel de tecer o amanhã.
O arauto reinava de cima do galho mais alto do pé de araçá, no quintal de Manoel Ascanio, atento ouvia orgulhoso tempos depois a resposta do galo mais distante, lá pelos quintais da Ilha dos Sapos. Aí, então, começava tudo novamente.

Pronto, estava decretado o fim do silêncio da alta madrugada. Agora já era boca do amanhecer, quando nossas vistas ainda veem tudo escuro, mas os galos, com olhos de galos, já enxergam os primeiros raios do sol em um horizonte que ainda nem existe.

Contrariado, Manoel Ascanio levantou da tarimba meio cambaleante, arrastou os pés no chão frio de terra batida, caminhou com dificuldade no escuro em direção à porta do fundo que não passava nem pano velho, seguiu em meio do mato manso do quintal até debaixo do pé de araçá. Deu bom dia pro galo, baixou as calças e começou a mijar.

Lembrou do tenebroso sonho que teve há pouco. A morte lhe chegava sem avisar na forma de fogo e ferro, partia seu corpo em milhares de pedaços e sua alma atordoada não sabia para onde ir, tudo tão rápido como piscar dos olhos, teve medo e frio, com esforço afastou o pensamento ruim da cabeça e lembrou dos tempos de criança, nos anos da invasão dos sapos, quando mijava ali mesmo debaixo do pé de araçá, derrubando um por um com seu mijo de rapaz sadio, te tanto praticar desenvolveu uma técnica de lançar jatos intermitentes e fortes como uma bala de canhão, sorrio em silêncio quando comparou com seu mijo fraco e gotejando do homem velho que se tornou, estava absorto nestes pensamentos urinários quando ouviu um barulho tão forte como o fim do mundo.

Quando o galo de Manoel anunciou o dia, já na segunda chamada, o português Felisberto Homem Del Rei estava fornicando com a índia Maíra da Lua, assim faziam toda manhã, entre a primeira e segunda chamada do galo de Manoel.

De forma mecânica e rápida, Felisberto levantou-se do leito de palha seca improvisado de ninho de amor, caminhou para o quintal e observou as estrelas matinais ainda brilhando no céu escuro. Sentia calor, estava nu e se pôs a mijar. Admirava a força que a urina saía e lembrou do sonho que teve antes de Maíra acordá-lo em ardências sexuais. No sonho, viu um monstro de ferro cuspindo fogo que saiu do fundo do mar e voava sobre a Vila dos Ilhéus e destruindo tudo em uma velocidade de piscar de olhos, via também sua bela e jovem índia Maíra da Lua ser devorada pelo monstro, se assustou com o barulho tenebroso que ouviu, um barulho dos fins do mundo.

O padre Domingos foi o primeiro capuchinho a chegar por aqui depois dos tempos que os jesuítas ocuparam-se sozinhos de doutrinar o povo pecador dos Ilhéus, diferente dos outros, Domingos tinha duas mulheres e cinco filhos, quase um herege, moravam todos na antiga casa dos padres construída ainda no tempo dos Jesuítas e abandonada desde que o padre Manoel de Andrade enlouqueceu com a invasão dos sapos, já fazia quarenta anos, e foi queimado na Santa Fogueira da Inquisição.

Domingos nunca se acostumou a acordar aos primeiros cocoricados do galo de Manoel, jurava todos os dias que ainda colocava aquele galo na panela, chegou a oferecer um farnel de farinha boa em troca do galo, subiu para dois e até três, propostas que ofendeu Manoel já que o galo era da família, a raiva foi tanta que Manoel resolveu promover uma pequena vingança levando o galo com ele para a missa dominical, sem falar nas missas anuais de São Francisco para ser benzido e na noite de Natal na missa do galo, é claro.

Levantou com dificuldade da cama de tábuas, forrada por um colchão de taboa onde dormia com as duas esposas, arrastou penosamente seu corpo volumoso até o quintal onde há tempos mandou fazer um buraco dentro de um cercado, ali abaixou as calças para mijar quando lembrou que não tinha feito a reza matinal agradecendo a Deus por estar vivo mais um dia, sem cerimônias rezou ali mesmo segurando o pinto mole e imaginando como fazer para por o galo arauto de Manoel na panela. Lembrou que uma das mulheres o acordou no meio da noite assustada com um sonho em que um monstro de ferro cuspindo fogo devorava ela, os filhos, Domingos e a outra esposa, tudo em um piscar de olhos, ele riu da mulher e disse que ela sonhou com monstro porque dormiu ser rezar, nessa hora ouviu sem saber de onde um barulho que parecia o fim do mundo.

Como descreveu tempos depois o traficante de escravos Deocleciano Campos Oliveira Sá, o acontecimento daquela manhã, ao dizer que o monstro de ferro cuspidor de fogo foi o próprio diabo que apareceu em pessoa, montado em um raio dos infernos acompanhado por uma comitiva de capetas vindo das trevas cavalgando em cães de fogo, o chão todo tremeu e um vento de tão quente fez o sangue ferver. :: LEIA MAIS »

NOVA OBRA DE WALDENY ANDRADE NARRA A SAGA DOS TUPINAMBÁS

Jornalista lança nova obra em Ilhéus || Foto Luiz Conceição

Jornalista lança nova obra em Ilhéus || Foto Luiz Conceição

Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás, 3º livro do radialista, jornalista e escritor Waldeny Andrade, será lançado na próxima quarta (27), às 18h30min, na Academia de Letras de Ilhéus. A obra ficcional conta a história de três gerações de uma família constituída a partir de um casal formado por uma índia e um europeu que chegou ao Brasil, saído dos escombros de sua cidade natal, na Áustria, após a Primeira Guerra Mundial.

Editado pela Via Litterarum, a obra também conta a trajetória percorrida pelos índios no sul da Bahia em busca do reconhecimento pelos direitos à terra dos seus ancestrais. Ao longo das 288 páginas, o escritor conduz o leitor pela heroica saga dos Tupinambás, desde suas raízes na nação Tupi, que habitava o litoral brasileiro na época do descobrimento. Contém capítulos curtos, com dinâmica e precisa narrativa.

Este é o terceiro livro de Waldeny Andrade um expoente do jornalismo nas duas mais importantes cidades da Região Cacaueira baiana. Primeiro em Ilhéus, onde chegou como adolescente e atuou até o final da década de 1960, na Rádio Cultura. A partir de 1968, transferiu-se para Itabuna, onde dirigiu a Rádio Jornal e o extinto Diário de Itabuna. Mais recentemente, teve rápida passagem pela Rádio Nacional de Itabuna e TVI, emissora de TV a cabo.

Se no seu segundo livro, A Ilha de Aramys – 40 anos de eleições em Itabuna, também editado pela Via Litterarum, o jornalista já surpreendeu os leitores e a crítica pelo estilo, os capítulos bem fechados, a narrativa leve e uma tessitura firme a apontar um nascente escritor, com Serra do Padeiro – A saga dos Tupinambás há uma narrativa ainda mais envolvente. Os fatos são surpreendentes em cada capítulo. E, com pinceladas de realidade, o escritor confirma o veterano jornalista que, seja no impresso ou no eletrônico, sempre prendeu seu ouvinte e o seu leitor com boas histórias e análises verdadeiras.

CAIXA REDUZ A 50% LIMITE PARA FINANCIAR IMÓVEL USADO

Caixa reduz limite para financiar imóvel usado || Foto ABr/Arquivo

Caixa reduz limite para financiar imóvel usado || Foto ABr/Arquivo

A partir desta segunda-feira (25), os mutuários terão mais dificuldade em financiar a compra de imóveis usados. A Caixa Econômica Federal reduziu para 50% do valor do imóvel o limite máximo de financiamento. Atualmente, os clientes poderiam financiar até 60% ou 70% do montante dependendo do tipo de linha de crédito contratada.

A redução vale para todas as modalidades, como Minha Casa Minha Vida, empréstimos com recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (que usa recursos da poupança).

Em nota divulgada na noite dessa sexta-feira (22), o banco informou que o novo limite vigorará para as futuras operações de crédito. As propostas em análise entregues até esta semana continuarão a operar sob os limites antigos, caso o empréstimo seja liberado.

Responsável por 70% do crédito imobiliário no país, a Caixa informou que a redução dos limites ajusta o capital disponível da instituição financeira às condições do setor, cujo volume de crédito está crescendo neste ano. De maio a julho, o valor das concessões de financiamentos com juros regulados – como os imobiliários – somou R$ 2,4 bilhões, alta de 24% em relação ao trimestre anterior (fevereiro a abril).

IMÓVEIS NOVOS

A Caixa está dando prioridade aos financiamentos para a aquisição de imóveis novos. Em agosto, o banco tinha reduzido de 90% para 80% do valor da unidade o teto para a compra de imóveis novos e de 90% para 60% ou 70% o limite para a compra de imóveis usados.

Em maio, a Caixa havia suspendido para o restante do ano a linha pró-cotista FGTS, que usa recursos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) para o financiamento de unidades de até R$ 950 mil e cobra juros de até 8,66% ao ano de trabalhadores com carteira assinada.

O banco alegou falta de recursos e informou que a linha – a segunda mais barata depois do Minha Casa, Minha Vida – só será retomada em 2018. Agência Brasil.

alba



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia