Grupo, controlado por Ricardo Nunes, define recuperação extrajudicial

Fusão da Insinuante com a Ricardo Eletro, a Máquinas de Vendas fecha acordo de recuperação extrajudicial para pagar dívida bilionária, segundo a Exame. A publicação aponta dívida de R$ 1 bilhão da empresa com fornecedores e R$ 1,5 bilhão com bancos. O acordo extrajudicial, de acordo com o portal da área de economia, é costurado pelo grupo de private equity Starboard, com assessoria do escritório Thomaz Bastos, Waisberg, Kurzweil Advogados. Ambos não comentam sobre o negócio.

A Starboard atua na reestruturação da Máquina de Vendas. Ricardo Nunes permaneceria à frente da Máquina de Vendas, conforme a publicação. Ricardo tem 55% das ações do grupo, enquanto Luiz Carlos Batista, antigo dono da Insinuante, possui 42%. Com as movimentações e aporte do fundo Apollo, a Starboard passaria à condição de controladora do negócio.