WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba

unesul bahia

uniftc






janeiro 2020
D S T Q Q S S
« dez    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

editorias


:: ‘Artigos’

CONSIGO MUDAR?

Jaciara Santos | contato@jaciarasantos.com.br

 

Ouça na essência o que essas pessoas responderão. Pode não ser fácil ouvir o que  elas têm a dizer, mas ouça. Analise bem as falas e se mais de três pessoas tiverem a mesma opinião, é preciso estar atendo a este sinal e começar imediatamente a transformação.

 

No último artigo, um dos pontos que abordei foi sobre a coragem para mudar. Mas afinal, isso é possível?

Já conheci algumas pessoas com dificuldade de se relacionar com o outro, mas uma delas me chamou atenção, pois se tratava de um ser humano extremamente individualista e que sempre proferia a expressão Eu não consigo mudar e quem quiser que me aceite como eu sou. Assim, esse cidadão foi isolando-se de tudo e de todos por causa dessa dificuldade em lidar com o próximo, considerando ser essa a melhor solução para seu “problema”.

Todavia, o primeiro passo para o desenvolvimento gradativo consiste em reconhecer a necessidade deste processo. Sim, trata-se de um movimento, algo que é feito de forma contínua, persistente e consciente.

Certa ocasião, deparei-me com uma situação muito constrangedora numa loja da minha cidade. Um “subgerente” tirano ofendia e ameaçava a colaboradora por causa de uma informação errada, que nem ela mesma sabia que estava errada, por conta de uma precificação equivocada. O fato que me fez refletir durante alguns dias. Será que esse “gestor” consegue mudar?

Minha mãe sabiamente me ensinou que, quando queremos muito uma coisa, se nos dedicarmos… conseguiremos. Como retrata muito bem a expressão popular “querer é poder”.  Nesta situação concordo com a afirmação.

Então, proponho o seguinte desafio como segundo passo :

  • Faça uma autoavaliação dos pontos de melhoria;
  • Um questionamento para as pessoas que te rodeiam, como por exemplo, família e colegas de trabalho, nos seguintes tópicos:
  • Quais são minhas qualidades ?
  • O que considera como meus defeitos?
  • Quero ser uma pessoa melhor, para isso preciso que me aponte os aspectos que preciso desenvolver.

Ouça na essência o que essas pessoas responderão. Pode não ser fácil ouvir o que  elas têm a dizer, mas ouça. Analise bem as falas e se mais de três pessoas tiverem a mesma opinião, é preciso estar atendo a este sinal e começar imediatamente a transformação. Depois disso, liste esses pontos e trace um plano para começar a melhorar, item por item.

Será fácil? Não sei! Depende do seu ponto de vista. Contudo, tenho certeza que será aprazível, pois te permitirá viver momentos melhores e de mais conexão com você e com o outro.

Findo minha reflexão com a afirmação: Sempre é tempo de mudar!  E reforço com a frase de Clarice Lispector que descreve: “O mais importante é a mudança, o movimento, o dinamismo, a energia. Só o que está morto não muda!”

Jaciara Santos é coach.

O GRANDE DESAFIO

Jaciara Santos

 

 

É preciso coragem para sair da zona de conforto, coragem para mudar, para parar, para crescer, para estudar, se aperfeiçoar e para ter sucesso. Nesse sentido, o incitamento aqui é encontrar a estabilidade. O ponto entre o parar e esperar e o prosseguir e caminhar.

Em uma das minhas andanças pelo mundo da leitura, deparei-me com um livro de Mario Sérgio Cortella que me movimentou para refletir, pensar nas minhas ações, atitudes e como posso melhorar e evoluir.

A sorte segue a coragem. Eis um livro que descreve sobre o imediatismo que se manifesta em muitas pessoas, inclusive em mim, mas também ressalta a importância de ter atitude e aproveitar as oportunidades. Eis, então o grande desafio, que é saber encontrar o ponto de equilíbrio.

Uma frase popular que minha tia Tânia sempre profere é “Tubarão que dorme a maré leva!”. Concordo com a expressão, mas tenho aprendido ao longo dos anos que o “dormir” às vezes nos dar força para prosseguir.

Num dos capítulos, encontrei uma frase de (Cervantes, Dom Quixote), que diz: “Retirar-se não é fugir, nem esperar é cordura, quando o perigo é maior do que se esperava; e é de sábios guardar-se de hoje para amanhã e não arriscar tudo num só dia”. Parar, renovar as forças, reconhecer que precisamos desse tempo para que possamos continuar com mais vigor e energia, não é fraqueza, é sinal de sabedoria. O ócio é sim necessário, algo que venho aprendendo.

Descansar a mente, corpo e a alma para fazer bem para nós e para os que estão ao nosso redor. Em contrapartida reforço a ideia que a passividade, ver o tempo passar esperando que as coisas melhorem, ficar sentado esperando os sonhos se realizarem também não é o melhor trajeto.

Pessoas que ficam estáticas, se lamentando e dizendo “Nossa que sorte ele/ela teve” precisam perceber que não é sorte. Pode até ter uma parcela do acaso, mas o acaso sem atitude não funciona. Não fique apenas protestando que Deus se esqueceu de você!

É preciso coragem para sair da zona de conforto, coragem para mudar, para parar, para crescer, para estudar, se aperfeiçoar e para ter sucesso. Nesse sentido, o incitamento aqui é encontrar a estabilidade. O ponto entre o parar e esperar e o prosseguir e caminhar.

Que em nossas vidas saibamos que existe tempo para tudo. E precisamos mesmo é de coragem em meios às dificuldades, desilusões, sucessos e insucessos. Coragem para prosseguir, independente do tamanho do público. Coragem para parar quando necessário. Coragem para saber que os sonhos são nossos e os únicos que podem lutar por eles somos nós mesmos.

Jaciara Santos é coach.

A CONVERSA DE FERNANDO GOMES COM RUI COSTA

Marco Wense

 

 

O governador vai tentar convencer Fernando de que o melhor caminho é um partido aliado do governo. Se o conselho não for seguido, o bom relacionamento com o neoaliado, que chegou até a colocar a estrela do PT do lado esquerdo do peito, tende a se esfriar.

 

O encontro do prefeito Fernando Gomes com o governador Rui Costa, tendo como pauta principal a sucessão de Itabuna, vem provocando uma avalanche de especulações e disse-me-disse.

A decisão do alcaide, que continua sem abrigo partidário, de disputar ou não à reeleição (ou o segundo mandato consecutivo) mexe com todo o pleito para o cobiçado comando do centro administrativo Firmino Alves.

Salta aos olhos, que não precisam ser do tamanho dos da coruja, que o processo sucessório com Fernando Gomes disputando o sexto mandato é um. Sem ele, outro completamente diferente.

As torcidas dos prefeituráveis caminham em sentidos opostos. Cito dois exemplos, sem dúvida os mais interessantes. O grupo de Mangabeira (PDT) quer Fernando como candidato. Já o do Capitão Azevedo (PL) reza todos os dias para que o atual gestor não tenha seu nome nas urnas eletrônicas.

Com Fernando na disputa, as chances do ex-prefeito Azevedo caem abruptamente. Ambos têm os mesmos redutos eleitorais, são políticos que pertencem ao campo do populismo. A polarização com Mangabeira é dada como favas contadas. O voto útil do antifernandismo vai ser direcionado para o pedetista.

Sem o experiente Fernando Gomes, Azevedo passa a ser o maior adversário de Mangabeira, que continua na frente nas pesquisas de intenções de voto e com um baixíssimo índice de rejeição, que, quando comparado aos de Fernando e Geraldo Simões, pré-candidato do PT, quase que não existe.

E a conversa de Fernando Gomes com Rui Costa? Eu diria que o chefe do Palácio de Ondina não anda nada satisfeito com a possibilidade do alcaide ir para uma legenda que não seja da base aliada, como o Republicanos do bispo e deputado federal Márcio Marinho, que apoia o governo soteropolitano de ACM Neto (DEM) e o prefeiturável Bruno Reis, também demista.

No evento que anunciou Bruno Reis como postulante do DEM à prefeitura de Salvador, Marinho afirmou, com todas as letras maiúsculas, que a legenda vai pleitear a vice do democrata. “O Republicanos faz parte da base do prefeito ACM Neto”, disse o parlamentar.

Ora, o governador, conversando com seus próprios botões, como diria o irreverente e polêmico jornalista Mino Carta, vai dizer mais ou menos assim: Fiz de tudo para alavancar a pré-candidatura dele (Fernando Gomes) e agora ele quer ir para uma legenda que me tem como adversário e que vai apoiar a candidatura de ACM Neto ao governo da Bahia na eleição de 2022.

Vale lembrar que Marinho, aqui em Itabuna representado por Lourival Vieira, presidente do diretório local, não cansa de dizer que quer distância do Partido dos Trabalhadores. O bispo da Igreja Universal é adepto fervoroso do “PT nunca mais”. Como não bastasse, já descartou qualquer tipo de aliança com Rui Costa.

O governador vai tentar convencer Fernando de que o melhor caminho é um partido aliado do governo. Se o conselho não for seguido, o bom relacionamento com o neoaliado, que chegou até a colocar a estrela do PT do lado esquerdo do peito, tende a se esfriar. Começam a aparecer as primeiras pulgas atrás das orelhas da autoridade máxima do Poder Executivo estadual.

