Mototaxistas foram à Câmara reclamar de exigência de seguros || Foto Gabriel Oliveira

A Cooperativa de Mototaxistas e Motofretistas de Itabuna (Coopmoto) pediu à Câmara de Vereadores que alterasse, na Lei 2.260/13, as exigências do seguro para condutor e passageiro. A norma exige tanto o seguro obrigatório quanto o de vida.

A CoopMoto alega que as seguradoras recusam assumir danos com a indexação fixada na Lei. Hoje, as indenizações variariam de R$ 86 mil a R$ 117 mil para invalidez parcial e morte, respectivamente.

Na terça (30), Beto Dourado (PSDB) pretende apresentar em Plenário a proposta que, conforme o vereador, “corrige um erro” da Lei 2.260/13, que instituiu o transporte individual de passageiros por motocicletas em Itabuna.

– Não podemos impor valores [de seguro] à iniciativa privada, mesmo que de forma indexada. Tem que existir seguro, mas dentro das coberturas que elas [as seguradoras] oferecem – enfatizou o tucano.

O pedido da CoopMoto foi oficializado nessa segunda (29), pelo presidente da Cooperativa, Sanderson Oliveira, perante as Comissões técnicas do Legislativo itabunense. Atualmente, a cidade possui 505 mototaxistas regularizados.