Manuela Berbert | [email protected]

 

 

A verdade é que, entre a mediocridade e o triunfo de muitas, entre o preconceito e a vitória de inúmeras, há uma força que muita gente ainda não quer ver, mas que é real e legítima. Ninguém segura mais a mulherada!

 

 

“Mulher está na moda”, escutei ontem. Prontamente discordei, claro! Ainda que durante séculos o papel da mulher tenha ficado restrito essencialmente às funções de mãe, esposa e dona de casa, são inquestionáveis os inúmeros êxitos femininos ao longo dos últimos tempos: o direito de votar, de participar ativamente da sociedade e do mercado de trabalho, além da revolução sexual que, a meu ver, ainda acontece, diariamente, nas nossas casas. É mais sobre CONQUISTA e menos sobre percurso efêmero.

Não precisamos nos remeter aos cenários mundial e nacional para falar de mulheres fortes e destemidas que estão imprimindo seus nomes na nossa história. Hoje, na Câmara de Vereadores de Itabuna, a edil Charliane Souza, única mulher daquela casa, enfrenta diariamente, além da grande maioria dos colegas, o prefeito da cidade, protocolando denúncias e cumprindo o papel de fiscalizadora da administração. Lados políticos e razões à parte, sua perspicácia desponta para todos.

Na Polícia Civil, instituição com carreira marcadamente masculinas até pouco tempo, posso citar Dra. Katiana Amorim, itabunense, delegada com mais de 30 cursos entre planejamentos estratégicos, táticos e operacionais.

Nos veículos de comunicação regionais a ascensão feminina também é nítida. Além do número de profissionais imenso posso citar Silmara Sousa, repórter da Rádio Difusora e da Record TV, que segura a audiência do polêmico Balanço Geral, líder no horário em quase todo o país, sempre que convocada por aqui, “dando a cara” contra a corrupção, o tráfico de drogas e demais mazelas regionais.

Adentrando na área da saúde, posso lembrar que, na última semana, a médica Lívia Mendes foi empossada nova diretora técnica do Hospital Calixto Midlej Filho, unidade da centenária Santa Casa de Misericórdia de Itabuna. Sua nomeação é um marco para a instituição, já que é a primeira vez que uma mulher é empossada no cargo.

São nomes que servem de exemplo e como exemplo, apenas para que eu não precise me estender citando tantas e tantas outras mulheres. A verdade é que, entre a mediocridade e o triunfo de muitas, entre o preconceito e a vitória de inúmeras, há uma força que muita gente ainda não quer ver, mas que é real e legítima. Ninguém segura mais a mulherada!

Manuela Berbert é publicitária e escreve o manuelaberbert.com.br.