WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia
festival chocolate






alba








junho 2019
D S T Q Q S S
« maio    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

editorias






:: ‘Azevedo’

ACORDO COLETIVO

A Prefeitura de Itabuna diz que finalmente protocolou na Câmara de Vereadores o projeto de lei que oficializa o acordo coletivo dos servidores.  O documento foi assinado pelo prefeito Capitão Azevedo no ano passado, mas ficou na gaveta por mais de três meses.

 De acordo com a assessoria do prefeito, o projeto foi encaminhado ao legislativo no final da tarde de ontem (20). Agora, depende de aprovação em plenário para virar lei e se converter em benefício real para os servidores.

Neste momento, o Sindserv (Sindicato dos Servidores Públicos de Itabuna) promove manifestação em frente ao Centro Administrativo Firmino Alves, exatamente por causa da pendência relativa ao acordo coletivo.

OPERAÇÃO TAPA-BURACOS

Equipe trabalha no bairro Santo Antônio (foto Vinícius Borges)

Parece que o prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo, cansou de ser xingado pelas vítimas dos muitos buracos existentes nas ruas da cidade. Para o governo, a operação tapa-buracos virou prioridade máxima e a ordem é atender todos os bairros, principalmente as vias por onde circula o transporte coletivo.

Ao longo desta semana, as esquipes trabalham no bairro Santo Antônio e no Jardim Grapiúna. O governo não divulgou o cronograma da operação, mas promete não parar.

É bom mesmo, pois buraco nas ruas de Itabuna é o que não falta…

SERVIDORES RETADOS DA VIDA

O Sindicato dos Servidores Municipais de Itabuna (Sindserv) continuam exigindo a aprovação do projeto que torna lei o acordo coletivo celebrado com a Prefeitura em 2011. O documento tem a assinatura do prefeito Capitão Azevedo, mas ficou parado na Secretaria de Governo.

Uma assembleia da categoria está marcada para hoje (15), às 17 horas, no auditório do Sindicato dos Comerciários. A presidente do Sindserv, Karla Lúcia, diz que pretende “discutir formas de luta contra o desrespeito do prefeito e seus secretários”.

FG E AZEVEDO

Para quem os imaginava brigados, foi uma surpresa ver o ex-prefeito de Itabuna, Fernando Gomes, e o atual, José Nilton Azevedo, em animada conversa por volta do meio-dia desta sexta-feira, 9, na sala do secretário municipal de Finanças, Geraldo Pedrassoli.

Além de FG, Azevedo e de Pedrassoli, participavam do bate-papo os secretários Maurício Athayde (Administração) e Gustavo Lisboa (Educação), o assessor da Secretaria de Indústria e Comércio, Jorge Vasconcelos, além do diretor da rádio Nacional, Dinailson Gomes, sobrinho do ex-alcaide.

Cuma estava como um típico turista, de chapéu panamá e tudo.

OUVINTE NÃO

O deputado federal Geraldo Simões (PT), que se tornou figurinha carimbada na rádio Difusora de Itabuna, deu entrevista há pouco no programa de estreia de Gerdan Rosário. Em resumo, o tema se restringiu às eleições municipais com a candidatura da esposa de Geraldo, Juçara Feitosa, e críticas ao governo Azevedo.

Alguns ouvintes reclamaram do veto do programa à participação do público.

Quem ligou na intenção de dar um pitaco ou fazer alguma pergunta ao entrevistado, ficou na vontade.

NA DIFUSORA, GERALDO ATACA AZEVEDO E DIZ QUE ROMBO NAS CONTAS DA PREFEITURA É DE R$ 100 MILHÕES

Geraldo acusa Azevedo.

O deputado federal Geraldo Simões concedeu quase uma hora de entrevista a Cacá Ferreira, na Rádio Difusora de Itabuna AM, e não economizou críticas ao prefeito Capitão Azevedo (DEM). Segundo o parlamentar, Azevedo deixou rombo de R$ 100 milhões em dívidas a pagar entre 2011 e 2012.

Geraldo disse que o prefeito gerou essa dívida sem, ao menos, ter feito obras com recursos próprios e que as executadas no município são oriundas de verbas federais e estaduais. “O mais difícil (para o próximo gestor) vai ser consertar, tapar o buraco que está lá na prefeitura”, aponta.

O parlamentar também citou o descontrole com folha de pagamento ao lembrar que 75% das receitas vêm sendo gastos com pessoal, quando o máximo permitido por lei é 54%. “O pior [da gestão] não é o buraco nas ruas, não é o posto de saúde que não funciona, não é o hospital de Base. O pior são as coisas internas [da prefeitura]”.

Geraldo apresentou dados que, para ele, confirmariam a tese de que tudo que está sendo feito em Itabuna é por causa dos governos federal e estadual. “São R$ 163.039.973,33, dinheiro que está na mão do prefeito. Uma parte ele já gastou e outra parte tá vindo. Não tem obra que o prefeito termine. Isso com dinheiro das [gestões] de Lula, Dilma e Wagner. É tudo mal aplicado”.

A entrevista marcou a “estreia” do deputado na rádio Difusora. Nos 22 anos de mandatos eletivos, Geraldo nunca pisou no estúdio da emissora, que pertencia ao seu maior (ex-) adversário político, Fernando Gomes. A rádio foi adquirida em fevereiro pelo empresário João Lourenço Botti, ligado ao deputado.

A CANDIDATURA DE AZEVEDO

Azevedo: problemas com as contas

O prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo, está com um olho na reeleição e outro na Câmara de Vereadores, onde suas contas relativas ao exercício de 2009 aguardam para ir à votação em plenário. Se confirmado o parecer do TCM, que rejeitou as contas, o gestor estará enquadrado na Lei da Ficha Limpa e, em consequência, será impedido de disputar o pleito.

Nos bastidores, Azevedo opera para que as contas não sejam apreciadas pelo legislativo, evitando ou pelo menos postergando o risco da inelegibilidade. Mas ele ficará com o pescoço sob a lâmina da guilhotina.

Há também que opere, em outro quadrante, para que a Câmara vote logo as contas, e torcendo para que não haja senões ao parecer do tribunal. Um dos mais entusiasmados defensores do legislativo diligente é o deputado estadual Gilberto Santana (PTN).

O deputado é aliado circunstancial do prefeito, tem a irmã na direção do Hospital de Base, mas não faz questão de esconder: se Azevedo ficar inelegível, ele “cai pra dentro”.

Lembra aquela música de Baiano e Os Novos Caetanos, onde se diz que o urubu tá com raiva do boi porque deseja comer, mas este teima em não morrer… E o urubu, segundo a música, “todo dia chora, todo dia chora”.

AZEVEDO, PETROBRAS E AMBEV SÃO COBRADOS

Quando participou da solenidade de apresentação do conjunto de uniformes do Itabuna em janeiro, o prefeito Capitão Azevedo (DEM) prometeu ajuda ao time na disputa do Baianão 2012. A promessa foi feita para uma plateia selecionada e diante de microfones de emissoras de rádio locais. Ontem, Ricardo Xavier, presidente do clube, afirmou que nada pingou até agora. O prefeito está inadimplente com o Itabuna.

Mas Azevedo não está sozinho na lista dos devedores, conforme Xavier. À relação, juntam-se Petrobras e Ambev (Brahma), que expõem placas de publicidade no estádio Luiz Viana Filho (Itabunão). Por enquanto, tá tudo no “0800”. E o dinheiro da Embasa, R$ 150 mil prometidos? Também não…

A mídia esportiva local sugere que o prefeito Azevedo, pelo menos, trabalhe para que um grupo de empresas invista no Azulino, numa operação para evitar que a vaca não fique – de vez – no brejo. Sim, ficar, pois ontem o time assumiu a lanterna do Baianão (relembre).

O não-cumprimento da promessa do prefeito é visto como resultado de “picuinhas” políticas. Talvez também seja reflexo das “picuinhas” o fato de o placar eletrônico do Itabunão, inaugurado em julho do ano passado, até agora não funcionar, mesmo estando já na décima rodada do Baianão 2012.

Tá feio, senhores.

GERALDO SIMÕES E FERNANDO GOMES

Montagem impagável do Blog do Gusmão (aqui resgatada) mostra um "casamento" entre Geraldo e Fernando, tendo Azevedo como testemunha

Da coluna Política, Gente, Poder (Diário Bahia)

Geraldo Simões & Fernando Gomes, lideranças populares, expressivos líderes, políticos das últimas décadas aqui de Itabuna, ex-prefeitos carismáticos, com votos. Eles classudamente conversando. Criminalidade nenhuma, espanto algum.

Geraldo Simões & Fernando Gomes. Amável leitor, atento leitor. Surpreendentemente, quase pânico é o senhor Fernando Gomes ingressar no PT. Ele será recusado? Ele será aceito? Não quero perceber, não quero pensar, não quero saber.

SÓ COM GERALDO

Marco Wense

Da base situacionista, o PCdoB tem alguma chance com o PP de Roberto Barbosa se houver uma contrapartida na cidade de Ilhéus, com os comunistas apoiando a candidatura de Jabes Ribeiro ao Palácio do Paranaguá.

O deputado federal Geraldo Simões ainda acredita em uma composição entre petistas e comunistas na sucessão do prefeito Azevedo (DEM).

Geraldo tem motivos de sobra para ficar esperançoso. O tititi entre o PT e o PCdoB, com troca de farpas entre suas lideranças – a mais recente foi entre o parlamentar e Davidson Magalhães –, sempre existiu.

Na última eleição (2008), o ex-vereador Luis Sena foi o indicado para compor a chapa majoritária encabeçada pela petista e ex-primeira dama Juçara Feitosa.

Os comunistas juram por todos os santos que essa sucessão municipal é diferente, já que a opinião de que o PCdoB deve ter candidatura própria é avassaladora entre militantes e simpatizantes.

No PCdoB, no entanto, há também os pragmáticos, os que caminham pela estrada de que o partido só deve ter candidato se o cenário apontar uma possibilidade de vitória.

A viabilidade eleitoral, como condição imprescindível para a disputa do Centro Administrativo, só será alcançada com uma coligação envolvendo legendas da base aliada do governo Wagner e de oposição.

Da base situacionista, o PCdoB tem alguma chance com o PP de Roberto Barbosa se houver uma contrapartida na cidade de Ilhéus, com os comunistas apoiando a candidatura de Jabes Ribeiro ao Palácio do Paranaguá.

Do lado oposicionista, descartando aí o PSDB e, obviamente, o DEM do prefeito Azevedo, só o PMDB presidido pelo médico Renato Costa. Vale lembrar que o peemedebismo tem Leninha Alcântara como pré-candidata.

O trunfo do deputado Geraldo Simões é o governador Jaques Wagner. O parlamentar aposta em uma efetiva participação do chefe do Executivo no processo sucessório.

O problema é que o empenho pessoal de Wagner para que os partidos aliados fiquem com o candidato do PT, principalmente o PCdoB e o PDT, só com uma condição: que o candidato seja Geraldo Simões.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

ASSIM NÃO PODE, ASSIM NÃO DÁ, AZEVEDO!

Os primeiros moradores do condomínio Pedro Fontes I, no São Roque, reclamam um tiquinho de atenção da prefeitura. As primeiras 490 famílias beneficiadas reclamam que não há iluminação pública no condomínio. Nem transporte público. “Para chegar até lá, temos que ir de táxi ou mototáxi, porque não tem ônibus”, reclama uma das moradoras.

Se não bastassem essas deficiências, o acesso ao “bairro planejado”  é feito por uma estrada vicinal totalmente esburacada. “É horrível, cheia de buracos e muita lama. O asfalto que o prefeito [Capitão Azevedo] disse que iria colocar ficou na promessa”. E olhe que essa era das poucas atribuições que cabiam ao município…

AZEVEDO “VICIADO EM BURACO”

Jaques Wagner, Cláudia Leitte, Bahia, Vitória… Meio mundo da política e das artes baianas já foi motivo de paródia da campanha governamental contra as drogas. Agora, o nome da vez é o do prefeito de Itabuna, José Nilton Azevedo (DEM). Ele aparece no Facebook como um “viciado em buraco”. Olha só a paródia:

DRAGON – SEM NOÇÃO

Entenda aqui

DE MÃOS DADAS

Marco Wense

O ex-prefeito Fernando Gomes, o comprador João Botti e o deputado federal Geraldo Simões. Sem dúvida, os principais protagonistas da transação comercial envolvendo a Rádio Difusora.

Nilton Cruz, presidente da ACI de Ilhéus, e Tiago Feitosa, filho do parlamentar, ficam como coadjuvantes. Raimundo Vieira foi o articulador, o articulador-mor da inusitada aproximação dos ex-prefeitos, que agora são aliados na sucessão de 2012.

PS – A coordenação política da nova Rádio Difusora vai ficar sob a batuta dos jornalistas Eduardo Anunciação e Daniel Thame, profissionais de inteira confiança do deputado Geraldo Simões.

COMENTE JÁ! »

BOATOS

Com a proximidade do dia da eleição, os boatos, que são inerentes ao processo eleitoral, vão crescer em projeção geométrica.

O último é que Tom Ribeiro, do programa Alerta Total, na telinha da TV Cabrália, teria sido convidado para ser o vice na chapa encabeçada pela petista Juçara Feitosa.

Tom é filiado ao PRB, o mesmo partido do prefeiturável Claudevane Leite, o vereador Vane do Renascer. Na política, existe o boato e o “boato”.  Com e sem aspas.

COMENTE JÁ! »

AZEVEDO, CASTRO E SANTANA

Na medida em que o deputado Geraldo Simões se aproxima de Fernando Gomes, o prefeito José Nilton Azevedo fica cada vez mais refém dos deputados estaduais Augusto Castro (PSDB) e do coronel Santana (PTN).

Uma coligação com o PMDB do médico Renato Costa passa a ser imprescindível para o projeto de reeleição do demista. O PSDB continua firme com a pré-candidatura de Ronald Kalid.

Santana e Castro vão pedir o céu ao chefe do Executivo. O céu tem que ser de brigadeiro. Nada de nuvens cinzentas.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.

RABO PRESO FUTEBOL CLUBE

"Vocês conhecem Neco? Neco Migonão!"

Não perguntem ao prefeito de Itabuna qual é a opinião dele sobre a esculhambação reinante na Câmara de Vereadores, de onde foram defenestrados três integrantes esta semana.

Um repórter do jornal Agora testou a coragem do Capitão Azevedo e acabou ouvindo uma resposta que deve tê-lo deixado atônito até o presente momento.

Assim se pronunciou o primeiro mandatário do município, diante da pergunta sobre o que achava da decisão do juiz Gustavo Pequeno de afastar os vereadores envolvidos em maracutaia:

“Eu não sei, não tenho noção do que está acontecendo. Como o caso está no Judiciário, acho que as partes devem se comportar de acordo com a legislação brasileira. Não tenho acompanhado os fatos. Mas, como estamos num país de pleno direito democrático, acho que cada um deve ter seus direitos respeitados”.

Azevedo literalmente encarnou o Rolando Lero e juntou nada com coisa nenhuma para dar um nó no repórter. Alás, levar as pessoas “para a estória” se tornou uma especialidade do cabra.

DELIVERY

Alice Portugal, Carlinhos Cardoso, Roberto Barbosa, Wenceslau, Marco Wense, Luís Sena e Edson Dantas no evento comunista (foto Marcos Souza)

Um gaiato que participou na noite de ontem (26) da festa de aniversário do comunista Wenceslau Júnior, pré-candidato a prefeito de Itabuna pelo PCdoB, brincou com o veto do anfitrião ao casal petista Juçara Feitosa e Geraldo Simões, assim como ao prefeito José Nilton Azevedo (DEM).

Observando que entre os convidados estava o presidente da Câmara, Ruy Machado, o sujeito saiu-se com essa: “Ruy, como é bem relacionado tanto com o casal quanto o prefeito, certamente levará quentinhas para os não-convidados”.

RENAN MOREIRA NA VICE DE AZEVEDO

O advogado e ex-provedor da Santa Casa de Misericórdia de Itabuna, Renan Moreira, já começa a se articular na tentativa de ser o candidato a vice-prefeito na chapa de Capitão Azevedo (DEM). Renan tem comparecido a eventos do município sempre ao lado do prefeito. A chapa tem a simpatia da presidente do DEM, Maria Alice Pereira, e o apoio do empresário “Carlinhos Bavil”.

Renan Moreira é do PTB, partido que, teoricamente, está nas mãos do presidente da Câmara de Vereadores, Ruy Machado (PRP).

ITABUNA: JUSTIÇA FEDERAL NEGA LIMINAR PARA RETORNO DA GESTÃO PLENA

Juiz Igor Matos negou, liminarmente, pedido da prefeitura de Itabuna (Foto Pimenta).

– ESTADO E MUNICÍPIO TERÃO 60 DIAS PARA
RESOLVER PENDENGA “AMISTOSAMENTE”

A prefeitura de Itabuna teve negado, liminarmente, pedido para que novamente volte a gerir os recursos da média e alta complexidade da Saúde, algo em torno de R$ 80 milhões, por ano. Quem negou a liminar foi o juiz federal substituto Igor Matos Araújo. A decisão do magistrado foi tomada ao assumir o processo em substituição à juíza Maizia Seal Pomponet e anunciada nesta quarta (25).

Segundo o magistrado, o pedido da prefeitura de Itabuna foi indeferido por que o município assumiu um pacto de gestão em 2009 que alterou “situação jurídica”. Por esta alteração, o Estado assumia a gestão destes recursos.

No entendimento do juiz, a manutenção da gestão da média e alta complexidade em mãos do estado não ofereceria perigo, pois Itabuna foi desabilitada “em 2008 e só entrou com ação em 2012”.

– A decisão de indeferimento já foi dada – afirmou em entrevista ao PIMENTA.

Hoje, o juiz conduziu audiência conciliatória com representantes da prefeitura de Itabuna e do Governo do Estado na subseção da Justiça Federal. O juiz disse que a audiência teve o objetivo de tentar viabilizar “fato novo” que pudesse surgir com a manifestação do governo baiano no processo.

Ainda durante a audiência, o magistrado deu 60 dias para que a questão seja resolvida administrativamente entre município e estado, com a participação dos órgãos de controle social, a exemplo dos conselhos Municipal e Estadual de Saúde.

Também na audiência, o Estado reforçou que, além dos recursos da União, ele também colocam, via Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), mais R$ 30 milhões no sistema de saúde do município. Quanto às alegações do município de perdas de números de procedimentos com o fim da gestão plena em 2008, o juiz disse que tudo terá que ser provado e, para isso, foi dado prazo de 60 dias. Nesse período, o processo na Justiça Federal ficará suspenso.

AZEVEDO DIZ QUE VAI ATÉ A ÚLTIMA INSTÂNCIA

O prefeito Capitão Azevedo disse que a audiência foi bem conduzida e visa buscar caminhos para “resolver os problemas da saúde”. Citando números da rede básica, Azevedo afirmou que Itabuna estaria apta a novamente administrar os recursos da média e alta complexidade.

O prefeito falou em problemas de atendimento na rede hospitalar, a exemplo do quase fechamento do Cemepi (antigo Ipepi). “Vou à luta, não posso ser omisso e buscarei até o último momento, até a última instância [a gestão plena]”.

CONSELHOS DE SAÚDE SERÃO DECISIVOS

Andrés Alonso, superintendente da Regulação da Sesab, afirmou que não cabe ao Estado avaliar, unilateralmente, se o município pode retomar a gestão plena (comando único) da Saúde. Ele reforçou a necessidade de participação de órgãos de controle para avaliar se Itabuna tem condição ou não de assumir o Comando Único do SUS, quando passa a responder pela rede básica e média e alta complexidade.

“A audiência foi conduzida de uma forma bastante inteligente à medida que estimulou o diálogo entre os dois entes”. A Sesab, segundo Alonso, somente se manifestará quanto à capacidade de Itabuna ter novamente a gestão dos recursos somente após a manifestação de conselhos de saúde e órgãos que têm a participação popular e de secretários municipais de Saúde.

É MELHOR DESISTIR

Marco Wense

Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público.

Os pré-candidatos a prefeito de Itabuna não podem ficar chateados com os comentários sobre suas pretensões políticas, que são legítimas e merecedoras de respeito.

Quem pretende entrar na vida pública, assumindo o poder pelo voto popular, sem dúvida o maior instrumento da democracia, não pode ficar tiririca com o pessoal da comunicação.

O projeto político interessa a todos. A vida privada, se fulano ou fulana gosta disso ou daquilo, aí incluindo a preferência sexual, é problema de cada um.

Comentários sobre o particular dos prefeituráveis, com picuinhas, insinuações maldosas e coisas outras, são ridículos. Não merecem nem a lata do lixo.

Até as freiras do Convento das Carmelitas, por exemplo, sabem que candidatura até o fim do processo eleitoral só com alguma possibilidade de vitória.

Quem não pontuar bem nas pesquisas, tendo como limite a primeira quinzena do mês de setembro, terá, compulsoriamente, que entrar no jogo da cúpula estadual das agremiações partidárias.

Os interesses lá de cima, que envolvem os chamados “mangangões”, os que se acham donos vitalícios dos partidos, são como grandes elefantes na frente de pequenas formigas.

Essa conversa de autonomia de diretório municipal para decidir sobre candidatura é conversa pra boi dormir. Se os diretórios não têm autonomia, imagine as coitadinhas das comissões provisórias.

Um acordo na sucessão soteropolitana, envolvendo os partidos de oposição ao governo Wagner, principalmente o PMDB, DEM e o PSDB, é mortal para as articulações interioranas.

Seria de uma ingenuidade gigantesca, de uma infantilidade inominável, alguém pensar que o ex-ministro Geddel não iria fazer um acordo com ACM Neto porque o PMDB de Itabuna pretende ter candidatura própria.

Ou, então, ACM Neto apoiando o candidato do PMDB em Salvador sem exigir como contrapartida o apoio do peemedebismo de Itabuna ao segundo mandato do prefeito Azevedo (reeleição).

Na areia movediça da política, não há espaços para os ingênuos e os desprovidos de espírito público. O melhor conselho é desistir, sob pena de ficar no meio do caminho.

PDT SEM CARGO

Acácia e Félix (Foto Política Livre).

Em decorrência de um acordo entre os deputados Félix Mendonça e Geraldo Simões, respectivamente patronos das pré-candidaturas de Acácia Pinho e Juçara Feitosa, o PDT ficou sem cargos no governo Wagner.

A dobradinha Félix e Geraldo, de olho também na sucessão do prefeito José Azevedo (DEM), deixou os pedetistas de Itabuna a ver navios. Muita gente insatisfeita nas hostes do brizolismo tupiniquim.

Marco Wense é articulista do Diário Bahia.








WebtivaHOSTING // webtiva.com . Webdesign da Bahia