WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia





maio 2018
D S T Q Q S S
« abr    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

editorias






:: ‘Cultura’

RODRIGO MUNIZ E JULIANA SOLEDADE LANÇAM “DIÁRIO DAS MIL FACES”, NO JEQUITIBÁ

Rodrigo Muniz e Juliana Soledade lançam “Diário…”

Obra será lançada dia 30, no Jequitibá

Mix de crônica, romance e documentário biográfico, Diário das Mil Faces será lançado pelos escritores Juliana Soledade e Rodrigo Muniz no próximo dia 30, no Shopping Jequitibá, em Itabuna, a partir das 19h, no espaço em frente à Morana.

O projeto do livro teve início em 2017, quando os autores idealizaram uma obra diferente. “A ideia foi fazer algo novo, algo muito além de relatos tendenciosos sobre a cultura do cacau. Esmiuçamos as relações familiares, sociais e culturais do nosso povo ao longo do século XX de forma transparente e sem pudores”, destaca o escritor e professor Rodrigo Muniz.

Diário das Mil Faces é baseado quase na sua totalidade em fatos reais. “É uma história fantástica contada por pessoas comuns e incomuns que viveram na nossa região. Gente simples como cada um de nós, que teve o destino marcado por altos e baixos, amor, ódio, sofrimento, felicidade. Enfim, um livro para marcar a nova safra de escritores na nossa região”, comenta o professor.

ATEMPORAL

Os autores prometem uma leitura rápida, dinâmica e repleta de surpresas. Para Juliana Soledade, a proposta narrativa do livro e das suas tramas são os pontos fortes. “A cada momento os nossos leitores vão querer saber o que irá acontecer. Certamente é um livro marcante por possuir uma linha narrativa incrível e muitos elementos que o povo se identifica”.

O livro conta com personagens distintos no cenário sul-baiano em seu tempo áureo do cacau, com requinte de mistério. “É um livro atemporal, vibrante, solar, cheio de cores, sensações e vida. Deixando para trás o abandono familiar, as submissões, a infelicidade e as promessas rompidas. Tenho certeza que este livro encantará a crítica e os leitores”, finaliza Juliana.

SINHO FERRARY É CONFIRMADO NO FORRÓ DOS COMERCIÁRIOS

Sinho Ferrary é uma das atrações do Forró dos Comerciários em 2018

O cantor Sinho Ferrary acaba de ser confirmado na 23ª edição do Forró dos Comerciários de Itabuna. A festa será no próximo domingo, 20 de maio, no Recanto dos Comerciários, no Conceição, a partir das 15 horas.

Além do som do cantor Sinho Ferrary, o forró que comemora os 72 anos do Sindicato dos Comerciários de Itabuna também terá o chamego da Banda Lordão, comandado por Kocó, e o Forró Caxangá. Sinho era a atração surpresa preparada pela organização para o 23º ano do Forró dos Comerciários.

O primeiro lote dos ingressos está sendo vendido a R$ 20,00. Os locais de venda são o Cadê Ingressos, na Praça Camacã; Balcão de Ingressos, na Praça Adami; e na sede do Sindicato dos Comerciários.

ASSOCIADO NÃO PAGA

O comerciário que é associado do sindicato não paga ingresso, que deve ser retirado na sede do Sindicato dos Comerciários, na Avenida do Cinquentenário, em cima da Casa do Estudante.

Banda Lordão também está confirmada na 23ª edição da forró

BAIANASYSTEM DEFINE NOVA DATA DE SHOW EM ILHÉUS

Banda fez anúncio em rede social

Uma das maiores revelações do cenário musical brasileiro dos últimos anos, a Banda BaianaSystem divulgou a nova data do show em Ilhéus. O anúncio foi feito por meio de redes sociais. Após ter adiado o show previsto para 21 de abril, a apresentação agora é anunciada para 2 de junho, na Concha Acústica, na Avenida Soares Lopes.

Houve reação ao anúncio. “Só acredito quando estiver no palco”, disse uma fã, que lembrou dois cancelamentos de shows no sul da Bahia, um em Itabuna e outro em Ilhéus. Outra, também no Instagram, comentou: “só acredito vendo”. Na sequência, houve quem mostrasse desencanto… “Cansei de ilusões”.

Para a BaianaSystem, agora é tocar ou tocar na Terra de Gabriela e de milhares de fãs. Por enquanto, bora de clip. Na tela, Alfazema, parceria com Nação Zumbi.

“ILHÉUS MANTÉM EXÓTICA AURA ATRAENTE”, DIZ RAMAYANA AO TOMAR POSSE NA ALI

Ramayana, de gravata, ao lado de acadêmicos como Antonio Lopes e presidente André Rosa.

O professor e jornalista Ramayana Vargens agora é membro da Academia de Letras de Ilhéus (ALI), ocupa a cadeira nº 11, na posição 3. A solenidade de posse aconteceu no dia 18 de abril, às 19h30min, na sede da entidade, localizada na Rua Antonio Lavigne de Lemos, no centro histórico da cidade. O presidente da Academia, André Rosa Ribeiro, destacou que antes ocuparam a cadeira o jurista Carlos Ribeiro, patrono, e o filósofo, advogado e professor Dorival de Freitas, que antes de falecer havia indicado Vargens para compor a entidade.

Fundada em 1959, a Academia de Letras de Ilhéus foi saudada pelo novo membro imortal. Ele disse: “É um privilégio ser parte de uma Casa devotada às Letras, especialmente numa terra de longevos escritos dos tempos dos primeiros desbravadores portugueses. Nas páginas dos cronistas do descobrimento, aparecem as primeiras palavras sobre Ilhéus. As cartas dos jesuítas, que aqui fundaram um colégio, mostram que Ilhéus, desde os primeiros anos de sua
existência, é um polo pioneiro de educação.”

Ramayana Vargens também evocou a poesia de padre José de Anchieta, “Sobre os feitos de Mem de Sá” (que narra a Batalha dos Nadadores, no Cururupe), de Bento Ribeiro, nas referências a Ilhéus, terra que adotou para morar, há 30 anos. “Com quase 500 anos de vida, Ilhéus ainda mantém uma exótica aura atraente. Fascínio enriquecido com a literatura reveladora dos sensuais segredos da civilização do cacau, que tinha Ilhéus como capital”, enfatizou.

O professor ainda ressaltou: “Como nos romances de Jorge Amado, Ilhéus consegue avançar, progredir e acompanhar os tempos de transformação sem perder a baianice brejeira e a convivência familiar de sossegada província. A Ilhéus de ontem permanece na Ilhéus de hoje, mesmo que estejamos na inevitável rota do amanhã. Nesse vértice do tempo, que aproveita o passado, desfruta o presente e projeta os sonhos do futuro, é que situo a Academia de Letras de Ilhéus”, acrescentou Vargens.

A cerimônia contou com a presença de membros da ALI, dos secretários municipais de Relações Institucionais, Sérgio Souza – que representou o prefeito Mário Alexandre, e de Cultura, Pawlo Cidade, do professor emérito e ex-reitor da Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Joaquim Bastos, a também ex-reitora Renée Albagli, a presidente do Conselho Municipal de Cultura, Janete Lainha, a viúva do acadêmico Dorival, Marita de Freitas, a diretora do Instituto Piedade, Irmã Georgina Carvalho, entre outras personalidades. :: LEIA MAIS »

NETFLIX ANUNCIA 3ª PARTE DE “LA CASA DE PAPEL”

‘La casa de papel” ganha nova temporada, agora produzida pela Netflix || Divulgação

A Netflix confirmou a continuidade de um dos maiores sucessos do serviço de filmes e séries por streaming, La casa de papel. Na manhã desta quarta (18), a internet foi “invadida” por personagens para anunciar que haverá a terceira parte do “maior roubo a banco da história”. “Sabemos que vocês estão esperando o mesmo que a gente”, diz a personagem Nairóbi.

A plataforma de filmes e séries somente deverá lançar a 3ª parte da produção espanhola no Brasil somente em 2019. A nova temporada será produzida pela Netflix.

Oito assaltantes, sob o comando do “Professor”, roubam mais de um bilhão de euros da Casa da Moeda da Espanha. Confira o vídeo que anuncia a nota temporada de La casa de papel.

RAMAYANA VARGENS TOMA POSSE NA ACADEMIA DE LETRAS DE ILHÉUS

Ramayana tomará posse na Academia de Letras de Ilhéus

Zé Carlinhos

Na próxima quarta-feira, 18 de abril, às 19 horas, o professor Ramayana Vargens toma posse na cadeira nº 11 da Academia de Letras de Ilhéus, sucedendo ao professor Dorival de Freitas. Filho de tradicional família da região cacaueira – seu avô, João Vargens, foi intendente de Canavieiras e, mais tarde, fundador de Camacan – o novo acadêmico, trabalha há 30 anos como professor e produtor cultural em Ilhéus e outros municípios do sul da Bahia. Ramayana teve ativa participação na imprensa carioca, principalmente no Jornal do Brasil, durante as décadas de 60 e 70. Também no Rio de Janeiro, atuou como produtor e diretor teatral.

Em Ilhéus, desde 1990, lecionou Literatura e Língua Portuguesa no Instituto Nossa Senhora da Piedade, onde foi coordenador de projetos e responsável pela realização de grandes eventos na escola. Escreveu e dirigiu o espetáculo Cidadão Jesus, apresentado durante a Semana Santa, e organizou as comemorações dos 80 anos de Jorge Amado no INSP – considerada pelo escritor a maior e mais emocionante homenagem que ele recebeu do povo de Ilhéus.

O professor Ramayana dirigiu o grupo de teatro da UESC (onde foi um dos fundadores do Núcleo de Artes da Universidade (NAU) e assinou a remontagem do Auto do Descobrimento, peça de Jorge de Souza Araújo. A remontagem fez parte das comemorações oficiais dos 500 anos do Descobrimento do Brasil, percorrendo diversos municípios baianos e com apresentação especial no Teatro Nacional de Brasília.

A cadeira número 11 tem Washington Landulfo como patrono e Carlos Ribeiro como seu fundador. O saudoso professor Dorival Freitas foi seu segundo ocupante, que, anteriormente, já havia indicado o nome de Ramayana para a Academia.

Músico e compositor, o novo membro da ALI, é autor, em parceria com Luciano Sanjuan Portela, da música Ilhéus, gravada por Marcelo Ganem e usada como símbolo da cidade.

Antes de sua atuação em Ilhéus, Ramayana foi coordenador de Cultura do Acre e um dos líderes do grupo de gestores de ação cultural que pressionou e apresentou ao MEC, em 1982, a proposta de criação do Ministério da Cultura. Nessa época, foi um dos mentores do Pacto Cultural da Amazônia, sendo eleito seu primeiro coordenador.

Poeta e contista, com textos editados em antologias e diversos suplementos literários do país, tem dois livros prontos – Então Eu Grito (poesias) e Sustos Sem Suspiros (contos) – a serem publicados.

Como produtor de cacau, foi um combativo representante da classe que cobrou medidas eficazes da Ceplac e demais órgãos dos governos estadual e federal, após a manifestação do foco da vassoura de bruxa, em 1989, em Camacã, nas fazendas de sua família.

BAIANASYSTEM FAZ SHOW INÉDITO, EM ILHÉUS, COM OQUADRO E BAD MARIA

BaianaSystem fará show pela primeira vez em Ilhéus || Foto Divulgação

Uma das maiores revelações da música brasileira nos últimos tempos, a Banda BaianaSystem se apresentará na Concha Acústica de Ilhéus, no dia 21 de abril, às 21 horas, reunindo convidados especialíssimos, as bandas OQuadro e Bad Maria. Será a primeira vez da BaianaSystem em Ilhéus.

O nome da banda é uma junção de “guitarra baiana” e “sound system”. De acordo com os membros da BS, a ideia inicial era a utilização de bases novas e conhecidas em que a guitarra pudesse assumir o papel de “canto” nesse sistema, dividindo e dialogando com a voz.

BaianaSystem foi grande sucesso não apenas no carnaval de Salvador. Em São Paulo, reuniu cerca de 100 mil pessoas no carnaval prolongado. Arrastou a multidão com as suas tradicionais rodinhas e um som novo e letras que marcam, como Alfazema, essa uma parceria com Nação Zumbi. O som tem levado multidões a shows em várias capitais brasileiras, como Porto Alegre (RS) e Belém (PA).

O som de BaianaSystem é mistura de África, Brasil e Caribe, com ritmos extraídos do Ijexá, Afoxé, Dancehall, Pagodão, Sambareggae, Cumbia, Chula, Dub, Cabula, Kuduro, Samba Duro, Cantiga de Roda e Eletrônica.

O show em Ilhéus reunirá três bandas com som que traz ferramentas digitais, na avaliação da organização. “O conceito moderno de música em movimento, envolve novas possibilidades sonoras para a guitarra baiana, instrumento criado em Salvador, nos idos de 1940 e que foi responsável pela criação do trio elétrico”, explica a organização do show.

PANCADINHA LANÇA “VEM COM TUDO”

Com assinatura e produção da CDB Records, Fabrício Pancadinha lança, nesta quarta (21), a partir das 19h, o CD Vem Com Tudo . O novo álbum da carreira solo do artista poderá ser baixado pela internet, no endereço www.suamusica.com.br/pancadinhavemcomtudo.

“Música é a minha paixão! Pensar em novos formatos, novas propostas e projetos me deixa com a adrenalina lá em cima, como se eu estivesse puxando um arrastão daqueles do carnaval”, comenta Fabrício, hoje empresário da própria carreira.

O artista disse ter ficado inquieto pensando em algumas novidades após o carnaval. “Para retribuir o carinho que recebi por todas as cidades por onde passei”, justificou durante gravação do novo repertório.

“Vem Com Tudo é um CD que abraça todos os gostos musicais. Tem a arrochadeira, que é a grande estrela do momento aqui na Bahia, mas também arrocha romântico, uma lambada com um toque mais embalado, tem pagode e ainda tem funk”, disse.

ELBA, GERALDO E ALCEU VALENÇA EM ILHÉUS

Alceu, Elba e Geraldo Azevedo fazem show em Ilhéus, dia 13 de abril

Elba Ramalho, Geraldo Azevedo e Alceu Valença festejam os 20 anos da turnê d´O Grande Encontro em Ilhéus, no sul da Bahia. Dia 13 de abril, os três músicos se apresentam em show na Concha Acústica, na Soares Lopes.

No repertório, entre trios, duetos e momentos solos em cena, clássicos como Anunciação, Banho de Cheiro, Dia Branco, Tropicana”, Caravana, La Belle de Jour e Táxi Lunar.

O Grande Encontro apresenta novidades na turnê de 20 anos. Se o show original possuía um formato acústico, com versões que recriavam a mística do cancioneiro com intimismo e delicadeza, o novo espetáculo incorpora uma sonoridade elétrica e percussiva. “Esbanja energia sem perder a ternura”, promete a produção do show.

Dentre as surpresas, duas joias vintage: Papagaio do Futuro, apresentada por Alceu, Geraldo e Jackson do Pandeiro, no Festival Internacional da Canção de 72, e Me Dá um Beijo, parceria de Alceu e Geraldo, do primeiro disco da dupla, recriada com Elba nos vocais. E Zé Ramalho marca presença autoral com Chão de Giz e Frevo Mulher, na voz de seus companheiros.

Alceu, Elba e Geraldo cantam ao lado de Marcos Arcanjo, Paulo Rafael (violões e guitarras), Ney Conceição (baixo), Meninão (sanfona), César Michiles (flauta), Anjo Caldas (percussão) e Cássio Cunha (bateria), com direção de André Brasileiro.

SERVIÇO
O Grande Encontro 20 Anos
Local: Concha Acústica de Ilhéus – Ilhéus/BA
Quando: 13 de Abril de 2018 (Sexta-feira), às 21h
Atrações: Alceu Valença; Elba Ramalho; Geraldo Azevedo
Vendas: Cine Santa Clara e Karioka (Ilhéus) e Cadê Ingressos (Itabuna)
Valores: Pista meia R$ 40,00 / Pista inteira R$ 80,00 /Área Vip* R$ 130,00

MOSTRA NO TEATRO DE ILHÉUS REÚNE TALENTOS MUSICAIS DO LITORAL SUL

A diversidade e a originalidade musicais vão tomar conta do Teatro Municipal de Ilhéus na quarta-feira (07), na primeira noite do Encontro de Compositores do Litoral Sul da Bahia. As compositoras Lunah M.V (Ilhéus) e Elisa Cunha (Itabuna) levam ao palco seu rap e MPB, respectivamente, enquanto a banda Pecados Capitais (Coaraci) toca rock’n roll e o Zem Trio (Ilhéus) solta o instrumental que circula livremente entre o rock e jazz. O show começa às 20h e o ingresso é um quilo de alimento não perecível, que será doado para a Fundação Fé e Alegria – Ilhéus.

O Encontro, ao longo de quatro mostras que acontecerão mensalmente até junho, vai apresentar oito compositores individuais e oito bandas autorais atuantes no cenário musical do Litoral Sul. Todos os selecionados são baianos e atuam em sete municípios do território, tendo sido escolhidos pela curadoria do evento entre 64 inscritos.

Além dos compositores e bandas, alunos de cada turma da oficina gratuita de Composição Musical apresentarão uma música inédita por show, como resultado das aulas.

OFICINAS DE COMPOSIÇÃO MUSICAL

Continuam abertas as inscrições para as quatro turmas das Oficinas de Composição Musical, que acontecerão sempre uma vez por mês, até junho, na semana de cada mostra. Cada turma terá 20 participantes e as aulas acontecerão na Academia de Letras de Ilhéus. Profissionais e entusiastas da Música podem inscrever-se gratuitamente no site do evento. As aulas serão facilitadas pelos músicos Danilo Oliveira e Lula Soares Lopes.

As inscrições para as oficinas e a programação na íntegra estão disponíveis em www.encontrolitoralsul.com.br. É possível acompanhar as novidades no facebook.com/EncontroCompositoresLitoralSul, ou pelo aplicativo que tem o nome do evento e pode ser baixado na Play Store. :: LEIA MAIS »

MORRE A ATRIZ TÔNIA CARRERO

Morre a atriz Tônia Carrero || Foto Divulgação

A atriz Tônia Carrero , um dos ícones da televisão brasileira, morreu por volta das 22h15 deste sábado (3), aos 95 anos, no Rio de Janeiro.

Tônia Carrero, cujo nome de nascimento é Maria Antonietta Portocarrero Thedim, passava por uma pequena cirurgia em uma clínica particular na Gávea, na Zona Sul do Rio de Janeiro, quando teve uma parada cardíaca e não resistiu, de acordo com a família da atriz.

Ela tinha sido internada na sexta (2) com uma úlcera no sacro e morreu durante procedimento médico, segundo a neta Luísa Thiré.

O velório, segundo a família, será realizado neste domingo (4), das 14h às 22h, no Theatro Municipal. A cremação será realizada na segunda-feira (5), às 12h, no Memorial do Carmo. Do G1.

RODOVIA ILHÉUS-ITABUNA COMPLETA 90 ANOS

O traçado da Ilhéus-Itabuna em fotografia de José Nazal

Memorialista e dono de vasto acervo sobre a história de Ilhéus e do sul da Bahia, o vice-prefeito José Nazal lembrou em redes sociais que a estrada Ilhéus-Itabuna completa, nesta quinta (1º), 90 anos. A lembrança vem acompanhada de uma foto espetacular da rodovia e uma outra, histórica, da inauguração da estrada, em 1º de março de 1928.

Segundo Nazal, a estrada foi idealizada pelos cacauicultores coronel Virgílio Calazans Amorim e José Nunes. As obras começaram em 1922 e foram entregues em 1928, numa festa com a presença do governador Francisco Goes Calmon, também responsável pela construção da ponte sobre o Rio Fundão.

Políticos e produtores regionais inauguraram a estrada || Acervo José Nazal

A Rodovia Ilhéus-Itabuna (BR-415) foi pavimentada em meados da década de 50. Então governador baiano, Régis Pacheco autorizou a pavimentação asfáltica em 1955. Nazal observa que o traçado inicial era bem diferente do atual, cruzando os Altos do Basílio e da Mata da Esperança até o Banco da Vitória.

DUPLICAÇÃO

Aos 90 anos, a estrada – e os sul-baianos – aguardam a tão prometida duplicação. A ordem de serviço para a execução do projeto executivo foi assinada pelo governador Rui Costa em 9 de outubro do ano passado. A previsão é de que a instalação do canteiro e as obras comecem neste mês de março, o que depende tanto da aprovação do projeto executivo por parte do Governo Estadual como autorização do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (Dnit), além do “ok” do Tribunal de Contas da União (TCU). Caso saia do papel, a obra deverá ser tocada pela OAS.

TARGINO GONDIM NO FESTIVAL DE FORRÓ DE ITACARÉ

Targino será uma das atrações do Festival de Forró

Considerado como um dos maiores nomes do forró, o cantor, compositor e sanfoneiro Targino Gondim será uma das atrações do II Festival de Forró de Itacaré, programado para os dias 30 e 31 de março, no Feriado da Semana Santa, no município sul-baiano. O evento é realizado pela Prefeitura de Itacaré, com o apoio da Bahiatursa e do deputado estadual Rosemberg Pinto.

Com o show “Targino Gondom e Amigos”, o cantor participará dos dois dias de festa, recebendo diversos amigos sanfoneiros, personalidades do mundo do forró, para fazer uma grande festa para os itacareenses e turistas, trazendo o melhor do ritmo nordestino.

O prefeito de Itacaré, Antônio de Anízio, informou que o festival de forró se consolida como mais um grande evento na cidade e a proposta é ampliar cada vez mais, tornando o município como uma referência na tradição e na cultura nordestina.

De acordo com ele, um dos objetivos da festa é trazer de volta o forró pé-de-serra, também conhecido como forró tradicional, por ser o ritmo original e com a verdadeira identidade e a tradição nordestina. “Vamos fazer uma grande festa, onde todos poderão curtir uma boa música com muita alegria, animação e também com grandes atrações para resgatar a nossa cultura”, complementou o prefeito.

DOMINGO DE SARAU DA YRERÊ

Evento multicultural com música, artes plásticas, gastronomia e literatura, o Sarau da Yrerê será realizado neste domingo (25), a partir das 17 horas, na Fazenda Yrerê. A poetisa itabunense Iolanda Costa fará o lançamento do seu novo livro Colar de Absinto.

Os shows musicais deste ano serão com artistas regionais — Zezo Maltez e trio, mandado um jazz de primeira qualidade–, Jan Costa e Neguinho do Sax além de convidados com MPB e Ana Marques e convidadas.

Vários artistas plásticos expõem no Sarau, como Jane Badaró, Marcelo Pita e Cláudia Saar. Haverá, também, exposição e feira de artesanato e uma área de gastronomia com muita comida regional e chocolate da fazenda Yrerê.

O evento começa às 17 horas. A Fazenda Yrerê fica na Rodovia Ilhéus-Itabuna, km 11. O ingresso será de R$ 5,00.

CONCEIÇÃO PORTELA EXPÕE O UNIVERSO DO CACAU EM FESTIVAL EM SERGIPE

Arte de Conceição Portela aborda universo da região cacaueira sul-baiana

A artista plástica itabunense Conceição Portela participa, no próximo dia 23, do 4º Festival de Artes Empreendedoras, organizado pelos professores e alunos de Iniciação Empresarial  do Sistema de Informação, do curso de Administração da Universidade Federal de Sergipe. O Festival, que tem como tema “Nordeste, Tradição e Cultura”, reúne artistas plásticos, poetas, repentistas e fotógrafos de estados nordestinos. O evento será realizado na Universidade Federal de Sergipe, em Itabaiana.

Conceição Portela, a única artista do sul da Bahia convidada para o festival, apresentará obras que fazem parte da exposição “Duendes do Cacau”, já apresentada em Itabuna e Ilhéus, com uma temática que aborda o universo da civilização cacaueira de forma lúdica, em cores vibrantes e traços harmoniosos. O 4º Festival de Artes Empreendedoras é coordenado pela professora Gracyane,  da Universidade Federal de Sergipe.

COREÓGRAFO DA GLOBO PARTICIPA DE SELEÇÃO DE BAILARINOS PARA ESPETÁCULO EM ILHÉUS

Zebrinha participa de seleção de bailarinos, no TMI || Foto Divulgação

A Organização Gongombira de Cultura e Cidadania realiza neste sábado e domingo (24 e 25), às 9 horas, na Tenda Teatro Popular de Ilhéus, situada na Avenida Soares Lopes, audição para selecionar novos bailarinos, que atuarão no espetáculo Mukalê Oyá Por Nós.

A seleção será dirigida por Zebrinha, coreógrafo da Cia dos Comuns (Rio de Janeiro), do Bando de Teatro Olodum e diretor artístico do Balé Folclórico da Bahia e, atualmente, é coreógrafo da série Mister Brau, produzida pela Rede Globo, com Lázaro Ramos e Taís Araújo como protagonistas.

Para se inscrever é necessário ter acima de 16 anos, experiência com dança e enviar currículo com foto para o e-mail gongombira@yahoo.com.br ou entregar pessoalmente na sede da instituição, localizada na Avenida Brasil, 485, Alto da Conquista.

MUKALÊ OYÁ POR NÓS

O espetáculo será apresentado no dia 23 de março, no Teatro Municipal de Ilhéus, e integra a programação da quinta edição da Semana Mãe Ilza Mukalê, evento em homenagem ao aniversário de 84 anos de Mãe Ilza e ao Dia Internacional da Mulher (8 de março). Mais informações: (73) 3633-3008 / 98809-3958

ILHÉUS: BLOCO ZÉ PEREIRA TOMA CONTA DAS RUAS DO PONTAL

Desfile do Bloco Zé Pereira levou milhares às ruas do Pontal || Foto Clodoaldo Ribeiro

A pontualidade foi uma das marcas da festa. Meia-noite em ponto, o desfile começou. As ruas do populoso Bairro do Pontal, zona sul de Ilhéus, ficaram tomadas por foliões de todos os cantos da cidade, que foram acompanhar o “Zé Pereira”. Turistas brasileiros e estrangeiros também prestigiaram a festa, que acabou nos primeiros raios de sol deste sábado.

O “Zé Pereira” desfila há mais de 35 anos e transformou uma brincadeira da família em uma das maiores manifestações de rua do bairro do Pontal, durante os festejos do momo. “A gente saía do Clube do Pontal, após os bailes, mas queria continuar a festa do Carnaval. Pegava panelas, colheres de pau, e fazia barulho pelo bairro. A ideia começou a reunir cada vez mais amigos”, conta a diretora Joana Angélica.

Ao longo dos anos, ela testemunhou o crescimento da festa e a consolidação do bloco como uma das maiores manifestações populares do carnaval de Ilhéus.

Prefeito Mário Alexandre faz selfie com foliões no Pontal || Foto Clodoaldo Ribeiro

Ontem, o bloco retornou para a praça, depois de percorrer pelas ruas Dom Pedro II, contornar a Rua Senhor do Bonfim e seguiu pela passarela do álcool. Atravessou a 13 de maio e para a praça São João Batista, local de concentração. As ruas ficaram lotadas de foliões. Alguns vestidos com a camisa do bloco. Outros, fantasiados. Todos em festa.

“Este é o verdadeiro carnaval. A festa que permite a manifestação popular, a manutenção da tradição e, sobretudo, a vontade do povo estar na rua de forma espontânea”, destacou o prefeito de Ilhéus, Mário Alexandre, que prestigiou o desfile.

Ruas são tomadas pela alegria e irreverência do Zé Pereira || Foto Clodoaldo Ribeiro

FABRÍCIO PANCADINHA ESTREIA NO CARNAVAL DE SALVADOR

Fabrício Pancadinha vai estrear no Carnaval de Salvador e se apresenta em dois dias

Fabrício Pancadinha vai estrear no Carnaval de Salvador neste ano. Na próxima terça-feira (13), o artista revelação do Carnaval de Itabuna se apresenta no Circuito Campo Grande, no finalzinho da tarde. O Campo Grande é o cenário mais disputado do carnaval baiano, principalmente por revelar artistas para o cenário nacional.

Antes, na segunda (12), Pancadinha estreia na folia em Salvador na Liberdade. “Avisa que estamos chegando para balançar essa zorra. É o escravo fujão na cena em Salvador!!”, escreveu o cantor itabunense no Facebook, há pouco.

Pancadinha arrastou a maior pipoca do Antecipado de Itabuna || Imagem Divulgação

Pancadinha desponta depois de ter arrastado a maior pipoca do Itabuna Folia, no último dia do Carnaval Antecipado de Itabuna, mesmo depois de nomes nacionais já terem descido a avenida. Já em 2017, Pancadinha foi das principais atrações na folia de Itabuna, ainda fazendo parte da Banda Tsunami. Já em fevereiro do ano passado, ele partiu para carreira solo (relembre aqui).

ILHÉUS: ED PAIXÃO LANÇA “A RESISTÊNCIA DO CLOWN NA DRAMATURGIA”

Ed Paixão lê obra a ser lançada em Ilhéus neste sábado || Foto Reprodução

Neste sábado (3), às 19 horas, na Casa Malvina, espaço do Coletivo Saladistar, na Rua General Câmara, Centro de Ilhéus, será lançado o livro A Resistência do Clown na Dramaturgia, que reúne três peças de teatro inéditas escritas pelo dramaturgo, ator e palhaço ilheense Ed Paixão. O livro foi editorado por Romualdo Lisboa, do Teatro Popular de Ilhéus.

Palhaço e clown são termos distintos para se mencionar a mesma coisa. A dramaturgia do livro traz como protagonista essa figura estranha que nasce da derrota. Ele é o porta-voz dos oprimidos, um ser autêntico que aceitou sua condição grotesca e se libertou das máscaras da sociedade, mas isso só depois de muitas derrotas.

Historicamente, ele surge da classe rejeitada, do bêbado que cai no chão e bate o nariz, e por ter caído tantas vezes, seu nariz se torna vermelho. Seu sapato descomunal e suas roupas são achadas no lixo, ou seja, não são sob medida para caber em seu corpo. Na arte, esse ser encontra sua casa, se transforma num herói ao avesso, pinta a cara e fala verdades no palco que ninguém teria coragem, expõe os opressores ao ridículo e é aplaudido no final.

