Funcionária de Hospital é demitida por chamar chefe de drogada

A 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da Bahia (TRT5-BA) validou, por maioria, a demissão por justa causa de uma técnica de enfermagem da Associação Obras Sociais Irmã Dulce, em Salvador. A trabalhadora, que não teve o nome divulgado, teria ofendido sua chefe ao afirmar, na presença de várias pessoas, que quem fez a sua escala de trabalho estava “maconhada” e “drogada”.

A desembargadora Vânia Jacira Tanajura Chaves, relatora do recurso, destacou que a própria técnica de enfermagem, em sua manifestação, confessou a sua indignação quanto à escala e, ainda que atenuando a situação, admitiu ter afirmado que a enfermeira chefe deveria estar “drogada”. Além disso, documento juntado aos autos demonstra que a superior hierárquica denunciou a situação junto ao Conselho Regional de Enfermagem da Bahia.

A justiça entendeu que, mesmo demitida por justa causa, a técnica de enfermagem tem direito a receber R$ 2 mil de indenização. Ela ainda pode recorrer da decisão do TRT-BA.