Moradores de Ilhéus reclamam de dificuldade de acesso a serviço odontológico

Moradores de Ilhéus se queixam de precariedade no atendimento ofertado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) no Centro Especializado Odontológico (CEO) Almir Couto. Pacientes reclamam que, quando conseguem consulta, não são atendidos porque falta material ou por causa de equipamentos quebrados ou em manutenção.

Os usuários do SUS relatam que os problemas ocorrem há quase um ano. Em um dos casos, o paciente conseguiu agendar a consulta 11 vezes, mas até hoje espera pelo atendimento. “O pessoal até tem boa vontade, mas não tem condições de trabalho. Gastamos dinheiro para o deslocamento. Quando chega lá somos informados que não é possível fazer o atendimento porque falta material básico”, revoltou-se um paciente, que preferiu não ter o nome divulgado.

Os pacientes são encaminhados para o CEO quando necessitam de tratamento especializado como canal, cirurgia, gengiva e radiografia. Os serviços são procurados principalmente por pessoas que não contam com recursos para fazer um tratamento numa clínica particular, principalmente quando se trata de canal, que é um procedimento caro.

CONSULTÓRIOS NOVOS SERÃO IMPLANTADOS

O coordenador de Saúde Bucal da Secretaria de Saúde de Ilhéus (Sesau), Rogério Amaro, informou ao PIMENTA que os problemas já estão sendo solucionados. Ele admitiu que, às vezes, o atendimento era suspenso porque os equipamentos eram antigos e quebram constantemente.

O coordenador de Saúde Bucal informou que o problema será resolvido em definitivo com a instalação de cinco consultórios novos completos. Disse ainda que já foi feita a licitação para aquisição de material não só para o CEO, mas também para outras unidades que oferecem atendimento odontológico. Rogério Amaro assegurou que no prazo de 30 dias, no máximo, o atendimento estará regularizado, com o funcionamento dos consultórios novos.