WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia


alba










agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

editorias






:: ‘Azevedo’

QUER SER PADRINHO

O prefeito de Itabuna achou um jeito de ficar um passo à frente da turma que faz de tudo para assumir a paternidade da Universidade Federal do Sul da Bahia. Na sessão especial que discutiu o assunto na manhã desta segunda-feira, 15, no auditório da FTC, um assessor da Secretaria da Educação transmitiu a seguinte mensagem de Azevedo: “se a reitoria da universidade vier para Itabuna, a Prefeitura dará o terreno do campus”.

Dizem que o prefeito raciocinou que, como não pode se arvorar de pai da criança, haja vista não ter sequer chegado perto do “quarto” em que ela foi concebida, Azevedo quer pelo menos ver se vira padrinho do rebento.

“Bem, o berço ele já ofereceu”, afirma um empolgado ajudante de ordens do capitão.

DRAGON – SURPRESA…

SE NÃO É PRA CUMPRIR, PRA QUE PROMETE?

Graças ao prefeito de Itabuna, Sr. José Nilton Azevedo, crianças e adolescentes que participam de um torneio de futebol em Itabuna já estão aprendendo que é difícil e perigoso acreditar em político.

No final de fevereiro, Azevedo expôs sua figura no Caic (Centro de Atenção Integral à Criança), onde é realizada a 17ª Copa Itabuna de Futebol de Base. Após entregar algumas bolas, o prefeito prometeu todo apoio à competição, comprometendo-se inclusive a doar toda a premiação aos participantes nas categorias pré-mirim (11 anos), mirim (12 a 13), infantil (14 a 15) e juvenil (16 a 17).

Feita a promessa, a frustração veio logo em seguida. O organizador da copa, José Roberto Santos, o Zuzi, afirma ter ido diversas vezes ao gabinete de Azevedo na Prefeitura, onde nunca conseguiu ser atendido. Na última ocasião, a secretária do prefeito avisou-lhe o que já era previsto: seria bem difícil conseguir a premiação.

Para não decepcionar os pequenos atletas, os pais é que tiveram de se virar, adquirindo as premiações para as categorias pré-mirim e mirim, cujas finais acontecem neste fim de semana. Já para as categorias infantil e juvenil, ainda não houve solução. “Como acreditei nas palavras do prefeito, deixei de procurar apoio em outros lugares”, afirma Zuzi, o enganado.

Com ações desse tipo, Azevedo é forte candidato a receber o troféu de prefeito bola-murcha.

 

BONITO ASSIM, SÓ NA PROPAGANDA…

Uma empresa de Feira de Santana foi contratada para reformular o site da prefeitura de Itabuna. A nova página, onde é destacado o azul do DEM e da campanha de Azevedo, também traz um link de apresentação da cidade onde o que chama a atenção são as fotos de uma frondosa fonte luminosa.

A fonte é aquela da campanha eleitoral, instalada na praça Camacan e retirada meses depois.

 

A SUCESSÃO MUNICIPAL

Marco Wense

Essa reação, externada de maneira incisiva, de que o PCdoB não é mais subserviente ao petismo, não quer mais o papel de coadjuvante, agrada também ao PSB e o PP.

As reações de Wenceslau Júnior, presidente do PCdoB de Itabuna, reafirmando candidatura própria na sucessão de 2012, têm provocado uma incontrolável euforia nos democratas (DEM).

Qualquer comentário de que o PCdoB não terá candidato, novamente apoiando o PT, é logo bombardeado pelos três prefeituráveis da legenda: Davidson Magalhães, Sena e Wenceslau.

Um racha na oposição, principalmente entre comunistas e petistas, é “a azeitona que faltava na empada do prefeito Azevedo”, costuma dizer um azevista de carteirinha.

Tem até correligionários com a opinião de que a reeleição de Azevedo depende mais da cisão oposicionista do que da realização de obras na periferia.

Essa reação, externada de maneira incisiva, de que o PCdoB não é mais subserviente ao petismo, não quer mais o papel de coadjuvante, agrada também ao PSB e o PP.

Com o PCdoB longe do PT, a indicação do candidato a vice na chapa encabeçada por Geraldo Simões seria disputada por socialistas e pepistas.  O empresário Roberto Barbosa, que preside o PP local, é um fortíssimo vice-prefeiturável.

O PT de Geraldo Simões não quer nem ouvir falar do médico Edson Dantas e do vereador Ricardo Bacelar como opções do PSB para uma composição na chapa majoritária.

Não é à toa que Ruy Machado, presidente da Câmara de Vereadores, trabalha para levar o colega Gerson Nascimento para o Partido Socialista Brasileiro.

Ruy Machado sabe que a coligação do PSB com o PT é favas contadas. A senadora Lídice da Mata, mandatária-mor do PSB, já decidiu que o partido deve apoiar o ex-prefeito Geraldo Simões.

De olho no segundo mandato, Ruy Machado, mesmo em outro partido, faria de tudo para emplacar o colega Gerson como vice de Geraldo. A contrapartida do edil seria o apoio a sua reeleição.

Para fazer frente ao ambicioso plano do presidente do Legislativo, alguns membros do diretório vão convidar o major Serpa para se filiar ao PSB, se tornando assim um vice-prefeiturável.

Pelo andar da carruagem, parece que o caminho da reconciliação entre petistas e comunistas é cada vez mais difícil. A tábua de salvação do PCdoB é o PMDB.

O PCdoB não pode lançar candidatura própria sem o imprescindível apoio do PMDB, sem o tempo que a legenda dispõe no horário eleitoral destinado aos partidos políticos.

Davidson Magalhães, por exemplo, não pode fazer uma campanha com alguns segundos na telinha. Uma campanha, digamos, enesiana, na base do “meu nome é Davidson”.

Marco Wense é articulista político.

A RECHONCHUDA UNIÃO

O prefeito de Itabuna inaugurava uma unidade de saúde no bairro da Mangabinha, na manhã deste sábado, 30, quando voltou a fazer sua profissão de fé contra a forma como a receita tributária é dividida no Brasil. A bronca, motivo de queixa de todos os prefeitos do país, é que a União abocanha 60% do “bolo”, deixando 25% para os Estados e 15% para os municípios.

Curiosa foi a forma que Azevedo encontrou para ilustrar o assunto. Durante o discurso, ele chamou o secretário da Agricultura (e peso-pesadíssimo), Marcelino Oliveira, e outros dois sujeitos – bem mais magros e um deles magérrimo – que assistiam à inauguração. Estes últimos, segundo o prefeito, representariam  o Estado e o município. Quando apresentou o rechonchudo Marcelino, Azevedo disse: “já a União, vejam como ela está gorda, inchada”…

Gargalhada geral.

PINÓQUIO DE ONDINA

O secretário de Agricultura de Itabuna, Marcelino Oliveira, deixou o Sest/Senat, ao final da tarde de hoje, antes que a comitiva do prefeito Azevedo. Saiu de lá chutando o vento e resmungando contra Jaques Wagner.

Marcelino queria ouvir do governador a promessa de início imediato da duplicação dos 11 quilômetros da BR-415 do final da J.S. Pinheiro até Nova Ferradas. E Wagner anunciou só o trecho que vai de Nova Ferradas a Ibicaraí, e pedia “calma”.

Com cara de menino contrariado, Marcelino reagiu:

– Me tire daqui, me tire daqui. Esse governador é mentiroso, é mentiroso…

E saiu em disparada.

ARTISTAS SALVARAM A SALA ZÉLIA LESSA

Termo de compromisso garante devolução de espaço cultural aos artistas de Itabuna (foto Pedro Augusto)

A Prefeitura chegou a iniciar a destruição da sala Zélia Lessa, um antigo espaço cultural de Itabuna, no começo do mês de junho. Por ordem da secretária da Assistência Social, Marina Silva, o teto do imóvel foi retirado e os espaços onde funcionavam camarins e auditórios foram demolidos. No local, a Prefeitura alegava pretender instalar salas da escola profissionalizante que funciona ao lado.

A reação de artistas da cidade foi imediata e impediu a destruição. Nesta semana em que Itabuna completa 101 anos, o prefeito José Nilton Azevedo recebeu em seu gabinete um grupo de pessoas engajadas no setor cultural e foi assinado um termo de compromisso que garante a revitalização da sala e sua destinação para promover as artes e a cultura.

No local, atendendo a uma proposta dos artistas, será instalado o Café Teatro Zélia Lessa, onde se pretende realizar “apresentações e manifestações culturais”. Para o o presidente da Associação dos Artistas de Itabuna, Ary Rodrigues, a cidade sempre foi referencial na arte e na cultura e, portanto, “é natural que tenha seu espaço e, mais que isso, uma alternativa a mais para artistas e comunidade”.

 

PARTIDO DOS MILICOS

O jornalista Levi Vasconcelos repercutiu hoje nota do PIMENTA sobre a exigência feita pelo deputado Coronel Santana (PTN) de que o prefeito Capitão Azevedo, de Itabuna, respeitasse sua patente.  Na coluna Tempo Presente (A Tarde), Levi aproveitou para dar uma sugestão ao deputado:

“Na Assembleia Legislativa tem também o Capitão Tadeu e o Sargento Isidório. E na Câmara de Salvador o tenente-coronel Mustafá. É só fundar o PM (Partido dos Militares)”.

Por aqui, o colega Luiz Conceição acrescenta mais uma dica: “se este partido vier a ser criado, poderia ter como patrono o deputado federal e casca grossa Jair Bolsonaro (PP/RJ)”.

O CAPITÃO E O CORONEL

O prefeito Capitão Azevedo não digeriu bem a tentativa de enquadramento feita pelo deputado estadual Coronel Gilberto Santana (PTN). Sentindo-se pouco prestigiado, apesar de ter uma secretaria no governo, Santana alertou o prefeito para a hierarquia da caserna.

“Nós estamos deputado e prefeito, mas somos militares”, disse o parlamentar em entrevista ao repórter Costa Filho. Nas entrelinhas, ficou subentendida a advertência: “eu sou coronel e ele é capitão”.

A amigos próximos, Azevedo afirma que não entende a insatisfação de Santana e, com o jeito matuto que lhe é peculiar, repete que gosta de fazer política com humildade. “Ele pode querer dar uma de coronelzão, mas a prefeitura não é quartel”, teria dito o prefeito a um desses amigos.

PELO SIM PELO NÃO, COMITÊ MANTÉM VIGILÂNCIA SOBRE A EMASA

O “Comitê em Defesa das Águas e da Emasa”, reinstalado na semana passada com o propósito de combater uma possível concessão da Empresa Municipal de Água e Saneamento de Itabuna à iniciativa privada, manterá sua agenda de atividades, mesmo após o prefeito José Nilton Azevedo ter afirmado em entrevistas que irá conservar a empresa sob o controle público.

A controvérsia foi gerada pelo novo presidente da Emasa, Geraldo Briglia, que disse considerar a privatização como uma hipótese plausível. Depois, o próprio Briglia procurou jogar panos quentes, esclarecendo que falou sobre o assunto apenas “em tese”e que não haveria nenhum projeto para alterar o modelo de gestão da Emasa.

Ainda assim, o comitê permanece atento e continua articulando um seminário para discutir a política de saneamento e a importância de preservar a Emasa como empresa pública. Diante dos “humores” oscilantes do governo, a prudência aconselha desconfiar.

AZEVEDO, ALICE E O DEM

Marco Wense

Quando alguém perguntava a Paulo Souto, então candidato ao Palácio de Ondina, se o prefeito Azevedo iria votar nele, o ex-governador respondia com um “sei lá”.

Agora é ponto final. As interrogações, aspas, reticências sobre o futuro político do prefeito José Nilton Azevedo devem desaparecer.

O chefe do Executivo sabe que não pode mais ficar indeciso, como aconteceu na sucessão estadual, deixando toda a cúpula do DEM irritadíssima.

Quando alguém perguntava a Paulo Souto, então candidato ao Palácio de Ondina, se o prefeito Azevedo iria votar nele, o ex-governador respondia com um “sei lá”.

Azevedo não pode mais vacilar, sob pena de dificultar ainda mais sua pretensão de governar Itabuna pela segunda vez, empatando com o petista Geraldo Simões.

Pelo DEM vai buscar sua reeleição ou o fracasso eleitoral. Não pode prescindir de uma coordenação política tendo na linha de frente Maria Alice, presidente do Partido do Democratas.

Maria Alice, merecidamente mantida no comando do DEM, já deu provas suficientes de que sua ligação política com o ex-prefeito Fernando Gomes, hoje no PMDB, é coisa do passado

ITABUNA: CARGO NA SETRAN PASSA DE PAI PRA FILHO

Quem é o diretor do Departamento de Trânsito da Prefeitura de Itabuna? Esta é uma pergunta que deveria ser respondida com facilidade, mas não é. Vejam porque:

O cidadão tido como titular do cargo e que coordena o trabalho dos agentes de trânsito se chama Deroaldo Andrade Leite. É ele o diretor do Departamento, mas apenas de fato.

Um decreto com data de 7 janeiro de 2011, assinado pelo prefeito de Itabuna, exonerou Deroaldo, que não poderia acumular o cargo de diretor com a função de sargento da Polícia Militar. Por essa razão, ele usou de esperteza para não ter que reduzir o orçamento da família. E, o que é pior, contou com o consentimento do prefeito.

No mesmo dia em que Azevedo exonerou o diretor, por meio do decreto de número 9.307 (clique aqui para ver), assinou logo em sequência o decreto número 9.308 (veja aqui), pelo qual foi nomeado Deroaldo Andrade Leite Júnior para o comando do Departamento de Trânsito. Assim, ficou tudo em casa.

Dois agentes de trânsito ouvidos pelo PIMENTA afirmam que o Júnior nunca assumiu o cargo para o qual foi nomeado. Quem continua dando as ordens no Departamento Trânsito é o pai, numa demonstração de que em Itabuna há uma grande distância entre a realidade e o que sai no Diário Oficial.

Este fato é grave e precisa ter uma explicação por parte do prefeito e do secretário de Trânsito, Wesley Gonçalves Melo. O blog está aberto aos esclarecimentos.

AZEVEDO E A REELEIÇÃO

Marco Wense

Geraldo aposta na interferência do governador Wagner, unindo os partidos em torno da candidatura de Juçara.

A reeleição do prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo, eleito pelo DEM, ex-Partido da Frente Liberal (PFL), continua complicada, mas não tão difícil como parecia ser.

Pessoas bem próximas do chefe do Executivo, como também adversários políticos, alguns até prefeituráveis, já admitem que o governo demista, quando comparado ao que era antes, teve uma razoável melhora.

Os azevistas, principalmente os mais eufóricos, acham que a posição de primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto é só uma questão de tempo.

O outro lado, o da oposição, tendo na linha de frente o Partido dos Trabalhadores (PT), acredita que tudo não passa de um oba-oba da assessoria de comunicação do alcaide.

Enveredando para o lado eminentemente político, o racha na oposição, especificamente entre o PT e o PCdoB, é outro ponto que alimenta a confiança do azevismo na reeleição.

O deputado Geraldo Simões aposta na interferência do governador Jaques Wagner. Para o ex-prefeito, Wagner vai unir todos os partidos da base aliada em torno da candidatura da ex-primeira dama Juçara Feitosa.

Situacionistas e oposicionistas fazem o que é inerente ao processo político. Ou seja, espalham otimismo. Uma coisa é certa: o prefeito Azevedo não é mais, como diziam alguns petistas, “cachorro morto”.

O “já ganhou”, menosprezando e subestimando o adversário, é o pior caminho para chegar ao poder.

AZEVEDO, SANTANA E CASTRO

Mais cedo ou mais tarde, o prefeito de Itabuna vai ter que encarar, olho no olho, os deputados estaduais Augusto Castro (PSDB) e o coronel Santana (PTN).

Perguntar para os senhores parlamentares, que têm cargos importantes no governo, se eles vão ou não apoiar sua reeleição, sob pena de ter uma desagradável surpresa na sucessão municipal.

Augusto Castro, além das críticas que faz ao governo demista, diz que “a cidade anseia por renovação política”. O coronel Santana, por sua vez, pede respeito aos correligionários mais próximos do chefe do Executivo.

Se o prefeito estivesse em uma posição confortável nas pesquisas eleitorais, não necessariamente na frente de Juçara Feitosa, os deputados estariam se engalfinhando para indicar o candidato a vice na chapa majoritária.

Castro e Santana, que vêm fazendo um bom trabalho na Assembleia Legislativa, só querem usufruir das coisas boas que acontecem no governo.

Marco Wense é articulista da revista Contudo.

LEMBRARAM DO NOVA CALIFÓRNIA

O bairro Nova Califórnia, um dos mais desprezados pelos governos itabunenses, deverá ser contemplado com obras de infraestrutura no valor de R$ 2,9 milhões. Há pouco, na entrega da urbanização da Rua da Palmeira (bairro Califórnia), o prefeito José Nilton Azevedo informou que a outra comunidade será atendida com ligações à rede de abastecimento de água e ainda saneamento, drenagem e pavimentação.

A promessa é de que os trabalhos começam em 40 dias.

LEITOR MANDA AZEVEDO “RESPEITAR O POVO”

A enquete do PIMENTA, que perguntou qual o melhor nome para o programa do prefeito de Itabuna no rádio, apurou que para 57% de nossos leitores o institucional deveria ser batizado com um sonoro “Respeita o povo, Azevedo”. Exatamente 1440 pessoas opinaram e 814 delas cobraram maior consideração do alcaide (confira).

Atrás, com 23% das preferências, ficou a sugestão “Acorda, Azevedo”, seguida de “Fala, demolidor” (referência à destruição do antigo prédio do Colégio Divina Providência e da Sala Zélia Lessa). Este nome seria o melhor para 12% dos que responderam à enquete.

O simpático e inofensivo “Bom Dia, Azevedo” foi escolhido por 8% dos leitores.

NOVA ENQUETE – Você já pode opinar em uma nova enquete do PIMENTA. O blog quer saber o que você pensa sobre a crise do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães, cenário de um “cabo-de-guerra” entre os governos do estado e do município.

Quem está com a razão nessa briga? Clique aí ao lado e expresse o que você pensa a respeito.

SANTANA COBRA RESPEITO

O deputado estadual Gilberto Santana (PTN) realmente carregou o estilo militar da caserna para a atividade política. Neste sábado, 16, durante o encontro na sede do diretório do DEM em Itabuna, o parlamentar fez um discurso de comandante de tropa, endereçado ao prefeito Azevedo (também milico, mas de patente inferior). Disse, entre outras coisas, que é “parceiro” da administração municipal, mas que exige “mais respeito” do governo.

Santana não explicou exatamente como é que estão lhe faltando com respeito e deixou muita gente intrigada. O deputado tem cargos na gestão municipal, sendo o mais vistoso deles a Secretaria de Assistência Social, ocupada por sua “afilhada” Marina Silva. O que estaria faltando então ao nobre coronel?

Um observador atento da reunião afirmou o seguinte: “Santana só vai se sentir respeitado quando o Capitão Azevedo bater continência e abrir caminho para que ele dispute a eleição de 2012”.

Em tempo: no encontro deste sábado a empresária Maria Alice Pereira foi reconduzida à presidência do diretório do DEM. Estavam presentes vários caciques do partido, como o presidente da executiva estadual, José Carlos Aleluia, e o deputado federal ACM Neto.

NOVO PRESIDENTE NÃO DESCARTA PRIVATIZAÇÃO DA EMASA. OAS TEM PLANO PARA ASSUMIR EMPRESA

Alfredo Melo saiu porque era contra privatização.

Alfredo Melo, como adiantou o PIMENTA, não é mais presidente da Empresa Municipal de Água e Saneamento (Emasa), mas ninguém no governo diz publicamente quais as razões que levaram à saída do engenheiro do principal cargo da empresa da qual é funcionário concursado.

Hoje pela manhã, o prefeito Capitão Azevedo (DEM) antecipava ao blog a substituição de Alfredo Melo por Geraldo Briglia, mas não dizia claramente por qual motivo o engenheiro deixou o cargo (confira entrevista exclusiva abaixo).

Este blog apurou, no entanto, que Alfredo começou a cair quando deixou claro que não concordava com a privatização da Emasa. Há 15 dias, a OAS apresentou ao prefeito e ao engenheiro exonerado um plano para viabilizar a privatização. “Me recuso a aceitar isso”, reagiu o presidente diante de executivos da OAS e de membros do governo Azevedo.

Uma proposta mais branda transfere o comando da Emasa para a iniciativa privada via PPP (Parcera Público-Privada), algo já tentado pelo ex-prefeito Fernando Gomes por três vezes nos dois últimos mandatos (1997-2000 e 2005-2008). Como Alfredo resistia à privatização, foi destituído do cargo.

Azevedo nega privatização da Emasa.

Confira o que diz Azevedo sobre a troca de comando. Na entrevista exclusiva ao PIMENTA, nas primeiras horas desta manhã de quinta, ele negou que pretenda privatizar a empresa:

PIMENTA – Qual o verdadeiro motivo da saída de Alfredo Melo?
Capitão Azevedo – Alfredo disse que estava havendo incompatibilidades e que preferia sair do cargo. Já que estava havendo isso, mudamos, sem problema.

Mas o que se comenta dentro e fora do governo é que a saída tem a ver com o processo de privatização da Emasa. A empresa será mesmo privatizada?
Em hipótese alguma, jamais. A Emasa é pública e tem de continuar pública.

Não há nenhuma chance de privatização?
Nada, em hipótese alguma.

Mesmo que o senhor seja reeleito?
Jamais. Nós temos é que caminhar para revitalizar a Emasa. E o caminho é a construção da barragem, que é mais opção de água, que vai nos garantir água em todas as estações.

Briglia assume sem descartar privatização.

Apesar do prefeito Capitão Azevedo negar peremptoriamente uma possível privatização, o novo presidente da Emasa, Geraldo Briglia, concedeu entrevista ao PIMENTA, horas antes de assumir o cargo. E deixa claro que a empresa pode, sim, ser entregue à iniciativa privada. Confira:

PIMENTA – O senhor está assumindo a Emasa num período de crise nas relações internas. Qual será a linha adotada pelo senhor e quais as prioridades da gestão?
Geraldo Briglia – O que está acontecendo é que houve uma administração em que ocorreram muitas coisas e o povo se desuniu. Vamos implantar uma gestão unificada, desenvolver projetos para saneamento básico necessário a Itabuna.

O senhor é favorável à privatização da Emasa?
Não sou a favor nem contra. Na minha opinião, a gente sempre lutou para que isso não acontecesse. Mas hoje, com a própria determinação do governo federal de direcionar recursos nessa área para PPPs, é preciso analisar com cuidado. Certo é que fomos chamados para reorganizar a empresa e fazer como nas minhas duas gestões anteriores.

GERALDO BRIGLIA ASSUME COMANDO DA EMASA

Confirmando o que o PIMENTA havia antecipado em primeira mão, o engenheiro Geraldo Briglia assume nesta quinta-feira, 30, a presidência da Empresa Municipal de Água e Saneamento de Itabuna (Emasa). Ele vai substituir o também engenheiro Alfredo Melo.

A posse de Briglia no cargo ocorrerá logo mais, às 11h30min, no gabinete do prefeito José Nilton Azevedo, com quem o blog conversou há pouco. Segundo o prefeito, Alfredo Melo pediu para sair da Emasa alegando desgaste no cargo.

Há rumores de que o governo municipal opera para transferir a empresa para a iniciativa privada. Briglia teria sido escolhido para conduzir o processo rumo à privatização.

BRIGA FEIA NA EMASA

Alfredo Melo ainda não confirmou pedido de exoneração (foto Waldyr Gomes)

O PIMENTA fez várias tentativas de contato com o presidente da Empresa Municipal de Água e Saneamento de Itabuna (Emasa), Alfredo Melo, para confirmar a informação sobre sua saída do cargo. Melo atendeu apenas um dos vários telefonemas, mas disse que não podia falar no momento e ficou de retornar depois, o que ainda não ocorreu.

Segundo foi apurado pelo blog, uma briga com direito a vias de fato teria a ver com pedido de exoneração do presidente. O entrevero se deu na manhã desta terça-feira, 28, nas dependências da sede administrativa da Emasa, envolvendo o diretor financeiro Otaviano Burgos e funcionários identificados como Renato, Josa e Ailson.

O início da briga foi presenciado pelo presidente da Câmara de Vereadores de Itabuna, Ruy Machado, que logo saiu do recinto, alegando não apreciar “cenas fortes”. Duas fontes da maior confiabilidade confirmaram a troca de sopapos, mas gente próxima ao prefeito José Nilton Azevedo nega que ele tenha recebido pedido oficial de exoneração de Alfredo Melo.

LEOPOLDO E ALFREDO FORA

O pós-São João começou quente na prefeitura de Itabuna. Primeiro, o prefeito Capitão Azevedo tirou Leopoldo dos Anjos do comando do Hospital de Base Luís Eduardo Magalhães (Hblem). Agora, engrena mudança na direção da Emasa, como parte do projeto de privatização da empresa. O presidente Alfredo Melo seria substituído pelo engenheiro Geraldo Briglia.

A saída de Leopoldo do Hblem, conta o blog Trombone, foi definida ainda ontem, após o diretor do hospital entrar em atrito com Azevedo. Contra a vontade do prefeito, ele não quis assinar o contrato em que o estado repassará R$ 500 mil ao hospital por mês.

Leopoldo, literalmente, retou-se e lembrou que o prefeito assinaria um contrato contra o qual tanto desferiu críticas. “Não assino”, sustentou, enxergando ali uma “sentença de morte” do Hblem. O gestor itabunense mandou os bons modos às favas, argumentando que não poderia brigar com o estado.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia