Xavier, à esquerda, afirma que notícias quanto ao futuro da Ceplac são preocupantes

O presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ricardo Xavier (PPS), manifesta-se preocupado quanto ao futuro da Ceplac, órgão do ministério da Agricultura que gera tecnologia e presta assistência técnica a cacauicultura em seis estados brasileiros. “A nossa apreensão aumenta porque as notícias vindas de Brasília, relacionadas à possível perda da autonomia financeira e ao comprometimento do orçamento anual do nosso principal organismo federal em atuação no sul da Bahia, não são muito boas”, afirmou o presidente da Câmara de Itabuna.

A Ceplac, observa Ricardo Xavier, voltou a ser um órgão específico e singular do Ministério da Agricultura, com a responsabilidade de cuidar dos sistemas agroflorestais brasileiros. Mas está subordinado à Secretaria de Inovação e Desenvolvimento Rural, que faz a gestão financeira dos recursos.

– As lideranças regionais, os cacauicultores e os servidores têm que se reunir e unidos mostrar ao Governo Federal que a Ceplac tem uma importância vital para a economia sulbaiana, responsável direta pela pesquisa do cacau, orientação técnica aos agricultores e extensão em Sistemas Agroflorestais – acrescentou Xavier.

No tarde desta segunda-feira (4), o secretário de Inovação e Desenvolvimento Rural do Ministério da Agricultura, Fernando Silveira Camargo, iniciará uma visita de dois dias à sede regional da Ceplac, na rodovia Ilhéus/Itabuna. Ele vem com a missão de fazer um relatório sobre situação atual do órgão e entregá-lo à ministra Tereza Cristina.

A recém-criada Secretaria de Inovação, Desenvolvimento Rural e Irrigação – a qual a Ceplac está subordinada – é responsável pela articulação realização de projetos de inovação voltados para o desenvolvimento rural e a pesquisa agropecuária, dentre elas o cacau.

No próximo dia 20 de fevereiro, a Ceplac completará 62 anos de criada. Ao longo dessas seis décadas, o órgão deixou uma marca positiva nos municípios do sul da Bahia. “Em 1979, a Ceplac tinha em seus quadros quase quatro mil servidores, entre técnicos na área administrativa, extensionistas e cientistas, quinhentos deles em níveis de MS e PhD, atuando em 220 munícipios da Bahia, Pará, Amazonas, Rondônia, Espírito Santo, Mato Grosso e Rondônia. Esses profissionais, com o apoio dos produtores de cacau, contribuíram para mudar a face socioeconômica da região”, garantiu.

Atualmente conta com apenas 1.200 servidores em processo de aposentadoria. Desde 1985 não realiza concurso público. Do início de dezembro de 2018 à primeira semana de janeiro deste ano, cerca de cem funcionários requereram aposentadoria e a previsão é que até o final de março, mais 250 já estejam aposentados. Hoje, o órgão apesar de sua grande importância, enfrenta uma serie de dificuldades, de ordem financeira, de autonomia e da perda dos seus servidores, que estão em processo de aposentadoria.

No próximo dia 15, o Legislativo itabunense iniciará os trabalhos do ano de 2019. Ricardo anunciou que protende reunir esta semana a Mesa Diretoria, integrada pelos colegas Charliane Sousa, Chico Reis, Manoel Júnior, Enderson Guinho e Babá Cearense, para buscar alternativas junto às demais lideranças regionais. “A revitalização da Ceplac é uma das bandeiras da Câmara de Itabuna”, disse. Ele lembrou que em 2017 a Ceplac fez sessenta anos e o Legislativo itabunense, durante uma Sessão Especial proposta conjuntamente por ele e pelos vereadores Charliane Sousa, Pastor Francisco e Babá Cearense, aprovou medidas visando o seu fortalecimento.