WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia





novembro 2017
D S T Q Q S S
« out   dez »
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

editorias





itao

UNIVERSIDADE E INTEGRAÇÃO SOCIAL

Felipe de Paula | [email protected]

 

A universidade precisa exercitar a escuta. A lógica de gestão acadêmica e da relação com a sociedade deve ocorrer através de diálogos olhos nos olhos, com pés no chão.

 

Entre minhas experiências como estudante de graduação, pós-graduação, de trabalho como técnico administrativo e docente, tenho 17 anos praticamente ininterruptos frequentando universidades cotidianamente. Percebo sempre um ponto chave: embora sejam instituições públicas, as universidades têm, via de regra, diversas falhas na relação com a sociedade. A partir desta constatação, questiono: qual a função da universidade? Qualificar pessoas? Sim, mas não apenas isso.

Uma das questões mais fundamentais na universidade passa pela sua capacidade de integração social. Habitualmente estas se fecham numa pequena ilha de conhecimento onde apenas os “favorecidos” podem dispor de suas benesses. Quando a universidade busca contato com a sociedade civil organizada, ao invés de ouvir abertamente artistas, líderes comunitários, mobilizadores sociais, a instituição o faz na lógica do escute o que tenho para lhe dizer. A universidade, dona de um saber “qualificado”, vai até a sociedade para “ensiná-la”.

Este não é o caminho. Diversos grupos sociais já estão calejados desse tipo de abordagem presunçosa das universidades. O reconhecimento de diferentes saberes, sem atribuição de hierarquias, é uma demanda urgente para a universidade pública brasileira. A ideia de inclusão, onde a universidade permite ao menos favorecido frequentar seu panteão, está ultrapassada. O caminho da universidade deve ser o da integração social.

Mestres da cultura popular, líderes comunitários, artistas e outros têm tanto a ensinar quanto qualquer docente qualificado formalmente. A verdadeira integração acontecerá no momento em que a academia consiga se posicionar diante desses outros saberes e tratá-los de igual para igual sem permitir que estes sejam utilizados apenas para lançar holofotes e sirvam de degrau para a benevolência dos doutos acadêmicos.

O caminho não é simples. A desconstrução de décadas de pedestais fundados é um processo que deve ser entendido como processo diário de trabalho. Fala-se muito na luta por uma universidade pública, gratuita e socialmente referenciada. Esse resultado virá através da integração social plena, considerando os pensamentos contraditórios com escuta ampla e respeitosa. A universidade precisa exercitar a escuta. A lógica de gestão acadêmica e da relação com a sociedade deve ocorrer através de diálogos olhos nos olhos, com pés no chão.

Felipe de Paula é professor universitário.

2 respostas para “UNIVERSIDADE E INTEGRAÇÃO SOCIAL”

  • Aluno says:

    Boa colocação professor,tudo gira em um prisma de desconstruir a descontinuação do outro,principalmente quem não teve capacidade de letramento,independentemente o conhecimento deles adquirido por vivencia cotidiana não o torna desprovido de compartilhar conosco suas experiências,ensaios e grande parte das vezes as possibilidades de resolver problemas de um modo mais coeso.É aquela analogia a cerca dos mestres dos saberes..

  • Anderson Sant says:

    Felipe sua fala me é muito contemplante, mesmo tendo pouquíssimo tempo de vivência dentro do ambiente acadêmico sinto que essa seja uma das barreiras a ser rompida nessa relação universidade e sociedade civil em seus modos de se relacionar e no que diz respeito á esse estreitamento de transmissão do saber. As resistência ainda prevalecem quando o assunto em jogo são comunidades e estás se demonstram cada vez mais seguras de suas histórias, seus ritos, suas culturas, com seus pés no chão, no qual prevalecem cultivando suas raízes identitárias.

Deixe seu comentário






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia