Manuela Berbert || manuelaberbert@yahoo.com.br

 

 

 

“Que audácia é essa, Mangueira?! Quem vocês pensam que são para fazer isso?!”, sugere, em um relato que demonstra a mesma firmeza das mãos desta foto. “Nos nossos calcanhares carregamos dor misturado com sonhos!”

 

Essa imagem me chamou atenção em uma rede social, especialmente pela garra que representa. Esta mulher, que carrega um mundo no olhar, chama-se Evelyn Bastos, Rainha da Bateria da Estação Primeira de Mangueira, tradicional escola de samba do Rio de Janeiro, campeã deste 2019 com o enredo “HISTÓRIA PARA NINAR GENTE GRANDE”. Na contramão das escolas que convidam e convidaram artistas e celebridades para ocupar o posto, inclusive.

A apuração ainda não tinha acontecido no momento em que cheguei ao perfil dela na rede, mas a narrativa que acompanhava esta imagem, no meu entendimento, já tornava Evelyn uma campeã na vida. Conta, com determinação nas palavras, que o enredo atraiu tantas críticas que a mesma teria chegado a achar que era uma espécie de déficit de atenção de muitos, até entender que a verdade é que para muita gente é insuportável ver o preto ser exaltado, guerreiro e herói. O entendimento de uma mulher “presa na miséria da favela”, mas que ainda assim desce a ladeira cheia de amor para fazer muita gente sorrir, como a mesma narra.

“Que audácia é essa, Mangueira?! Quem vocês pensam que são para fazer isso?!”, sugere, em um relato que demonstra a mesma firmeza das mãos desta foto. “Nos nossos calcanhares carregamos dor misturado com sonhos! E hoje, além disso, estamos levando para a avenida a história do país negro, mulato e mestiço que nenhum livro vai poder apagar”, escreveu.

Vi um projeto social chamado SAC, de apoio aos moradores de rua do Centro do Rio de Janeiro, e ao Quadril de Mola, Workshop de Samba que roda o mundo. Não me surpreendi. As mulheres, quando descobrem a capacidade de renascer em vida, não olham para o que lhes falta, mas para o que são capazes de construir. E aí, não há obstáculo que consiga interromper sua trajetória!

Manuela Berbert é publicitária e escreve no blog www.manuelaberbert.com.br