Dirigentes de entidades comerciais e industriais defenderam isenção de IPTU || Foto Andreyver Lima

Entidades de classe defenderam, na Comissão de Finanças do Legislativo itabunense, a prorrogação da isenção de IPTU cobrado a indústrias instaladas no Polo Industrial. Na audiência pública, nesta quinta (14), representantes da Associação Comercial e Empresarial (ACI), da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) e do Sindicato do Comércio Varejista (Sindicom) sustentaram que a manutenção e a geração de empregos compensarão a renúncia de receita pelo município.

Pela proposta, o Governo itabunense renova por dez anos o benefício fiscal a indústrias que, entre outros requisitos, tenham, no mínimo, 500 funcionários. A relatora da matéria, Charliane Sousa (PTB), deve apresentar o parecer na próxima segunda (20). Tanto das entidades classistas quanto de colegas do parlamento, a vereadora recebeu como sugestão estender a isenção tributária a indústrias com número menor de empregados.

O presidente do colegiado, Jairo Araújo (PCdoB), destacou que será difícil para as indústrias cumprirem outro requisito do projeto de lei: aumentar em 20%, a cada ano, o número de contratações. Na opinião do vereador, um cenário econômico desfavorável pode impedir novas admissões. A retração no mercado de trabalho itabunense já afeta o comércio de forma geral. De 2010 até hoje, 3 mil postos de trabalhos foram fechados na cidade, conforme a ACI.

Fizeram parte da mesa, Eduardo Carqueija Júnior (vice-presidente da ACI), Carlos Leahy (presidente da CDL) e José Adauto Vieira (secretário Sindicom). Também participou da audiência pública o empresário Ronaldo Abude, que faz parte do Movimento Empresarial Sul da Bahia em Ação (Mesb).