No mais, esperar o resultado da conversa. Se eu fosse apostar, jogaria todas as fichas que Fernando Gomes não vai para o Republicano.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

NOVAS ATITUDES PARA UM NOVO ANO

Rosivaldo Pinheiro

 

 

As eleições municipais nos desafiarão na evolução das nossas cidades, exigindo que cada um seja agente de mudança. Que possamos exercer o “ser” para que possamos “ter” novos dias e um verdadeiro e próspero ano novo.

 

Estamos caminhando para o término do ano e a chegada de um novo. O ano que se encerra apresentou uma série de desafios na convivência social em função da polaridade que ficou evidenciada desde a disputa eleitoral presidencial em 2018, especialmente no ambiente virtual, espaço em que o descarrego do ódio foi ainda mais frequente. Parte da sociedade passou a se expressar de forma intolerante, e como se não bastasse, o ambiente beligerante é potencializado pela “espiral do ódio” – inúmeras manifestações do presidente da República, seus filhos e alguns subordinados, que travam uma guerra com quem ouse desafiá-los.

É preciso um exercício permanente de respeito ao livre pensar e ao contraditório, frutos maiores a serem cultivados e defendidos para que continuemos vivendo sob o manto democrático. Praticar um ambiente social mais harmônico onde o ser fraterno tenha notoriedade, possibilitando pontes para a paz cotidiana é imprescindível.

No plano municipal, vivemos reflexos do ambiente nacional, agravados pela falta de planejamento e escolha de prioridades por parte das administrações municipais (Itabuna e outras cidades, com as exceções que cabem à afirmação). As prioridades parecem ser estabelecidas a partir dos gabinetes “burrocráticos”, sem levar em conta o que pensa a maioria dos munícipes e as necessidades reais para melhoria da qualidade de vida na cidade.

Governar não é tarefa fácil, exige estabelecer diretrizes que atropelam interesses particulares e a adoção de ferramentas modernas para solucionar os conflitos existentes no espaço urbano. Adotar um plano de gestão que ajude a cidade a superar seus principais problemas exige ousadia, equidade, justiça social, eficiência, austeridade. Os recursos precisam ser otimizados e a máquina pública organizada com base na transparência.

Enfim, 2020 bate à porta. Será um ano de decisões importantes que necessitarão de novas atitudes. Precisamos seguir na direção de mudanças comportamentais, de olhares em relação ao outro, de respeito ao contraditório e da ampla defesa da cidadania. As eleições municipais nos desafiarão na evolução das nossas cidades, exigindo que cada um seja agente de mudança. Que possamos exercer o “ser” para que possamos “ter” novos dias e um verdadeiro e próspero ano novo.

Rosivaldo Pinheiro é economista e especialista em Planejamento de Cidades pela Uesc.

BELLINTANI, POLÍTICA E O BAHIA

Marco Wense

 

Agora é o próprio pré-candidato que reconhece que as especulações em torno do seu nome é fruto do reconhecimento do trabalho implantado no Bahia.

 

Não sei precisamente quando foi. Deve ter mais de 40 dias que fiz um editorial sobre a incursão de Guilherme Bellintani, presidente do Esporte Clube Bahia, no movediço e traiçoeiro mundo da política.

Bellintani, ainda sem partido, vem sendo sondado por diversas legendas para disputar a sucessão do cobiçado comando do Palácio Thomé de Souza. Conversou muito com o PSB da deputada federal Lídice da Mata, mas não decidiu nada. Com Bellintani é assim: adora ser procurado e cortejado.

Nos bastidores, o que se comenta é que o dirigente do tricolor de aço continua sendo o nome preferido do governador Rui Costa. O problema é o diretório local do PT, que defende, de maneira incisiva, uma candidatura genuinamente petista.

Lembro que fui criticado ao comentar que a pré-candidatura de Guilherme Bellintani só estava sendo cogitada, desejada por vários partidos e lideranças políticas, devido ao sucesso do Bahia no campeonato brasileiro. Foi um Deus nos acuda. Ainda bem que meu couro, politicamente falando, é de crocodilo, como dizia o saudoso jornalista Eduardo Anunciação na sua coluna Política, Gente, Poder, no Diário Bahia.

Disseram que eu estava misturando futebol com política e, maldosamente, insinuaram que meu comentário tinha a intenção de resumir e direcionar a capacidade de Bellintani exclusivamente ao time do Bahia.

Ontem, em pleno feriado de Natal, depois de um bom tempo em silêncio, Bellintani voltou a falar da sucessão de ACM Neto (DEM), da possibilidade de disputar a eleição de 2020.

Agora é o próprio pré-candidato que reconhece que as especulações em torno do seu nome é fruto do reconhecimento do trabalho implantado no Bahia. “Se o Bahia não estivesse bem, ninguém estaria especulando essas coisas”, diz Guilherme Bellintani.

Pois é. O prefeiturável Bellintani também concorda que o bom desempenho do Bahia no Campeonato Brasileiro foi imprescindível para colocá-lo no palco da sucessão soteropolitana.

Ora, se o Bahia fosse rebaixado ou ficasse em uma posição bem abaixo do esperado, Bellintani não seria convidado nem para uma candidatura a vereador.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

PDT E O GOVERNO RUI COSTA; AZEVEDO COM RENATO COMO VICE

Marco Wense

 

 

Azevedistas são da opinião de que Azevedo anda solitário, sem grupo político, que a aproximação com Renato Costa pode amenizar esse isolamento, em que pese a posição do capitão de segundo colocado nas pesquisas de intenções de voto.

 

O Partido Democrático Trabalhista, sob o comando do deputado federal Félix Mendonça Júnior, caminha a passos largos para deixar a base aliada do governador Rui Costa. É só uma questão de tempo.

A filiação de Leo Prates ao PDT, secretário de Saúde de Salvador, portanto do prefeito ACM Neto, é o começo do rompimento político entre petistas e pedetistas. Se o deputado estadual licenciado for o vice na chapa encabeçada pelo vice-prefeito Bruno Reis, pré-candidato ao Palácio Thomé de Souza, a consequência imediata é a saída da legenda da base aliada.

O próprio governador Rui Costa, ao ser questionado sobre a ida de Leo para o staff brizolista, disse que não garante a permanência da sigla em sua base, o que pressupõe que o PDT terá que entregar todos os cargos que tem na máquina governista.

Setores do Partido dos Trabalhadores, mais preocupados em indicar os companheiros para os cargos do que com a dissolução da aliança, vão pressionar o chefe do Palácio de Ondina. Querem que o PDT deixe imediatamente o governo.

É evidente que a aproximação do PDT com o DEM só faz sentindo se a conversa ficar amarrada para a eleição de 2022, se for boa para os dois lados. O PDT apoiando a candidatura de ACM Neto ao governo do Estado e, como contrapartida, não só o apoio de Neto como sua articulação para aproximar o DEM da pré-candidatura de Ciro Gomes. É bom lembrar que o alcaide soteropolitano é o presidente nacional do Partido do Democratas.

Politicamente falando, não restou outra saída para o PDT, se é que pretende levar Ciro para um segundo turno. A sigla teve que escolher entre procurar outro caminho ou ficar sendo eternamente coadjuvante do petismo baiano, adepto da farinha pouca, meu pirão primeiro, como diz a sabedoria popular.

O próximo imbróglio que o governador terá que resolver é com o PSD, que não abre mão do senador Otto Alencar disputando a sucessão estadual em 2022. O que se comenta nos bastidores é que existe um acordo entre o chefe do Executivo e o parlamentar. O problema é Jaques Wagner, cuja pré-candidatura é dada como favas contadas, sendo uma exigência do ex-presidente Lula, o petista-mor.

O importante é Ciro ter um palanque forte na Bahia, assim como o PT quer ter no Sul e Sudeste do país.

RENATO COSTA COMO VICE

Correligionários mais próximos do capitão Azevedo, prefeiturável do PL à prefeitura de Itabuna, querem Renato Costa, presidente do PSB local, como vice do militar.

Azevedo e o pré-candidato do PDT, Antônio Mangabeira, não participam da chamada “Frente Para Salvar Itabuna”, que tem na coordenação o petista Geraldo Simões, ex-gestor de Itabuna e também postulante ao centro administrativo Firmino Alves.

A frente é composta pelo PCdoB de Davidson Magalhães, PSD do ex-tucano Augusto Castro, PSB de Renato Costa e, obviamente, o PT presidido pelo ceplaqueano Jackson Moreira. :: LEIA MAIS »

A REBELDIA DE RUI COSTA

Marco Wense

São outros tempos no ambiente do Partido dos Trabalhadores. O governador da Bahia, Rui Costa, vem protagonizando essa mudança, hasteando a bandeira de que o PT precisa fazer uma urgente e profunda reflexão.

 

 

Em nova entrevista, agora na Folha de São Paulo, edição de ontem, sábado (14), o morador mais ilustre do Palácio de Ondina mostrou mais uma vez sua insatisfação com o PT, principalmente com o lulopetismo.

Rui já tinha deixado o ex-presidente Lula irritado quando disse que a defesa do movimento “Lula Livre” não poderia condicionar as alianças com outras legendas. O senador Jaques Wagner impediu uma tomada de posição mais dura da cúpula nacional do petismo, tendo na linha de frente a incendiária Gleisi Hoffamann. Até um possível pedido de expulsão foi ventilado.

O mandatário-mor do quarto colégio eleitoral do Brasil, que se reelegeu no primeiro turno com mais de 75% dos votos válidos, diz que Lula “precisa pregar a pacificação do país”, que o partido “deve ajustar o discurso”, que “a radicalização é um mal”, que os petistas erram ao “condenar investimento privado na área social”. Como não bastasse, Rui joga parte da culpa pela situação econômica no colo da ex-presidente Dilma Rousseff. “É evidente que estamos vindo de cinco anos de recessão”, diz o rebelde governador.

Pois é. Enquanto Rui conquistou o segundo mandato consecutivo com uma invejável votação, Fernando Haddad sequer foi para o segundo turno na tentativa de continuar no cargo de prefeito de São Paulo. O preferido de Lula, chamado de “poste” na última eleição presidencial, perdeu em todas as urnas.

Rui faz também uma crítica a Lula quando deixa claro que o PT deve apoiar candidatos da base aliada que estejam melhor colocados nas pesquisas de intenções de voto nas sucessões municipais, dando assim um chega pra lá na soberba lulista. “O PT não é partido de apoio”, disse Lula quando saiu da cadeia.

É evidente que a legítima pretensão de Rui de ser o candidato do PT à presidência da República ficou mais complicada. Nos bastidores da alta cúpula petista, o que se comenta é que o ex-presidente ficou retado da vida com o “companheiro”. Já é a terceira vez que o governador da Bahia faz declarações que terminam deixando Lula irritado.

Os meios de comunicação ligados ao ex-presidente saíram em sua defesa. O blog Cidadania, por exemplo, estampou a seguinte manchete: “RUI COSTA ACHA QUE PODE DAR LIÇÃO A LULA”.

Toda vez que tem esse pega-pega do governador da Bahia com o comando nacional da legenda, vem à tona a conversa de que Rui Costa pode deixar o PT, que seu destino seria o PSB. Há quem diga que essa articulação vem sendo trabalhada, costurada em doses homeopáticas. Nem a deputada federal Lídice da Mata, presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro, tem conhecimento.

Qual será a próxima rebeldia de Rui Costa? Essa é a pergunta que mais se ouve no lulopetismo.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

PROTESTANTES X CATÓLICOS = INTOLERÂNCIA

Walmir Rosário

 

 

Seria ridículo Canavieiras ser apontada como a cidade da cisma, em que é promovido um festejo de Natal para os evangélicos e outro exclusivamente para os católicos. Canavieiras é uma sociedade civilizada e não há que falarmos em precedentes deste tipo, a exemplo do que aconteceu nos anos 1950, quando houve um embate entre as igrejas Presbiteriana e Católica, que se digladiaram pelos serviços de alto-falantes.

 

Me chamou a atenção um cartaz digital com a publicidade do Natal Iluminado, evento promovido pela Prefeitura de Canavieiras para celebrar a vinda à terra do Deus Menino Jesus Cristo. No cartaz, o anúncio de diversas apresentações de corais de algumas igrejas protestantes, dos alunos da Apae, Percussão Ouro Negro, Grupo de Capoeira e mais quem de direito, menos de grupos da Igreja Católica.

Mesmo com a memória fraca, decorrente dos anos vividos, consegui lembrar de um pega pra capar nos festejos natalinos do ano passado, também promovido pela Prefeitura de Canavieiras. A bem da verdade, na festa anterior foram convidados os grupos católicos para abrilhantarem o evento, porém nesse dia a prefeitura não disponibilizou o som e nem equipe de apoio, como fez nos outros dias.

Resultado, o grupo deixou a praça da Bandeira (sítio do evento) sem se apresentar, o que gerou um desconforto entre os organizadores e os participantes dos grupos musicais da Igreja Matriz de São Boaventura. À época, segundo contam os mais chegados entre os dois lados, a culpa seria de um tal de “Secretário da Maldade”, com o que não concordo, pois quem tem mandato e manda de verdade é o prefeito.

Neste ano, esperavam que o clima estivesse ameno e que tudo correria bem, como mandam os manuais de etiqueta e bom relacionamento, o que não ocorreu, causando outro desconforto. De um lado, a Igreja Católica, que sem ser convidada teria prometido um evento paralelo na praça São Boaventura (em frente a igreja), o que não deve ocorrer sem a licença do prefeito, que professa uma das correntes protestantes.

Pelo que consta, nessa queda de braço existem os resquícios de um entrevero entre o prefeito o padre, por ocasião dos festejos consagrados a São Boaventura, padroeiro de Canavieiras. À época, o comentário geral seria a indisposição do prefeito em contribuir generosamente para a produção da maior festa da cidade, quebrando uma tradição secular no relacionamento entre o poder público municipal e o eclesiástico.

E a demonstrada atitude do prefeito de Canavieiras beira à intolerância religiosa, comportamento bastante criticado e rejeitado pela sociedade atual, mas que está presente em várias partes do mundo, inclusive no Brasil. Sabedores que somos da condição do Estado Laico, os eventos religiosos não devem ser priorizados ou privilegiados apenas para as religiões protestantes, como quer o prefeito, pois não existe primazia.

É condenável o procedimento do prefeito, que nos remete ao século XVI, quando se deu o rompimento de segmentos da Igreja Católica, por questões de crença na Bíblia e no poder de liderança do Papa, o que não a questão de hoje. Não se questionam a quantidade dos sacramentos, muito menos a venda de indulgências para a obtenção do perdão dos pecados, o que são muitos e terríveis.

Essa pendenga não tem como objetivo saber se para ter um lugar no céu é preciso apenas ter fé em Deus ou simplesmente praticar boas ações durante nossa estada neste planeta terra. Tampouco falam ou lembram as 95 teses de Martinho Lutero que causaram o rompimento com a Igreja Católica, iniciando, assim a Reforma Protestante. Não, o mote da questão é simplesmente intolerância religiosa.

A bem da verdade, o ponto negativo da questiúncula canavieirense é o acirramento de um bate-boca entre irmãos cristãos, tema que deve ser totalmente desconhecido para o prefeito, “cristão novo”, nas messes protestantes. Sua atitude chega a destoar entre os fiéis da própria igreja a que frequenta, por não conhecer os ensinamentos do Evangelho que prega o amor ao próximo.

Além do sentimento religioso que o prefeito teima em desconhecer, existe, ainda, o aspecto de civilidade, no qual toda a sociedade convive de forma harmoniosa, respeitando as culturas e religiosidade de cada um. As pessoas não cumprimentam apenas o seu irmão de igreja, eles convivem familiarmente de forma harmoniosa, negociam, se ajudam e até votam em candidatos que professam religião diferente, como os votos que o prefeito recebeu.

Seria ridículo Canavieiras ser apontada como a cidade da cisma, em que é promovido um festejo de Natal para os evangélicos e outro exclusivamente para os católicos. Canavieiras é uma sociedade civilizada e não há que falarmos em precedentes deste tipo, a exemplo do que aconteceu nos anos 1950, quando houve um embate entre as igrejas Presbiteriana e Católica, que se digladiaram pelos serviços de alto-falantes.

Quem assim procede não é seguidor de Cristo, não conhece os ensinamentos do evangelho, verdadeira fonte de sabedoria e santidade.

Walmir Rosário é jornalista, radialista e advogado.

“O POVO DE SALVADOR É MUITO EDUCADO, MAS É FEIO!”

Ailton Silva | ailtonregiao@gmail.com

 

 

A senhora, na tentativa de justificar o “povo feio”, fez um rodeio, afirmando que o povo da região dela, o Sudeste brasileiro, é mal educado e não tão confiável quanto o morador de Salvador. Quando, finalmente, respondeu: “você é bonitinha”. Maria retrucou: “eu sou uma feia melhorada?”

 

Retornando de um compromisso em Recife, na noite de segunda-feira (2), desembarco no Aeroporto Glauber Rocha, em Vitória da Conquista, no sudoeste da Bahia, e sigo para a rodoviária, onde, por mais de três horas, esperei o ônibus com destino a Itabuna. Antes da chegada do transporte, encontrei os personagens do relato que faço a seguir.

No terminal rodoviário, sento-me em uma das cadeiras, de costas para duas mulheres e ao lado de uma terceira (não por falta de educação, mas forçado pela maneira como elas, as cadeiras, são disponibilizadas na área de embarque). De repente, uma delas, uma senhora de pele branca, durante uma conversa sobre a hospitalidade do baiano, soltou: “gosto de Salvador, porque o povo de lá é muito educado, prestativo, como em poucos lugares que conheço”.

 A conversa seguia num rumo tranquilo até aquele elogio. Mas mudou quando a mulher, a senhora de pele branca, fez uma ressalva: “Mas ô povo feio é aquele de Salvador, nunca vi igual!”

Maria, uma jovem negra que estava ao meu lado, moradora de Camaçari, na Região Metropolitana, que até não participava da conversa, questionou: “Como assim?” A senhora respondeu, de pronto: “um povo desarrumado, que se veste de qualquer jeito, as mulheres não usam salto, não são elegantes”.

Incomodada, a jovem retrucou: “A senhora quer que as mulheres subam e desçam os morros de salto para trabalhar? Quer que as pessoas retornem bem vestidas da praia? Algumas regiões de Salvador não permitem a nós, mulheres, caminharmos de salto alto. Depois, é uma cidade praiana, com muitos turistas”, explicou.

A senhora não se deu por vencida. Rebateu: “As mulheres têm o cabelo desarrumado. Na verdade, elas não se cuidam mesmo”. Maria rebateu: “Assim como meu cabelo, natural?”.

O debate se acirrava, quando uma terceira mulher, com a qual a senhora tinha iniciado a conversa, fez uma ponderação com Maria: “deixa isso para lá”. Maria respondeu que não poderia ouvir calada qualquer tipo de desrespeito ao povo baiano e, virando-se para a senhora que acha o povo de Salvador educado, mas feio, perguntou: “no seu conceito de beleza, eu sou?”

A senhora, na tentativa de justificar o “povo feio”, fez um rodeio, afirmando que o povo da região dela, o Sudeste brasileiro, é mal educado e não tão confiável quanto o morador de Salvador. Quando, finalmente, respondeu: “você é bonitinha”. Maria retrucou: “eu sou uma feia melhorada?”

A senhora decidiu, então fazer uma comparação, agora entre os moradores de Salvador e Vitória da Conquista: “Eu gosto daqui, mas o povo não é educado, é metido a rico, acha-se superior”.  Maria mais uma vez interveio: “O povo do Nordeste é educado e bonito”.

Naquele momento, entrei na conversa, sem ser convidado, para testemunhar o que a jovem acabara de afirmar. Relatei que sempre fui muito bem recebido nos 7 dos 9 estados do Nordeste onde andei. Citei, inclusive, experiências vividas em Alagoas, Rio Grande do Norte, Ceará e Pernambuco. Lembrei ainda que beleza é subjetiva (ou seja: belo é relativo). O debate foi encerrado assim.

Para mim, o povo brasileiro é lindo e educado – com ressalvas, não sobre a beleza, mas quanto à falta de  educação e ao desrespeito de alguns -, mas hospitaleiro como o nordestino eu não conheço. Ah, o nome da senhora nem fiz questão de saber! O da jovem, sim! É Maria!

Ailton Silva é jornalista e um dos editores deste site.

CEPLAC 62 X 61 INSTITUTO DE CACAU

Tyrone Perrucho

 

Hoje, quando a Ceplac ultrapassa em um ano a idade com que foi sepultado o coirmão Instituto de Cacau, estaria ela em vias de desencarnar, vítima de falência múltipla em seu já debilitado corpo?

 

 

Outrora um órgão moderno e pujante, a esvaziada Ceplac dos últimos tempos carrega nas costas, já cambaleante, o peso dos seus 62 anos de vida, criada que foi em 1957.

Criado em 1931, o Instituto de Cacau da Bahia foi também, em seus primeiros tempos, um eficiente órgão prestador de serviços à região, e que terminou extinto em 1992, aos 61 anos de existência.

Então, ao tempo em que vivenciamos os 62 anos da Ceplac, vêm à memória lembranças do falecido Instituto de Cacau, sepultado aos 61 anos. Vem daí, o título deste artiguete.

Pode ele ser tomado como um textinho insólito, ou descabido, mas que não passa em verdade de uma simplista elucubração sobre os dois instrumentos de governo que permearam os últimos 88 anos desta região (1931-2019).

Quando se emitiu o atestado de óbito do Instituto de Cacau em 1992, ele já era, há tempos, uma espécie de zumbi, um organismo morto com a aparência de vivo, sinais vitais irremediavelmente comprometidos.

Hoje, quando a Ceplac ultrapassa em um ano a idade com que foi sepultado o coirmão Instituto de Cacau, estaria ela em vias de desencarnar, vítima de falência múltipla em seu já debilitado corpo?

Sei de ceplaqueanos que já lavaram as mãos, dizendo-se desiludidos com o rumo das coisas. Sei também de outros que, ainda na ativa, têm esperanças de reversão dessa marcha batida para o fim.

Num e noutro grupo há gente capacitada para conceber uma nova Ceplac, afinada aos novos tempos. Mas seria mesmo o caso, nesses tempos bicudos de hoje, de se propor uma nova Ceplac? Ou de se fazer o que já se fez com boa parte de seu quadro de pessoal, acoplá-lo a outros órgãos? E aí esses outros órgãos, que já atuam Brasil afora, incorporariam nossa região às suas jurisdições?

Por que vejo hoje a Ceplac capengando nos seus 62 anos é que me ocorre que foi, aos 61 anos, que se fez o funeral do saudoso Instituto de Cacau.

Uma coisa tem a ver com a outra? Ou não tem?

Em tempo: Me desliguei da Ceplac por aposentadoria após 30 anos de trabalho. Isso já faz 25 anos e até hoje, não poderia ser diferente, ela está presente em mim. Confesso que sinto saudades daquele tempo e abatimento com o que vejo, sinto e sofro hoje.

Tyrone Perrucho é ceplaqueano e jornalista aposentado.

A IMPORTÂNCIA DO PSICÓLOGO NOS TRANSTORNOS PSICOLÓGICOS

Carolina Loureiro | caro.loureiro@hotmail.com

 

 

Quando se fala em psicologia atual e transtornos psicológicos no século XXI, é preciso falar sobre depressão, ansiedade, síndrome do pânico e distúrbios alimentares. Estes são os que mais acometem pessoas de todas as idades ao redor de todo o planeta.

 

Na sociedade atual, o nível de exigência aumentou; consumo, padrões, trabalho, sucesso e objetivos a serem cumpridos de forma rápida. Como consequência para tal situação, as pessoas passaram a trabalhar freneticamente para alcançar essas exigências, um esforço que vai além do possível e do saudável.

A situação exposta torna comum em diversas pessoas, o surgimento de sintomas, como ansiedade, estresse, compulsão alimentar e pânico, entre outros. Para lidar com esses transtornos, é extremamente importante a busca por um psicólogo. Ele irá olhar para o indivíduo de forma integral, para compreender o sujeito em sua dimensão biológica, psicológica e social, auxiliando o mesmo na busca por autoconhecimento.

Quando se fala em psicologia atual e transtornos psicológicos no século XXI, é preciso falar sobre depressão, ansiedade, síndrome do pânico e distúrbios alimentares. Estes são os que mais acometem pessoas de todas as idades ao redor de todo o planeta. Vale ressaltar que um transtorno pode desencadear outro e um indivíduo apenas pode sofrer com todos eles.

A depressão é um transtorno emocional que cresce em todo o mundo, atualmente atinge cerca de 11,5 milhões de brasileiros, o que deixa o país na liderança de maior registro dos casos na América Latina, segundo dados divulgados pela Organização Mundial da Saúde.

A ansiedade já é considerada o mal do século. É a partir dela que surge a síndrome do pânico. Já os distúrbios alimentares têm o seu início, principalmente na adolescência e no começo da adulta, eles estão relacionados a uma série de consequências psicológicas e pressões sociais para o chamado ‘corpo perfeito’.

De acordo com especialistas da área, os preconceitos e estigmas enraizados aos transtornos psicológicos colaboram para a evolução das doenças, já que muitas vezes o problema é mal interpretado, encarado como algo simples e momentâneo.

O papel do psicólogo neste tipo de tratamento é encontrar meios de ajudar o paciente, orientando-o a buscar alternativas para amenizar as características e os alicerces que permeiam os transtornos. Na maioria dos casos, o acompanhamento por meio de consultas pode melhorar ou até mesmo cessar os sintomas, a frequência é
necessária, a não desistência do tratamento é indispensável.

Carolina Loureiro é psicóloga, especialista em gestão de pessoas e psicologia organizacional, especialista em avaliação psicológica e membro da Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica.

A AMURC E OS SEUS 35 ANOS DE LUTA MUNICIPALISTA

Viviane Cabral

 

 

A Amurc é uma associação que contribui para o fortalecimento dos municípios, dos gestores públicos, dos secretários municipais, das lideranças políticas e não políticas à manter a esperança viva de que o Municipalismo não pode ser esquecido.

 

A Associação dos municípios do Sul, Extremo Sul e Sudoeste Baiano (Amurc) completa 35 anos de fundação nesta quarta-feira, 21, com a missão fortalecer o municipalismo, tornando-o democrático e inovador, contribuindo para eficiência, eficácia, efetividade e excelência da Gestão Pública Municipal.

Ao longo desses anos, a entidade tem se estabelecido como um espaço de defesa do Poder Público Municipal, no qual a população é a maior beneficiada, tendo em vista que é por meio de uma Associação que a comunidade se fortalece e tem grandes chances de alcançar os objetivos comuns.

Idealizada com o objetivo inicial de representar os municípios produtores de cacau da região sul da Bahia, a Amurc extrapolou os limites territoriais e de ideias para pensar em soluções sobre os entraves em comuns que afetam os municípios. Nesse aspecto, o munícipe ganha um aliado forte na luta por mais investimentos em políticas públicas, que são capitaneados pelo Estado e pela União.

Todo esse contexto levou a entidade a encampar e defender lutas que são fundamentais para o fortalecimento de uma região com tantas riquezas econômicas, culturais e turísticas. A criação da Região Metropolitana do Sul da Bahia, por exemplo, se apresenta como um instrumento eficaz para o desenvolvimento sustentável dos municípios e de suas potencialidades. Os Consórcios Públicos Municipais, tanto os multifinalitários, quanto o de saúde, surgem na esteira de ser os braços do Executivo e a Associação, o corpo político em prol dos municípios.