Obra de Ed Paixão será lançada neste sábado, no centro de Ilhéus

O personagem Carlitos de Chaplin, que é homenageado no livro, é a representação desse herói, seu intérprete, nascido e criado na miséria, com o dom natural para arte do humor, de forte resistência a não dobra-se a qualquer exigência ou ceder favores, conseguiu alavancar sua condição ao mundo dos ricos, sem perder sua humildade e essência. Ele mostrou que os oprimidos podem ter voz e lutar contra a tirania. Suas obras são universais e quebram até hoje barreiras.

Chaplin criou filme que satirizava Hitler em plena Segunda Guerra Mundial e foi expulso do Estados Unidos em consequência de suas ações. De acordo com Ed Paixão. “O livro nasce da minha militância, ao longo de mais de 13 anos de pesquisa e dedicação como ator e palhaço, e já se passaram quase cinco anos, desde que comecei a esboçar o projeto de idealização dele. A obra é um ato político de resistência ao sistema, por isso, o título do livro”, diz.

A primeira peça (Telepinose) é uma crítica ao papel da mídia e sua influência na sociedade. A segunda (A Prisão de Caliban), é uma releitura da peça “A Tempestade” de Willian Shakespeare que se passa no século XX e aborda temas como a Ditadura Militar de 1964, a escola tradicional e a luta de classes. Já a terceira (O Grande Yorick), trata-se de drama psicológico que mistura Hamlet de Shakespeare com Dom Quixote de Cervantes nos dias atuais.

Na noite de lançamento do livro, haverá a leitura dramática da peça A Prisão de Caliban e um café literário com bate-papo no final. O exemplar do livro poderá ser adquirido no dia pelo valor de R$ 30,00.

LIVRO DISCUTE O USO DO WHATSAPP COMO RECURSO PEDAGÓGICO

WhatsApp e educação: entre mensagens, imagens e sons é uma co-edição da Editus – Editora da UESC e Edufba – Editora da UFBA. Organizado por Cristiane Porto, Kaio Eduardo Oliveira e Alexandre Chagas, o livro conta com 13 artigos de diferentes pesquisadores do Brasil e de outros países, que discutem a utilização do aplicativo WhatsApp como aliado do processo de ensino e aprendizagem.

Os autores ressaltam as potencialidades da utilização do aplicativo de mensagens como mediador na formação educativa, levando em conta a rapidez e a inovação dos processos na cibercultura (cultura que surge a partir do advento da internet). Para isso, são apresentadas pesquisas e práticas pedagógicas, que utilizam o WhatsApp para mediar atividades de inclusão, na educação básica e em universidades. A obra é destinada a educadores, educomunicadores e interessados na educação digital.

O livro WhatsApp e educação: entre mensagens, imagens e sons custa R$ 45,00 e pode ser adquirido na Livraria da Editus, localizada no Centro de Artes e Cultura Paulo Souto, na UESC, em Ilhéus. Na internet, o leitor encontra essa e outras publicações da Editus nos sites www.livrariacultura.com.br e www.ciadoslivros.com.br. Pedidos também podem ser feitos pelo email vendas.editus@uesc.br ou pelo telefone (73) 3680-5240.

TPI PARTICIPA DO FESTIVAL DE TEATRO DA CAATINGA

Teodorico Majestade é uma sátira política de grande sucesso no sul da Bahia

O Teatro Popular de Ilhéus está a caminho de Irecê, onde participará do IV Festival de Teatro da Caatinga. O evento começa nesta sexta (19) e será encerrado no próximo dia 27. É a primeira vez que o grupo ilheense se apresenta na cidade.

O espetáculo do TPI que participará do festival será Teodorico Majestade – As últimas horas de um prefeito. Sucesso desde 2006, a montagem é uma sátira política em cordel.

Assinada e dirigida pelo dramaturgo Romualdo Lisboa, a obra é uma das atrações do evento que, além do grupo baiano, conta com projetos nacionais e internacionais.

A apresentação do Teatro Popular de Ilhéus será neste sábado (20), às 20 horas, no auditório do Colégio Modelo de Irecê. No elenco de Teodorico…, os atores Aldenor Garcia, Cabeça Isidoro, Ely Izidro, Tânia Barbosa e Takaro Vítor.

COQUINHO DE QUELÉ AINDA É LEMBRADO COMO UMA DAS DELÍCIAS DE CANAVIEIRAS

Tia Quelé recebe amigos e relembra fatos de Canavieiras

Uma unanimidade: assim era considerado o coquinho de Quelé, uma deliciosa mistura de cachaça com o coco, fabricado anos a fio na atual rua Dr. Edmundo Lopes de Castro, no bairro da Birindiba, em Canavieiras. E o delicioso produto etílico, àquela época, era consumido por pessoas das mais diversas faixas etárias – de mamando a caducando, como se diz –, bastando, para tanto, saborear um bom aperitivo.

Aos 89 anos, Dona Clemência Vieira Costa está aposentada deste afazer desde 2009, para desespero dos antigos e fiéis clientes, que relembram com água na boca as visitas ao Coquinho de Tia Quelé. Para uns, visita diária obrigatória – ao meio-dia para despertar o apetite, ou ao final da tarde para descansar de um dia estafante de trabalho e se encorajar para um banho frio –; semanais, às sextas-feiras, com a finalidade de abrir o fim de semana; e ainda tinha a turma do sábado ou do domingo.

Desculpas de biriteiros à parte, a fama do Coquinho de Quelé reunia representantes de todas as camadas sociais de Canavieiras por ser um local onde até os políticos adversários se encontravam e se comportavam com civilidade. Até mesmo os alunos do Ginásio Municipal Osmário Batista – uniformizados, inclusive – frequentemente pulavam o muro para beber um coquinho em Tia Quelé, como fazia o hoje bancário aposentado, Raimundo Antônio Tedesco, isso aos 15 anos de idade.

Coquinho de Tia Quelé, umas das delícias de Canes

Mais de 100 coquinhos eram produzidos mensalmente, sem contar as encomendas destinadas a parentes e amigos em Salvador, que recebiam os coquinhos para verdadeiros mimos para matar as saudades da terra natal. Além do coquinho, Tia Quelé também atendia aos mais diferentes paladares, oferecendo cachaça com folhas (folha podre, no ditado popular) e cerveja. Já os tira-gostos eram servidos por estabelecimentos vizinhos.

JEGUE AMARRADO NO BALCÃO

No Coquinho de Quelé também tinha a turma da saideira, que amarrava o jegue no balcão e só deixava a casa depois de pronto e acabado, embora para uma grande turma era o local do início dos “trabalhos”. Informa Tedesco, que o local era uma espécie de esquente para a turma ir à farra, após umas doses espertas do coquinho. “Dali cada um tomava o seu rumo”, conta Tedesco.

E Tia Quelé, que serviu e introduziu várias gerações ao mundo etílico e boêmio por várias décadas, finalmente aposentou e não deixou nenhum substituto à altura, como reclama um dos clientes mais assíduos, Nélson Barbosa (Nélson Amarelão). Essa também é a queixa dos canavieirenses que residem em outras cidades, que frequentemente visitam Tia Quelé em suas idas e vindas. Outro cliente com muitas encomendas era o ex-bancário Jaime Bandeira, para presentear os amigos em Salvador.

Até mesmo o bancário aposentado e ex-secretário municipal Antônio Amorim Tolentino, hoje fora das lides etílicas, quando relembra o coquinho de Tia Quelé diz que vem a saliva na boca. Para ele, além da alta qualidade do produto, a casa reunia a mais fina-flor da boemia, a exemplo de Arimar Chaves, Fred Érico Almeida, José Reis, Almir Melo, Tyrone Perrucho, Toninho Pereira Homem, Ériston Nascimento, dentre outros, que passavam os mais variados temas em revista.

Na opinião do jornalista Tyrone Perrucho, mesmo com todos o bares e botequins da cidade, a casa de Tia Quelé era uma parada obrigatória da boemia, lembrando a grande profusão desses estabelecimentos em Canavieiras. “De repente, ficamos órfãos com a aposentadoria de Tia Quelé. Ela representou para nós o mesmo que Caboclo Alencar, do ABC da Noite, simboliza para Itabuna”, retratou.

Tia Quelé faz pose com os embaixadores

HOMENAGEM

Mas o sentimento de perda do Coquinho de Tia Quelé deixou nos nostálgicos clientes está perto de ser satisfeita e, quem sabe, neste Carnaval possam matar as saudades do coquinho, numa edição especial de homenagem, com 50 coquinhos. Mais ainda, outra edição do coquinho está prevista para o dia 5 de junho, data em que Tia Quelé completa 90 anos de idade. Quem promete essa festa toda é o seu bisneto Paulo Henrique.

A intenção da família é relembrar uma das grandes tradições de Canavieiras criadas por Tia Quelé e que faz parte da memória da cidade e das pessoas que aqui viveram e foram apreciadores da iguaria. A notícia das edições especiais já despertaram alguns dos clientes mais assíduos, que tentam se inscrever numa lista de pré-venda e participarem das homenagens.

RECONHECIMENTO

Num expediente sabático na Confraria d’O Berimbau, entre as várias e simultâneas discussões, o Coquinho de Quelé foi apontado pelos confrades especialistas em assuntos etílicos como uma das maravilhas da vida boêmia de Canavieiras. Considerado um assunto dos mais relevantes, imediatamente foi programada uma visita de reconhecimento à Tia Quelé, com a formação de uma comissão de alto nível para a importante missão.

Nesta embaixada, participaram os jornalistas Tyrone Perrucho e Walmir Rosário, os bancários aposentados Raimundo Antônio Tedesco e Antônio Amorim Tolentino e o funcionário público aposentado Nélson Barbosa. O objetivo principal foi o de refrescar a memória das pessoas sobre uma pessoa que contribuiu para tornar Canavieiras uma cidade de cultura rica, notadamente na gastronomia e nas bebidas.

Tia Quelé, que criou e netos adotivos, se aposentou aos 81 anos e hoje vive com o bisneto Paulo Henrique. Aualmente tem dificuldades em reconhecer as pessoas, mas, com esforço, lembra de alguns fatos e amigos mais chegados, a exemplo de Raimundo Orelhinha e Wallace Mutti Perrucho. Apesar dessas condições, não perde o bom humor, mesmo quando reclama de algumas dores ao ficar sentada ou em pé. Mesmo assim não se fez de rogada ao ser chamada a ir para a porta para pousar na fotografia com os antigos clientes.






WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia