Neto, ao centro, foi eleito presidente do DEM no primeiro semestre || Foto Divulgação

As eleições de 2018 trazem bons ventos a um dos principais partidos do “Centrão”, o DEM do prefeito de Salvador, ACM Neto. A legenda poderá assumir o comando dos governos estaduais de Goiás, com Ronaldo Caiado, Mato Grosso, com Mauro Mendes, e Rio de Janeiro, com o ex-emedebista Eduardo Paes, governando população de 26,8 milhões de habitantes.

– O DEM ganhou muito no governo Temer, atuando em ministérios, no Congresso. Se fortaleceu depois de um tempo atuando de forma inexpressiva – diz a cientista política Vera Chaia, da PUC-SP, ao Estadão.

Além da expectativa de vencer o pleito em três estados, o DEM espera eleger 40 deputados em 2018 ante os 22 em 2014, um dos períodos mais difíceis do partido que foi rebatizado após ser conhecido como PFL e ter nome envolvido em grandes escândalos nacionais com figuras como o ex-senador de Goiás Demóstenes Torres e o ex-governador do Distrito Federal José Roberto Arruda.

O partido cresce com o prefeito de Salvador no comando, mas ACM Neto, na Bahia, foi bastante criticado por aliados por ter “amarelado” no início de abril deste ano, quando decidiu não concorrer ao governo do Estado. Fez as contas e preferiu não enfrentar o petista Rui Costa. Hoje, pesquisas Ibope e Big Data revelam Rui na faixa dos 60% das intenções de voto. Neto preferiu continuar à frente da prefeitura. Corre, ainda, o risco de ver a bancada de oposição diminuir no Estado tanto nos planos estadual como federal.