Ainda fazem parte do contexto de lutas e discussões, a instalação de equipamentos importantes para a região, a exemplo do Complexo Intermodal do Porto Sul, o projeto de Duplicação da BR-415, dentre outros investimentos. Ao mesmo tempo, a entidade discute a agregação de valor às diversas cadeias produtivas da região, que contribui para o desenvolvimento local, seja no segmento agrícola, industrial, comercial e de serviços.

A Amurc é uma associação que contribui para o fortalecimento dos municípios, dos gestores públicos, dos secretários municipais, das lideranças políticas e não políticas à manter a esperança viva de que o Municipalismo não pode ser esquecido, e que é uma luta não só de quem tá na gestão, mas de todos que aqueles que acreditam que a vida na gestão pública acontece nos municípios.

Aos servidores municipais, a entidade tem promovido uma série de formações e capacitações, que são legitimadas pelo Pró-reitoria de Extensão da Universidade Estadual de Santa Cruz (Uesc), através do Programa de Apoio Gerencial e Institucional às Prefeituras do Território Litoral Sul. São ações que contribuem para o desenvolvimento das áreas de educação, saúde, assistência social, comunicação, agricultura e meio ambiente.

No contexto nacional, a Amurc, juntamente com a Confederação Nacional dos Municípios -(CNM), a União dos Municípios da Bahia (UPB), parlamentares e prefeitos da região tem lutado pelo aumento no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que, nos últimos anos, tem apresentado uma diminuição considerada.

Em todas as esferas, a Associação tem atuado de forma conjunta com a sociedade civil organizada para que a região consiga atingir o Índice de Educação Básica estipulado pelo Ministério da Educação, democratizar os serviços de saúde e assistência social para todo o cidadão, enfim, atender a população de forma equânime nas áreas de segurança, saneamento básico, infraestrutura e tudo mais que é direito constitucional.

Viviane Cabral é jornalista, especialista em Comunicação Organizacional e assessora de Comunicação da Amurc.

“NENHUM HOMEM É UMA ILHA”

Durval Pereira da França Filho

 

 

É perceptível a alegria e a emoção estampadas no rosto daqueles que, satisfatoriamente, concluem o tratamento, tocam o sino e são aplaudidos pelos que ficam. Faz lembrar as palavras do clérigo e escritor inglês John Donne (1572-1631), em um texto intitulado Por quem os sinos dobram que, tempos depois, inspirou o escritor norte-americano Ernest Hemingway (1899-1961) a produzir romance homônimo.

 

Decorridos sete anos de uma cirurgia para a remoção de um câncer de próstata, tive que submeter-me a 35 sessões de radioterapia no Centro de Radioterapia de Itabuna, da Santa Casa de Misericórdia, anexo ao Hospital Manoel Novaes, para tratar (ou prevenir) uma possível recidiva do tumor. Compreendidas no período de pouco mais dois meses (22.09 a 25.11 de 2019), essas sessões deveriam ter sido encerradas logo no início de novembro, mas circunstâncias de ordem infraestrutural fizeram com que o tratamento se prolongasse por mais alguns dias.

O Centro de Radioterapia de Itabuna é uma referência para todo o Sul, Baixo Sul e Extremo Sul da Bahia, seja pelo bom relacionamento de sua equipe multidisciplinar com os pacientes, seja pelo alto nível de competência e sociabilidade desses funcionários Nesse contexto, podemos citar: administradores, médicos, assistente social, psicólogos, recepcionistas, enfermeiros e técnicos de enfermagem e de radioterapia, e o pessoal responsável pela limpeza e higienização. São todos merecedores de nota 10, se avaliados.

A doença avilta, degrada, humilha os pacientes, mas o trabalho eficiente dos profissionais, as mensagens de encorajamento daqueles que foram curados, das psicólogas (formandas) e dos grupos religiosos (católicos e evangélicos/protestantes) que visitam o ambiente restauram a dignidade, trazem de volta a esperança e descortinam novos horizontes a esses sofredores.

Ali pude ver pacientes dos municípios: Arataca, Aurelino Leal, Barro Preto, Buerarema, Camacã, Canavieiras, Coaraci, Eunápolis, Floresta Azul, Gongogi, Ibirapitanga, Itapebi, Itamaraju, Ibirataia, Ilhéus, Itabuna, Ibicaraí, Iguaí, Ipiaú, Itagibá, Itajuípe, Jequié, Jitaúna, Maraú, Porto Seguro, Prado, Santa Cruz da Vitória, Ubaitaba, Ubatã. Cada um deles, de perto ou de longe, com sua história, com sua dor e com sua esperança, mas todos encontram atenção e apoio da parte dos profissionais.

Vieram-me à mente as palavras do sofista grego Protágoras de Abdera, que viveu no V século antes de Cristo, ao expressar a noção do relativismo, de como cada pessoa compreende a realidade de sua maneira específica: “O homem é a medida de todas as coisas, das que são enquanto são e das que não são enquanto não são”. Essa construção, aparentemente sem sentido, traz a ideia de que tudo deve ser definido e medido pelo homem e para o homem, através dos sentidos e da interpretação que as pessoas fazem a respeito das coisas, de acordo com suas experiências pessoais e seu conhecimento.

Embora a frase não tenha em si um conceito científico, fica evidente que as medidas das coisas são concebidas pelo homem e para o homem. Assim, o hospital, as salas, os aparelhos, o Centro de Radioterapia, tudo foi feito pelo homem e para o homem, com medidas que atendam a todos que se encontram ali. Aí também está presente uma ideia de nivelamento: todos são iguais.

Contudo, há um aspecto de ordem infraestrutural que tem incomodado os pacientes, principalmente os mais abatidos e os de mais longe: as constantes quebras do principal aparelho do centro de tratamento, o chamado acelerador linear. Muitos desses pacientes (no sentido mais amplo da palavra), cansados pela viagem, pelo desgaste emocional, pela frustração de delongar o tratamento, ficam desalentados com a dor de sua dor.

Vale aqui o esclarecimento de que, embora o problema seja de ordem técnica, em princípio, envolve muito mais uma questão de ordem político-administrativa, já que o Centro de Radioterapia de Itabuna atende a muitos municípios da região, como foi dito acima. A queda de braço entre Santa Casa de Misericórdia e governos do município de Itabuna e do Estado pouco interessa aos pacientes, especialmente aos mais carentes, aviltados pela situação social, humilhados ‘pela doença, degradados pela penúria. Todos querem apenas ser tratados.

É perceptível a alegria e a emoção estampadas no rosto daqueles que, satisfatoriamente, concluem o tratamento, tocam o sino e são aplaudidos pelos que ficam. Faz lembrar as palavras do clérigo e escritor inglês John Donne (1572-1631), em um texto intitulado Por quem os sinos dobram que, tempos depois, inspirou o escritor norte-americano Ernest Hemingway (1899-1961) a produzir romance homônimo.

“Nenhum homem é uma ilha isolada; cada homem é uma partícula do continente, uma parte da terra…; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não perguntes por quem os sinos dobram; eles dobram por ti”.

prática do toque do sino é um sinal de vitória, mas o seu significado vai muito mais além, se recorremos a Protágoras de Abdera, na Grécia antiga, que relativizava a ideia de que o homem é a medida de todas as coisas, ou, muitos séculos depois, a ideia de John Donne de que todos nós fazemos parte do gênero humano e, por isso mesmo, sofremos as mesas dores, as mesmas angústias, as mesmas frustrações, mas também podemos alcançar as mesmas vitórias.

Durval Pereira da França Filho é historiador.

LULA LIVRE MUDA O PRESENTE E DEIXA O FUTURO COMO UM PAPEL EM BRANCO

Jerberson Josué

 

O tempo dirá se Lula triunfará diante das tentativas de seus opositores de tentar mudar o Código Penal brasileiro para usar politicamente, ou se a direita se recuperando abate novamente a maior liderança popular política do mundo.

 

 

Após a saída do ex-presidente Lula da prisão, o cenário político brasileiro muda completamente. Primeiro, o governo Bolsonaro agora tem um adversário com vasta experiência em fazer oposição e com uma militância aguerrida para fazer repercutir suas vontades e estratégias políticas.

Já no primeiro discurso, Lula mostrou um pequeno arsenal em forma de oratória e críticas aos atos do governo e de parte da imprensa. Só em anunciar que iria rodar o Brasil, já deixou a esquerda – e em especial o PT – eufórica. E a direita, o governo e quem o odeia, em estado de apreensão. Sentiram o golpe ao correrem ao Congresso na tentativa de tirar da gaveta velhos projetos que tentam mudar o Código Penal e até a Constituição, essa última menos provável.

Parte da imprensa tentar construir uma narrativa que jogue a sociedade contra o Congresso tentando pressioná-los a aceitar uma mudança rápida. O motivo é puramente político e nada tem a ver com corrupção ou justiça.

Os opositores de Lula sabem que o poder de convencimento e sedução do ex-presidente Lula é eficiente e encontra terreno fértil diante de argumentos sobre suas ações e situação que pegou e deixou o país ao sair da presidência após 8 anos de governo com 90% de aprovação e tantos êxitos na economia e em projetos de transferência de rede.

Lula, de forma assertiva, inicia pelo Nordeste sua caravana. E já pela Bahia, onde tem maiores níveis de aprovação e onde o PT governa há 13 anos e com exitoso projeto com eleições e reeleições de Wagner e Rui. O último com 75% dos votos válidos na disputa. A avaliação do governador Rui Costa bate a casa dos 80%. O agora senador Wagner, teve a maior votação da história de um senador no norte Nordeste brasileiro. Ou seja, o time de Lula na Bahia é implacável com os adversários nas disputas estaduais. Até aqui.

Lula chega na Bahia com um clima positivo e enche de força sua militância, a esquerda e o PT. As suas andanças podem fortalecer projetos eleitorais da esquerda e do PT, onde quer que ele passe, já para a eleição de prefeito em 2020.

Em Ilhéus e Itabuna, um caso aparte. Uma relação pessoal do ex-prefeito Geraldo Simões, que sonha em voltar a dirigir o município grapiúna, com o ex-presidente pode ser fundamental na garantia de boa disputa. Em Ilhéus, o empresário Nilton Cruz é o pré-candidato do PT na eleição a prefeito em 2020. E também tem laços íntimos com Lula e a cúpula nacional do partido.

Em Salvador, os petistas também já se movimentam no intuito de ter uma candidatura na cidade onde Lula é altamente popular e seria uma cabo eleitoral fantástico. Em centenas de cidades do Brasil, a esquerda e o PT podem virar o jogo diante da derrota no pleito nacional de 2018 e eleger prefeitos nas principais cidades do Brasil, em especial no Norte e no Nordeste.

Voltando ao Lula, um incrível poder de aglutinação em torno de sua figura causa frio na barriga dos adversários e arrasta multidões apaixonadas em sua volta. Para 2022 ainda é cedo para se cogitar algo. Mas, para as eleições de prefeitos e na reorganização das oposições, é um fato consumado dizer que Lula mudou TUDO.

O tempo dirá se Lula triunfará diante das tentativas de seus opositores de tentar mudar o Código Penal brasileiro para usar politicamente, ou se a direita se recuperando abate novamente a maior liderança popular política do mundo.

Importante ficar atento aos resultados da economia. Isso será fundamental para qualquer projeção de qualquer grupo político. Lulismo e antilulismo terão reflexos nos resultados da economia. Conta contra o governo Bolsonaro as peripécias da Família Bolsonaro. Lula livre traz, inegavelmente, uma influência na política brasileira.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

WAGNER SE CONSOLIDA COMO O MAIOR ARTICULISTA PARA ELEIÇÕES BAIANAS DE 2022

Jerberson Josué

 

 

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal.

 

O senador Jaques Wagner é, reconhecidamente, incansável em suas movimentações políticas e este fato resultou na convergência de um arco de alianças entre correntes internas do PT, que acabou elegendo um aliado seu para o comando do partido no estado, Eden Valadares, embora o grupo do deputado federal licenciado, Josias Gomes, seja mais sólido e detenha prerrogativas para debates e decisões da Executiva do partido.

O placar ficou 14 a 12 pra o ampliado grupo de Wagner, na Executiva Estadual do PT. Quase que simultaneamente, um movimento assertivo foi feito e o nome do ex-governador Wagner virou quase que unanimidade na base e um trunfo internamente no PT. Foi praticamente alijada qualquer possibilidade de convergência à candidatura majoritária do senador Otto Alencar (PSD), para unificação do situacionismo na sucessão de Rui Costa.

Até o deputado federal Otto filho (PSD) considera impertinente o alinhamento do PSD ao grupo da oposição, tendo em vista os laços do prefeito de Salvador, ACM Neto (DEM), com o governo do presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Os petistas propõem para as eleições de 2022 uma chapa com Wagner governador, tendo um pepista como vice e Otto assegurado na chapa para reeleição ao Senado Federal. Para os aliados do PSB e PC do B, os esforços sinalizariam para viabilizar-se a eleição de um maior número de seus representantes para o Congresso Nacional e Assembleia Legislativa da Bahia.

Este processo eleitoral tem sido, meticulosamente, bem articulado e capitaneado pelo habilidoso Jaques Wagner. Sua desenvoltura assegura favoritismo para a permanência do petismo no comando de mais quatro anos de governo estadual na Bahia e tem merecido reconhecimento, até de adversários políticos, e este é o caso do senador Flávio Bolsonaro, que vê em Wagner um dos mais inteligentes políticos do país.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.

PARTIDOS, PESQUISAS E OS PREFEITURÁVEIS

Marco Wense

 

 

Usando uma tabela de 1 a 10, diria que a arrumação da sucessão municipal de 2020 está em 3. Muita água para passar sob as pontes do rio Cachoeira, limpa e suja.

 

 

Tudo dentro do esperado. Nada de anormal que possa causar espanto ou qualquer outra reação de sobressalto, de ficar atônito, estupefato diante dos fatos.

Não é essa eleição de 2020, para escolha de novos prefeitos ou a permanência de quem já é no cargo, via instituto da reeleição, que vai ser diferente. As estratégias não mudaram, seguem o mesmo bê-a-bá.

São vários pré-candidatos a prefeito. Itabuna, por exemplo, no sul da Bahia, já tem 15 postulantes ao cobiçado Centro Administrativo Firmino Alves. Até o atual alcaide, Fernando Gomes, um ex-demista a procura de uma legenda, com um índice de rejeição gigantesco, beirando os 75%, pretende disputar o pleito.

Partido que não tem prefeiturável fica fora da mídia, do oba-oba do processo sucessório, sequer é lembrado. É bom ter um nome, mesmo que seja de mentirinha. O “mentirinha” termina sendo uma “moeda de troca”, geralmente com o tempo que a legenda dispõe no horário eleitoral.

E se o pré-candidato não empolgar? Alguns são logo defenestrados, sem dó e piedade, pelo comando estadual do partido. Outros dão mais sortes, são oferecidos como vice na composição da chapa majoritária. Tem também os que procuram o caminho do Legislativo, buscando uma vaga na Câmara de Vereadores.

São as pesquisas de intenções de voto, não qualquer uma, mas de instituto de credibilidade, que vão definir as coligações e quem vai encabeçar a majoritária. Pré-candidato que não alcançar uma pontuação determinada pelo partido, é logo convidado pela cúpula partidária a desistir, sonhar com outra coisa.

Portanto, essa avalanche de prefeituráveis, esse disse-me-disse é passageiro. No frigir dos ovos, na hora da onça beber água, como diz a sabedoria popular, sobram poucos para colocar a foto nas urnas eletrônicas.

Usando uma tabela de 1 a 10, diria que a arrumação da sucessão municipal de 2020 está em 3. Muita água para passar sob as pontes do rio Cachoeira, limpa e suja.

Até o dia da eleição tem que ter “couro de crocodilo”, como dizia o saudoso, polêmico e inesquecível jornalista Eduardo Anunciação, hoje em um lugar chamado de eternidade.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

A CONTA NEGRA CHEGOU PARA TODOS

Luciano Veiga

 

 

A liberação de mais recursos – financeiro, pessoal e equipamentos – se faz urgente. É o mínimo de reposta que se pode dar a uma população que esta utilizando das suas próprias mãos para fazer o papel do Estado.

 

Com o avançar dos dias de luta pelo combate ao óleo bruto nos mares e praias do nordeste, os municípios começam a sentir o preço deste desastre ambiental nos três pilares – ambiental, social e econômico. Estes elementos não foram só atingidos pelo mar de óleo que chega as praias, mas também pela falta de uma governança ampliada e articulada dos poderes federativos, em especial da União, que atua timidamente em face da extensão e propulsão alcançada pelo petróleo bruto.

Recursos financeiro, pessoal e equipamentos ofertados pelo Governo Federal são insuficientes para fazer face às necessidades impostas pela chegada do óleo a costa e as praias dos municípios do nordeste, cabendo de forma direta aos municípios arcarem com esta conta. Se não fosse a participação dos voluntários, em conjunto com os municípios e os Estados, o óleo cru estaria contaminando as nossas praias, manguezais e estuários em maiores proporções.

Se no primeiro momento, os voluntários e os municípios agiram, para fazer o primeiro combate, agora cabe a União, através do Ministério do Meio Ambiente, Ibama, Marinha e Exército, comitês do plano de ação de incidentes com óleo, conjuntamente com os entes federados, Estados e municípios assumirem os seus papéis e responsabilidades de forma integrada e compartilhada para agirem e aprenderem. Este dois elementos, AGIR e APRENDER são essenciais. O preço que ora estamos pagando tem que pelo menos nos servir de aprendizado, conhecimento e expertise. Se um navio fez tanto estrago, imagine estarmos em uma rota de várias embarcações que transporta de tudo, até óleo cru de alta contaminação.

Os voluntários, bravos guerreiros e guerreiras começam literalmente a sentirem na pele o ardor desta luta, que não tem dia e nem prazo certo para acabar. Pescadores e marisqueiros têm os seus produtos rejeitados pelos consumidores, por falta de informações via poder público sobre a qualidade do pescado. E aí cabe ao Dr. Analista Esperto “O peixe é um bicho inteligente. Quando ele vê uma manta de óleo ali, capitão, ele foge, ele tem medo”. Medo! Temos, sim, desta análise advinda de uma autoridade.

Com o cheque negro nas mãos, precisam as autoridades atuar para atacar os problemas presentes e futuros de frente e não de lado, como tem feito, infelizmente.

A liberação de mais recursos – financeiro, pessoal e equipamentos – se faz urgente. É o mínimo de reposta que se pode dar a uma população que esta utilizando das suas próprias mãos para fazer o papel do Estado. Não está sendo coletado lixo nas praias, mas um material altamente tóxico, o que em tese somente pessoas altamente capacitadas e equipadas é quem poderia agir.

É preciso refletir se temos empresa que detém a maior e melhor tecnologia na extração de petróleo em águas profundas. Precisamos também ser referência no combate a desastre de óleo no mar.

Que aprendamos com a dor. Nós somos uma nação da vida e não da morte.

Luciano Veiga é advogado, administrador e especialista em Planejamento de Cidades

NOMEAÇÃO NA VÉSPERA

Ederivaldo Benedito

 

Em síntese: a nomeação de Pinto foi publicada na edição de hoje, 1º de novembro do Diário Oficial da União, mas bem que poderia ter sido amanhã, dia 2…

 

A nomeação – neste Dia de todos os Santos – do engenheiro elétrico Waldeck Pinto de Araújo Júnior, ex-diretor da Coelba, para diretor da Ceplac é uma clara demonstração de que o Governo Federal não tem a intenção de reestruturar o principal organismo federal em atuação no sul da Bahia, de revitalizar a cacauicultura brasileira e, mais, não tem o mínimo de respeito pela região nem apreço e consideração pelas lideranças políticas e agrícolas regionais.

O atual Governo completa hoje, dia 1º de novembro, dez meses. Nesse período, o presidente da República e a ministra da Agricultura não fizeram uma referência sequer, um pronunciamento público sobre a importância da Cacauicultura para o agronegócio brasileiro ou destacaram o papel da Ceplac no fortalecimento da agricultura nacional. Nem um “tá, ok!” para as potencialidades econômicas da região.

De janeiro a hoje, a Ceplac teve três diretores gerais. Em janeiro, Juvenal Maynart – neto e filho de cacauicultores, profundo conhecer das causas do cacau – foi exonerado sem o prévio conhecimento das lideranças do cacau. Em outubro, Guilherme Galvão –cacauicultor, liderança dos agricultores e político aliado do presidente da República – se surpreendeu com a sua exoneração. Antes, porém, o Governo Federal manifestou a intenção de transferir o corpo técnico da Ceplac e desmontar o órgão.

Waldeck Pinto de Araújo Júnior é um técnico em planejamento e Tecnologia da Informática, com longa atuação no Ministério do Planejamento. Sua nomeação foi uma surpresa. As lideranças sulbaianas sequer sabiam da sua indicação, foram consultadas ou previamente informadas. Apesar de ser baiano, Pinto não tem nenhum vínculo ou convívio com o cacau ou a região sul da Bahia. Foi uma descortesia, considerando que os cacauicultores, na sua totalidade, se emprenharam diuturnamente na eleição do presidente.

Enquanto isso, desunidas, desarticuladas, desprestigiadas, despolitizadas e desinformadas, “as lideranças do cacau” insistem apenas em relembrar o passado, em reclamar e buscar culpados pelo atual estágio da lavoura. Ao invés de exigir respeito e um tratamento digno, preferem permanecer nas trincheiras virtuais dos grupos de WhatsApp, lutando contra inimigos imaginários, afastando possíveis aliados e fazendo uma intransigente defesa de Governo que não ouve seus aliados, deu as costas para o cacau e nem se importa se a Ceplac ainda existe.

O fato é que, além de lamentar, chorar e reclamar, a lavoura cacaueira vive um drama: de um lado, continua apoiando intransigentemente e defendendo ferozmente um Governo que a ignora, que não a respeita e lhe vira as costas; de outro, permanece ofendendo, agredindo, se afastando e tratando como adversárias e inimigas as lideranças políticas que poderiam ser transformadas em aliadas na luta pelo seu soerguimento. Resultado: a lavoura não tem prestígio político para ir à Brasília e sentir-se frente-a-frente à mesa com o Presidente; não tem capacidade de promover uma união de todos os segmentos em torno de uma causa, do futuro do cacau, nem humildade para estabelecer um diálogo franco e aberto com todos das forças políticas baianas e, unidos, construir um projeto coletivo para a cacauicultura baiana.

Em síntese: a nomeação de Pinto foi publicada na edição de hoje, 1º de novembro do Diário Oficial da União, mas bem que poderia ter sido amanhã, dia 2…

Ederivaldo Benedito é jornalista.

LAMA NEGRA CHEGA ÀS NOSSAS PRAIAS

Luciano Veiga

 

 

Tivemos as nossas vidas atingidas da cor do luto, na cor da morte. Podemos ressuscitar se aprender com os nossos erros ou podemos continuar morrendo na nossa ignorância e ganância. É uma questão de escolha.

 

Nos últimos anos o Brasil vem sofrendo fortes ataques ao seu maior patrimônio, o meio ambiente. Como não bastasse Mariana, vieram Brumadinho, as queimadas na Amazônia, cerrado e, agora, as praias e arquipélagos da costa marítima do Nordeste. Como diria Seu Zé, “agora lascou, fomos atingidos do Oiapoque ao Chuí”.

Das extrações minerais, madeiras e a costa litorânea, o que temos em comum?

A princípio, o descaso com o meio ambiente, com a exploração inadequada dos nossos patrimônios naturais e a forma de lidar com estes ataques ao meio ambiente. É difícil aceitar tais acontecimentos como desastre ambiental, que conceitualmente trata-se de um evento não previsível, capaz de, direta ou indiretamente, causar danos ao meio ambiente ou à saúde humana. Ora, todos os eventos citados foram e são previsíveis, e, o pior, têm como alvo certo o meio ambiente (flora, fauna e o ser humano).

Além da exploração desmedida do ponto de vista econômico, temos um Governo inapto na lida de prevenção, controle, ação mitigadora e corretiva diante dos acontecimentos expostos.

Em Mariana e Brumadinho, foi a população primeira vítima e também a primeira a colocar a mão na lama para salvar os seus. Nas queimadas, as mãos e os pulmões atingidos pelo fogo e a fumaça. E, agora, nas manchas pretas das praias, suas mãos são mais uma vez usadas para limpar a sujeira das areias, corais e pedras do nosso litoral.

Estão nos atingindo em nossos corações e almas. Podemos limpar as praias, as areias brancas marcadas pela lama preta, mas não podemos salvar os nossos peixes e mariscos, flora e fauna marinhas. Tivemos as nossas vidas atingidas da cor do luto, na cor da morte. Podemos ressuscitar se aprender com os nossos erros ou podemos continuar morrendo na nossa ignorância e ganância. É uma questão de escolha.

Este é um momento em que os entes federados têm que estar juntos, sem protagonismo, com único objetivo, primeiro mitigar os impactos, segundo criar políticas permanentes de controle e preservação, e, terceiro, entender de uma vez por todas que o maior patrimônio material e imaterial do Brasil é o seu Meio Ambiente rico e diverso.

Somos o único país no mundo com esta pluralidade de riqueza, entretanto, somos também aquele que parece distante do que pensa o seu povo. Os seus governantes persistem em ignorar a vocação natural desta nação, a de cuidar e preservar, transformando em ativo ambiental, econômico e social os seus rincões ambientais.

Para os governantes que aprendam com os voluntários, colaboradores, municipais, estaduais e também da União que colocam a suas mãos na lama preta para limpar as praias do petróleo cru, oriundo de um crime, que tem que ser descoberto a origem como forma de imputar o crime ao culpado, mas especialmente de estancar a hemorragia que ora atinge a nossa costa.

Entretanto, este é o ataque ao território brasileiro, que o conjunto das nossas forças armadas saia para fazer o bom combate, pois em uma guerra os voluntários e funcionários/colaboradores, muito das vezes sem conhecimento e mal equipados, são presas fáceis em uma luta, cujo nosso inimigo (petróleo cru), não se sabe os danos presentes e nem futuro a estes bravos soldados, que arriscam as suas vidas por outras vidas, vividas na nossa fauna e flora marítima e silvestre, podendo os nossos guerreiros sofrer danos a sua saúde no presente ou no futuro.

Que aprendamos com a dor. Nós somos uma nação da vida e não da morte.

Luciano Veiga é advogado, administrador e especialista em Planejamento de Cidades.

MINHAS RAÍZES

Elilde Browning

 

O meu coração pulava à proporção que nos aproximávamos de Itabuna. A minha mente rodopiava numa ansiedade própria de quem não vê o seu lugar de nascimento por tantos anos.

 

Estava diante daquela plateia no auditório da Câmara dos Vereadores por convite da nobre Vereadora Charliane Sousa, para falar aos meus conterrâneos sobre os meus livros E assim foi a vida e Crônicas de um tempo infinito, quando, distraidamente, o meu pensamento reviveu os momentos que antecederam esse encontro. Olhava as pessoas e tinha a certeza de que poucos tinham a minha idade. Portanto, tinha uma grande missão para relatar o que vi e vivi em todos esses anos de minha ausência desta cidade.

Depois de 61 anos voltei a minha cidade Natal, Itabuna, na Bahia. Quando o avião sobrevoou aquele lugar o meu coração disparou num misto de alegria, surpresa, curiosidade e contentamento.

No aeroporto havia um cartaz: Seja bem-vindo a Ilhéus, terra de Jorge Amado. O meu coração fez um disparo inicial elevando o meu pensar para os grandes momentos vividos no passado. As lembranças nos dão o privilégio de sentir de forma real e vivenciá-las como se elas nunca tivessem morrido.

Percebi que a cidade de Ilhéus, em sua formosura ímpar, teve notáveis avanços. Uma ponte ligando o continente à ilha onde há o aeroporto fez daquele lugar um paraíso de milionários em seus suntuosos edifícios com vista para o mar. Nesse dia o oceano estava calmo e pude me lembrar da entrada de grandes navios que levariam o cacau de nossa região para o mundo. Havia sempre a necessidade de um técnico para verificar as condições naquela entrada perigosa. Hoje o porto de Ilhéus se mudou para a praia do Malhado onde o mar é aberto e sem oferecer problemas aos navios de grande porte.

Na minha adolescência morei na praia do Malhado: um pé dentro de casa e o outro na areia nos dava a certeza de que o mar era a nossa varanda. Foi um privilégio morar naquele lugar quando os meus sonhos estavam nascendo em meu pensamento e, diante daquela imensidão de água, sabia que ali ou em outro lugar eles se tornaram realidade. Quantas lembranças afloraram a minha alma! Naquele momento ao rever este espetáculo da natureza senti uma saudade imensa dos meus tempos idos e agora a certeza de ter realizado aqueles sonhos e todos os que eu nem imaginava que pudesse realizar.

Aquela ilha lá no meio do oceano continua no mesmo lugar. E como se o tempo não tivesse passado e ela ali esperando para me rever e dar as boas-vindas de um retorno feliz.

A cidade se elevou numa posição vertical. Talvez para ser possível se descortinar em maiores dimensões um mar sem igual. Em minhas viagens pelo mundo vi muitos oceanos, todavia aquele de nossa adolescência é o mais belo, mais azul e o mais poderoso. Tive o privilégio de morar perto do mar durante toda a minha vida e sempre me recordava dos meus dias em Ilhéus.

Andando pelo centro da cidade tive um encontro com Jorge Amado ali sentadinho em frente ao restaurante Vesúvio tão antigo como a cidade nos seus primórdios. Abracei-o, beijei-o e senti-o vivo em minha memória e em meu coração. Adiante a casa que o abrigou, e, ali ele está de pé a receber carinhosamente os visitantes do mundo inteiro. :: LEIA MAIS »

GOVERNOS, PERGUNTEM AO NAZAL

Walmir Rosário 

 

 

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis.

 

Atitudes patéticas cometem os governos da Bahia e de Ilhéus ao anunciarem a construção de um novo presídio no município de Ilhéus, o que demonstra a falta de competência para gerir assuntos nem tão complicados. Inicialmente, o local definido foi próximo à BA-262, rodovia que liga Ilhéus a Uruçuca e onde o próprio Governo do Estado da Bahia desenvolve o projeto turístico Estrada do Chocolate.

Com os protestos dos investidores interessados em participar dessa nova ação turística importante para o Sul da Bahia, eis que a Prefeitura de Ilhéus e o Governo do Estado, de forma atabalhoada, anunciam um novo local: às proximidades na BR-415, a Rodovia Jorge Amado, uma “avenida” que liga Ilhéus a Itabuna. Nada mais impróprio para a escolha tão burlesca para a localização.

Antes de entrar no mérito da questão, minha humilde, mas acertada indicação aos tão perdidos governantes, é que “baixem a bola” e procurem quem realmente conhece do riscado para localizar o novo conjunto penal. E eles sabem muito bem de quem estou falando: do vice-prefeito de Ilhéus, José Nazal, um estudioso da região, notadamente de Ilhéus, que conhece todas as nuances do “território ilheense”.

Lembro que até há bem pouco tempo, sempre que o Governo do Estado pretendia implantar um equipamento público num dos seus municípios, enviava seus técnicos à Prefeitura para a escolha de um local adequado. E não se tratava de simples deferência e sim de uma série de informações, que iam desde a logística, a propriedade, a conveniência e o planejamento socioeconômico da área.

No município de Ilhéus, o técnico que sempre foi consultado – de forma acertada – foi justamente José Nazal, profundo conhecedor do município de Ilhéus, não por ouvir dizer, mas por conhecer, in loco, toda a área. É José Nazal que tem trabalhado em parceria com o pessoal do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos recenseamentos, junto com a equipe dos Correios na localização e dos logradouros públicos e por aí afora.

Mesmo com suas divergências em relação à administração do prefeito Mário Alexandre, asseguro que José Nazal não se eximiria de sua condição de cidadão ilheense, nesse mister, ainda mais na condição de vice-prefeito. Em outras palavras, não importa as diferenças pessoais ou políticas quando o assunto é o investimento do dinheiro público, que tem que ser usado com todos os critérios e imparcialidade.

Mas ainda está em tempo de as autoridades estaduais e municipais reconhecerem a falha até aqui cometida e prospectarem uma área adequada e segura para a construção do novo estabelecimento penal. No município de Ilhéus, o que não falta são áreas com as características pretendidas para a localização de um empreendimento desse porte, fora do zoneamento turístico e de tecnologia do conhecimento.

Tenho a convicção que mesmo numa conversa preliminar entre os técnicos governamentais e o vice-prefeito Nazal, alguns locais com as características desejadas deverão ser apresentados. Mesmo sabendo dos meus parcos conhecimentos sobre o tema, acredito que os novos locais serão mais convenientes e, por certo, menos recursos deverão ser utilizados na desapropriação da área e obras de segurança.

De minha parte – perdoe-me os entendidos no assunto –, não consigo entender como técnicos podem conceber tal projeto e ainda “vendê-los” a um prefeito e um governador, por ser tão descabido. Não quero fazer prejulgamentos, mas existe algo de errado nessas escolhas, que mais se parece com um jabuti em cima de um poste. Ele está lá, mas não se sabe quem o colocou lá, pois de motu próprio é que não foi.

Me recuso a aceitar qualquer tipo de tese estapafúrdia ou conspiratória que a construção do estabelecimento penal nessas áreas anunciadas seria uma simples falta de conhecimento técnico. Também não cabe elucubrações de que não existiria local apropriado, muito menos de que as atividades turísticas, de comércio e produção de conhecimento conviveriam perfeitamente como vizinhos civilizados.

A construção de um estabelecimento prisional nas imediações da BA-262 (Ilhéus-Uruçuca) e da BR-415 (Ilhéus-Itabuna) cairia com uma bomba atômica nos investimentos que estão sendo feitos nesses locais, com prejuízos irreversíveis. Está mais do que provado que os dois locais escolhidos – indevidamente – se transformarão em um grande conglomerado urbano em menos de cinco anos.

A poderosa mão do Estado pode e deve escolher um local diferente dos anunciados, para não incorrer em mais erro administrativo, daquele que o suado cidadão contribuinte é obrigado a pagar duas vezes. Financia a construção em lugar indevido, que será abandonado em seguida, enquanto busca-se outro local para a construção de um novo, sobrando nesta operação um famoso “elefante branco”.

Como os governos não produzem, só gastam, os contribuintes deixam de ganhar os investimentos em equipamentos de educação, saúde e outros serviços essenciais à desprovida população. Enquanto isso, os que produzem riquezas – a iniciativa privada – tomarão prejuízos irreversíveis com as atitudes mal pensadas e executadas dos governos, em que seus governantes sequer são responsabilizados.

Se pode fazer bem-feito, então faça.

Walmir Rosário é jornalista, radialista, advogado e editor do Cia da Notícia.

O ÓLEO MANCHOU MAIS QUE NOSSAS PRAIAS

Jerberson Josué

 

 

 

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema.

 

Há quase dois meses estamos sendo bombardeados com o noticiário da imprensa, que existem dúvidas sobre a origem do petróleo que está poluindo toda a costa do nordeste e iminência de invadir o litoral de alguns estados do sul do país.

O óleo não causa prejuízos ambientais apenas em nossas praias. Sua sujeira afetou também a imagem de políticos e governantes. Os gestores federais, estaduais e municipais estão chamuscados com a “queimada” de imagem advinda do óleo vazado e esparramado pelos mares!

Não houve e nem está havendo intervenção rápida, planejamento e o que se vê é falta de habilidade de gerenciamento no enfrentamento dessa situação trágica.

Vemos parte da nossa fauna e flora marítimas ser dizimada; nossos rios e mares serem poluídos com a mesma proporção caótica em que vemos a inaptidão das nossas autoridades responsáveis pela preservação dos nossos recursos naturais.

Constatamos que nenhum município nordestino agiu e planejou gabinete de gerenciamento de risco no início do problema. Em Ilhéus, o prefeito Mário Alexandre (Marão) e sua equipe da área ambiental não atentaram para a iminente perspectiva da poluição do óleo invadir as praias da cidade.

O governo federal desativou conselhos que deveriam tratar do problema e o Ibama, conjuntamente com o ICMBIO, foram desmantelados e desestruturado, por uma decisão política retrógrada do governo central.

Uma força tarefa é necessária ser feita Brasil a fora pra estancar o flagelo ambiental. Só uma ação planejada conjunta, envolvendo os três poderes federativos, com participação ativa de setores da sociedade, urgente!

É preciso, também, que indivíduos inescrupulosos e medíocres, parem de disseminarem notícias falsas sobre este assunto, com objetivo espúrio de sujar a imagem dos gestores de plantão.

Agora é a hora de sabermos se o lema “Brasil acima de tudo e Deus acima de todos” é verdadeiro.

Jerberson Josué se define como um estudante na escola da vida.



WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia