Marco Wense

 

Além de todos os obstáculos que o presidente Bolsonaro tem que ultrapassar, cada vez mais complicado em decorrência da falta de diálogo com o Poder Legislativo, ainda tem um Olavo de Carvalho pela frente.

 

Quero logo dizer que não sou adepto da política do “quanto pior, melhor”. Torço para o sucesso de qualquer governo, independente a que partido pertença ou ao campo ideológico.

Inaceitável, no entanto, são os defensores do governo Bolsonaro acharem que as críticas sejam para alimentar o desejo de que as coisas piorem e caminhem até mesmo para um impeachment.

Ora, é inquestionável que o começo do governo Bolsonaro está sendo ruim. Nunca na histórica da República Brasileira se presenciou um início de gestão tão conturbado. É a verdade. Contra fatos não há argumentos.

E o pior é que fica parecendo que está tudo tranquilo, que as coisas estão caminhando a contento. Enquanto a crise política corre solta na Câmara dos Deputados, em torno da Reforma Previdenciária, o presidente Jair Messias Bolsonaro vai ao cinema com a primeira-dama em plena luz do dia, salvo engano às 9 horas.

Para colocar mais lenha na fogueira do imbróglio entre os poderes Executivo e Legislativo, o ministro da Economia, Paulo Guedes, não vai à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Parlamento para explicar sobre as propostas que alteram o sistema de aposentadorias.

Os mais lúcidos que integram o governo têm que alertar sobre a importância e a imprescindibilidade de se fazer um bom governo. O povo brasileiro, principalmente os que mais necessitam, não aguenta mais uma gestão desastrosa.

Como não bastassem os problemas internos, tem um Olavo de Carvalho com prestígio no bolsonarismo, incendiário e sem meias palavras, soltando o verbo sem medir as consequências.

Olavo, muito próximo do presidente Bolsonaro, uma espécie de guru filosófico, já foi chamado de “desequilibrado” pelo general da reserva Carlos Alberto dos Santos Cruz, ministro da Secretaria de Governo.

Olavo, o sem papas na língua, já disse que o núcleo militar do governo tem “mentalidade golpista” e que o vice-presidente Hamilton Mourão seria “estúpido” e “idiota”.

Pois é. Além de todos os obstáculos que o presidente Bolsonaro tem que ultrapassar, cada vez mais complicado em decorrência da falta de diálogo com o Poder Legislativo, ainda tem um Olavo de Carvalho pela frente.

Faltando pouco para os cem dias de governo, o que predomina é a incerteza e a certeza de que as coisas podem piorar. Infelizmente.

PS – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, o FHC, figura principal da “Privataria Tucana”, tem razão quando diz que “os partidos são fracos, o Congresso é forte. Presidente que não entende isso não governa e pode cair”. Ontem, 26, em votação relâmpago, a Câmara dos Deputados, presidida pelo demista Rodrigo Maia, retirou do governo poder que tinha sobre o orçamento. Outros exemplos de que o Parlamento é forte, podem acontecer a qualquer momento. Se esse indispensável diálogo não está acontecendo entre o Executivo e Legislativo, em decorrência do vergonhoso toma lá, dá cá, como alega o governo, aí é complicado.

O presidente Bolsonaro passa a ter razão, afinal foi promessa de campanha a implantação na “nova política”. Com efeito, esses slogans de novo isso, novo aquilo, é um marketing manjado. A sabedoria popular costuma usar a seguinte expressão: “Me engana que eu gosto”.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.