Antônio Lopes || abcdlopes@gmail.com

 

Quatro séculos depois da “limpeza” promovida pelo colonizador, mostra Serra do padeiro…, os primitivos habitantes da região enfrentam os mesmos problemas do Quinhentismo. Neste primeiro quarto do século XXI, se não são reeditadas explicitamente as ações de Mem de Sá e Francisco Romero, cultivam-se, nem sempre de forma velada, as ideias daqueles matadores de índios.

Uma estória de espantar: sangue e suor, risos e lágrimas, crueldade e compaixão, assassinatos, caxixes, tocaias, coronéis e jagunços, a mata derrubada e a perseguição implacável aos donos da terra.  A narrativa de Waldeny Andrade (Serra do padeiro: a saga dos Tupinambás – Via Litterarum/2017) é emoldurada por esses elementos, mas centrada no ramo regional indígena Tupiniquim/Tupinambá, viés pouco valorizado em nossa ficção: salvo o ilheense Aracyldo Marques (Extermínio – Cátedra/1986), índios são personagens apenas tangenciados na literatura regional (a exemplo dos Camacãs, em Adonias Filho).

Extermínio e Serra do padeiro… concorrem num mesmo ponto, ambos ambientados no tema da luta pela terra, mas em épocas diferentes: Aracyldo situa seu romance no amanhecer da Capitania de Ilhéus, enquanto Waldeny desenrola uma trama que referencia Mem de Sá, assenta-se no século XX e chega aos dias de Rosivaldo Pereira da Silva, o cacique Babau.

O livro começa nos tempos em que o principal produto agrícola regional já se projetava como baliza de nossa economia – o cacau nasce promissor (“adubado com sangue”, na feliz expressão de Jorge Amado), adoece (diante dos preços aviltantes impostos pela Bolsa de Nova Iorque, ajudados pela visão estreita dos produtores ), entra em agonia (vitimado pela vassoura-de-bruxa) – e chega, alquebrado e trôpego, aos dias de hoje.

Quatro séculos depois da “limpeza” promovida pelo colonizador, mostra Serra do padeiro…, os primitivos habitantes da região enfrentam os mesmos problemas do Quinhentismo. Neste primeiro quarto do século XXI, se não são reeditadas explicitamente as ações de Mem de Sá e Francisco Romero, cultivam-se, nem sempre de forma velada, as ideias daqueles matadores de índios.

Em Serra do padeiro… bem poderia ser uma descrição marcada pela frieza da pesquisa histórica, mas vira leitura leve e agradável, com índios de feição romântica, à Gonçalves Dias e Alencar, além de remessas ao “bom selvagem” de Rousseau. Para completar essa escolha, forte pitada de amores impossíveis, como a bem-sucedida união do austríaco Klaud com a índia Bartira e, agora com sabor de tragédia, do índio Bel com Zu, filha de fazendeiro rico e racista. Ao queimar incenso no altar dos bons e levar os maus ao pelourinho (pelo menos, ao pelourinho da ficção), até mesmo um toque de misticismo, en passant, será magistralmente recuperado na última página.

A presença do índio Tupinambá na região é tema explosivo, em sentido literal, mas o pesquisador/romancista não se atemoriza nem se omite, criando uma espécie de livro vingador: em equilibrada combinação de romantismo, história e jornalismo de denúncia, ele nos faz lembrar famosa frase de Euclides da Cunha, quando o autor de Os sertões se proclamou “advogado dos pobres sertanejos assassinados por uma sociedade pulha e sanguinária”.

Waldeny Andrade se mostra advogado dos índios de todas as etnias, tendo por modelo os Tupinambás. Na pena do conhecido e respeitado jornalista, Buerarema (antes, Macuco) arde, como metáfora, no amor de alguns tipos ficcionais, e queima, literalmente, nas ruas, em confronto de índios e “brancos”, pela posse de área agricultável, sob o olhar nem sempre isento e responsável de forças armadas federais.

Serra do padeiro: a saga dos Tupinambás se identifica como livro de repórter desassombrado, que cultiva a polêmica, diz o que pensa, não alimenta conveniências e compadrios; em “cortes” da narrativa, o autor nos oferece, às vezes como grata surpresa, pequenos e oportunos editoriais, em que não faltam protestos contra a conduta inconveniente de autoridades, sobretudo os prefeitos de Buerarema.

Alegra-me um livro que, mesmo querendo ser romance histórico, inova o gênero, ao abrir espaço para a denúncia, a opinião e a reivindicação de uma comunidade sem voz: em Serra do padeiro…, o leitor fica sabendo que “a prefeitura de Buerarema sempre esteve distante, nas ações mais relevantes e primárias da cidade”. O poder público meteu os pés pelas mãos quanto ao conflito entre fazendeiros e índios, o meio ambiente está degradado, a via principal (Avenida Paulo Portela) tem nove açougues fétidos, “com a carne pendurada em ganchos e vísceras expostas em tabuleiros, na calçada”.  Até o trânsito, para uma cidade com pouco mais de 15 mil habitantes (segundo o censo do IBGE/2010), consegue ser absolutamente caótico.

Waldeny Andrade armou-se de muita coragem para produzir este trabalho que, imagino, não vai tornar o autor muito simpático em Buerarema. E é pena que assim seja, pois Serra do padeiro: a saga dos Tupinambás é um grande livro paradidático, pouco importa que leitura se faça dele: como romance, como história do município ou (a parte que “ofende” o lado mais conservador da sociedade local) como defesa dos Tupinambás. A quem não quiser ler Serra do padeiro…  como livro vingador, ainda resta lê-lo como livro cidadão.

Antônio Lopes é jornalista.