Marco Wense

 

O que o povo brasileiro deseja é responsabilidade dos homens públicos, sob pena do bolsonarismo levar o país para o caminho do brejo, ressuscitando o “sapo barbudo”, como era chamado o ex-presidente Lula pelo saudoso Leonel Brizola, fundador do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

 

 

É preciso acabar com essa bobagem de que quem critica o governo Bolsonaro é petista. Do contrário, vai virar uma grande idiotice.

É só falar qualquer coisita do desastroso começo do governo de plantão para que seja logo taxado de esquerdista e lulista de carteirinha.

Temos que reconhecer que é uma estratégia interessante, que termina funcionando e inibindo quem tem pavor de ser rotulado de petista.

Conheço algumas pessoas que já deixaram de comentar sobre a gestão bolsonariana nas redes sociais. “Eles não aceitam opiniões contrárias ao governo, mesmo que seja uma crítica construtiva”, desabafa um deles.

Ora, até as freiras do convento das Carmelitas sabem que o governo Bolsonaro precisa deixar as picuinhas e o disse-me disse e cair na realidade de que é preciso governar, que os problemas são muitos e a maioria exigindo rapidez, sob pena do “trem verde e amarelo” sair de vez do trilho.

Todos os dias tem bate-boca entre o Executivo e Legislativo. A orientação constitucional de que os poderes devem ser harmônicos e independentes entre si é jogada na sarjeta, o que não é bom para o Estado democrático de direito.

Dizer que a situação não é preocupante é o primeiro sinal de cegueira diante dos fatos. É como querer tapar o sol com uma peneira.

A Reforma Previdenciária está subindo no telhado e, pelo andar da carruagem, com esse pega-pega entre os presidentes Jair Bolsonaro (República) e Rodrigo Maia (Câmara dos Deputados), vai continuar lá, esperando que eles se entendam e passe a pensar no Brasil, deixando a politicagem de lado.

O esforço tem que ser direcionado para melhorar a situação do cidadão-eleitor-contribuinte. Não pode gastar energia com briguinhas pessoais e fofoquinhas diárias.

Portanto, o que o povo brasileiro deseja é responsabilidade dos homens públicos, sob pena do bolsonarismo levar o país para o caminho do brejo, ressuscitando o “sapo barbudo”, como era chamado o ex-presidente Lula pelo saudoso Leonel Brizola, fundador do Partido Democrático Trabalhista (PDT).

PS – E por falar no PDT, próximo mês de agosto faço 32 anos de filiação. Foi minha primeira e única legenda. Tive a honra e o prazer de ser o presidente do PDT de Itabuna por duas vezes. Tempos bons, quando a convicção, coerência e o forte e inabalável posicionamento ideológico ditavam o caminho a ser percorrido. Tive como padrinho político, o brizolista mais brizolista de todos, o também saudoso engenheiro Dagoberto Brandão, fundador do partido em Itabuna, hoje em um lugar chamado de eternidade.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.