Marco Wense

 

Esse confronto Otto versus PT já era esperado. Até as freiras do convento das Carmelitas sabiam que, mais cedo ou mais tarde, o pega-pega seria inevitável.

 

Davidson Magalhães, presidente do PCdoB da Bahia, foi mais um da base aliada do governo estadual a criticar a declaração do senador Otto Alencar, que chamou de “incoerentes” os parlamentares que votaram contra a reforma Previdenciária.

Davidson, que é também secretário do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, achou “injusta” a opinião do senador, que é presidente estadual do PSD e pré-candidato a governador na sucessão de 2022.

Otto condenou o fato de votarem a favor da mudança no sistema de aposentadoria do Estado e ser contra a reforma bolsonariana. O comunista rebateu dizendo que “as propostas do governo Bolsonaro e da gestão de Rui Costa são coisas completamente diferentes”.

Otto peitou o “Grupo dos 13”, formado por deputados federais do PT, PCdoB, PSB, PDT e PP. Todos com cargos no primeiro escalão do governo Rui Costa.

A firmeza do senador, cada vez mais se distanciando do petismo, foi elogiada pelos presidentes Jair Bolsonaro, Rodrigo Maia e ACM Neto, respectivamente da República, Câmara dos Deputados e DEM nacional.

De todo esse bafafá, ficou a forte impressão que Otto Alencar não iria girar sua metralhadora para 13 deputados da base sem saber qual seria a reação do governador Rui Costa. Não iria comprar uma briga com legendas aliadas para contrariar o chefe do Palácio de Ondina.

Nos bastidores, longe dos holofotes e do povão de Deus, o que se comenta é que Rui sabia que Otto iria criticar o “Grupo dos 13”.

A atitude de Otto é encarada como mais um passo para se distanciar do PT, que já decidiu que não abre mão de candidatura própria no pleito de 2022 para o governo do Estado.

Esse confronto Otto versus PT já era esperado. Até as freiras do convento das Carmelitas sabiam que, mais cedo ou mais tarde, o pega-pega seria inevitável.

PS – A segunda etapa do modesto Editorial do Wense vai até o número 200. Somados com os 300, um total de 500. Não vai ser fácil. Depois, quem sabe, um livro.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.